O que está por trás da ansiedade por comer?

24 de novembro de 2018
"Quando estou preocupada ou ansiosa, sinto vontades de comer mais". Com certeza você já ouviu isto mais de uma vez, inclusive, é possível que você mesma já tenha se sentido desta forma.

Hoje falaremos de um tema que não é precisamente fácil. A ansiedade por comer.

Em algumas ocasiões, passamos por uma época em que comemos mais do que o necessário. E não é só isso. Comemos muito devido a uma ansiedade inexplicável que nos obriga a procurar por petiscos, a abrir a geladeira à noite enquanto deveríamos estar dormindo ou a entrar em uma padaria onde tem docinhos tão saborosos…

Por que fazemos isso? O que está por trás da ansiedade por comer? A comida nos oferece a felicidade que não encontramos na vida diária?

Vamos nos aprofundar neste tema para poder chegar a várias conclusões.

Ansiedade por comer ou comer por ansiedade?

ansiedade comer

“Quando estou preocupada ou ansiosa, sinto vontade de comer mais”. Com certeza você já ouviu isso mais de uma vez, inclusive, é possível que você mesma já tenha se sentido desta forma.

São processos que se transformam, em algumas ocasiões, em círculos viciosos. Ao nos sentirmos mais ansiosos, comemos mais, porém ao ganhar peso e ver como nosso corpo muda, nos sentimos ainda pior.

É um problema muito comum que nos obriga a fazer a clássica pergunta: eu realmente estou com fome? Vou comer isto porque meu corpo necessita ou como só por prazer? Ou para preencher um vazio que não sei muito bem como explicar?

Bom, primeiramente temos que dizer que o simples fato de se fazer estas perguntas já é algo positivo, pois há uma clara intenção de encontrar a causa deste comportamento. No entanto, há quem não se preocupe e continua comendo de maneira excessiva.

Aspectos por trás da ansiedade por comer

  • Pode-se dizer que por trás da ansiedade por comer sempre há um fator emocional, que faz com que  a comida se torne um modo de obter uma rápida satisfação, de desfrutar por um momento de algo muito doce, de algo salgado, de qualquer coisa saborosa e rica em gorduras que nos encha e nos deleite durante um breve instante. Assim, o doce aumenta a produção de endorfinas e é um pequeno prazer que, às vezes, cobre esses problemas emocionais.
  • Em algumas ocasiões, os problemas de relacionamento entram claramente nestes processos que citamos, que fazem com que a ansiedade por comer nos engorde. Há coisas que gostaríamos de dizer para outras pessoas, mas não nos atrevemos, há uma clara infelicidade que não sabemos muito bem como lidar… E, em lugar de agir, às vezes, nos refugiamos na comida.

Veja também: Diferenças entre a fome real e a ansiedade por comida. Descubra-as!

  • Também pode ocorrer que não nos sintamos bem com nós mesmas. Nos olhamos espelho e não gostamos do que vemos. Isto gera ansiedade, insatisfação e, quase sem notamos, começamos a beliscar alguma comida. Porque o pacote de batatinhas nos ajuda a não pensar, porque os docinhos na bolsa caem bem de vez em quando, porque, às vezes, quando não conseguimos dormir à noite, é bom procurar por algo na geladeira.
  • Além disso, há dias em que chegamos em casa muito estressadas, com muitas preocupações. Assim, tomamos um banho e, de repente, nos bate um vazio no estômago que só é aliviado com um bolo, uma goiabada, um salgadinho… A ansiedade, às vezes, chega em nossa vida sem nos darmos conta e comer se torna um ato cotidiano capaz de nos relaxar. No momento em que oferecemos algo para nosso estômago encontramos certa satisfação e uma certa calma.

Como controlar a ansiedade por comer?

andar de bike

1. Averigue a origem desta ansiedade

É por causa do trabalho? Você tem um problema com seu parceiro? Além disso, há algo em você mesma que você não gosta? Talvez seja o momento de unir forças, ser valente e assumir riscos para ser mais feliz, para se ver bem. Vale a pena tentar.

2. Escute seu corpo

Está sentindo fome de verdade? Pergunte sempre isto cada vez que você estiver beliscando fora de hora, porque o que seu corpo pede não é comida. O que ele pede é uma solução para aquilo que está lhe preocupando e que deixe de se enganar com doces e lanchinhos. Sua fome não é real.

3. Respire

Cada vez que sentir o vazio da fome, faça alguns pequenos exercícios de relaxamento. Respire devagar, leve a mão até a altura do estômago e inspire profundamente. Repita por cinco vezes e tente relaxar.

E aprenda: Três exercícios de respiração que ajudam a relaxar

4. Consuma coisas adequadas que amenizem a ansiedade

Existem alimentos muito adequados para tirar a ansiedade e que podem ser realmente úteis, além de saudáveis para o corpo. Confira abaixo quais são:

  • A aveia.
  • As maçãs.
  • Os aspargos.
  • O peito de peru.
  • O iogurte grego sem açúcar.
  • O espinafre.
  • Chá de dente de leão.
  • Chá de passiflora.
  • As amêndoas.

5. Faça caminhada

Poucas coisas podem ser tão terapêuticas como dar uma longa caminhada de uma hora ao ar livre, pois ajuda a relativizar os problemas, a aliviar ansiedades, a regular as batidas cardíacas e a liberar a mente. Depois do passeio, você vai começar a ver as coisas de outra forma. Em suma, vale a pena tentar.

França, C. L., Biaginni, M., Mudesto, A. P. L., & Alves, E. D. (2012). Contribuições da psicologia e da nutrição para a mudança do comportamento alimentar. Estudos de Psicologia (Natal). https://doi.org/10.1590/S1413-294X2012000200019

Leonardo, M. (2009). Antropologia da Alimentação. Revista Antropos.

Lima, A. C. R., & Oliveira, A. B. (2016). Fatores Psicológicos da Obesidade e Alguns Apontamentos Sobre a Terapia Cognitivo-Comportamental. Mudanças – Psicologia Da Saúde. https://doi.org/10.15603/2176-1019/mud.v24n1p1-14

Contreras, J. (2011). A modernidade alimentar: entre a superabundância e a insegurança. História: Questões & Debates. https://doi.org/10.5380/his.v54i1.25736