Por que temos espasmos ao dormir e como evitá-los?

04 Setembro, 2020
Para reduzir a ocorrência dos espasmos ao dormir, é essencial que você mantenha um estilo de vida saudável e cuide dos seus hábitos de sono.

Os espasmos que temos ao dormir são, na verdade, espasmos musculares involuntários curtos e fortes que ocorrem principalmente entre a vigília e o sono. Também são chamados de espasmos mioclônicos ou empurrões hipnóticos.

Quando ocorrem, os espasmos do sono podem despertar a pessoa que os tem e quem dorme junto com ela. Além disso, eles geralmente são precedidos por um sono intenso ou alucinações. A mais típica é a sensação de cair de uma escada ou em algum lugar profundo.

Embora os espasmos do sono possam ser preocupantes ou desconfortáveis, não são um problema sério. De fato, esta é uma situação que 70% da população experimenta.

Embora ainda não se saiba ao certo o que os causa, alguns fatores podem favorecer a sua ocorrência. Neste artigo, explicaremos quais são.

Por que temos espasmos ao dormir?

Acredita-se que a causa dos espasmos ao dormir seja a preparação do corpo para o sono. O corpo tende a desacelerar todas as funções, como a respiração e os batimentos cardíacos. Além disso, a função motora cessa. Assim, o corpo garante que, durante esse período, o corpo não reagirá e permanecerá seguro.

Outras teorias sustentam que esses espasmos são brechas dos nossos ancestrais. Um estudo realizado na Universidade do Colorado (EUA), liderado por Coolidge, diz:

“Os empurrões hipnóticos podem ser um reflexo arcaico da má interpretação que nosso cérebro faz durante o relaxamento muscular desde o início do sono, como se fosse um sinal para alertar nossos ancestrais adormecidos de que eles estão caindo de uma árvore”.

Isso sugere que os espasmos do sono são remanescentes de um mecanismo de defesa. Estímulos como ruídos ou luzes também podem acioná-los. Por outro lado, acredita-se que eles sejam influenciados pelo tipo de vida que levamos atualmente.

Mulher sofrendo de insônia

Quais fatores podem favorecer a ocorrência dos espasmos?

Como sabemos, o ritmo atual de vida afeta muitas áreas da nossa saúde, e isso inclui o sono. Acredita-se que ter um ritmo acelerado de vida e, consequentemente, dormir poucas horas por dia pode desencadear espasmos ao dormir. Outros fatores que parecem ter uma influência são:

  • Ansiedade e estresse.
  • Fadiga.
  • Privação de sono.
  • Consumo de cafeína.
  • Outras drogas estimulantes.

Qualquer tipo de problema que perturbe o relaxamento na hora de dormir pode aumentar esses espasmos. Também há indícios de que a nicotina e até o exercício podem estar relacionados.

Você também pode estar interessado: Transtornos do sono em adolescentes: saiba mais

Como reduzir os espasmos ao dormir?

Como acreditamos que os espasmos durante o sono podem ser causados ​​por ansiedade ou estresse, o primeiro passo é tentar reduzi-los. Para isso, é essencial iniciar uma mudança de mentalidade.

A rotina pode parecer sufocante em muitas ocasiões, mas devemos nos concentrar em manter a calma. Tentar ver as coisas menos drasticamente pode nos ajudar a reduzir essa ansiedade constante.

Da mesma forma, é essencial levar um estilo de vida saudável. Uma dieta equilibrada e a prática regular de exercícios moderados são medidas essenciais para alcançarmos um sono de qualidade. Exercícios como ioga e pilates, que ajudam a controlar o estresse, são alternativas perfeitas.

Na dieta, é necessário reduzir a ingestão de cafeína. Também seria aconselhável parar de fumar ou, no caso de outros hábitos tóxicos, eliminá-los completamente. Qualquer substância que excita o sistema nervoso central promove esses espasmos ao dormir.

Além disso, tente estabelecer um bom horário de sono. Tente organizar seu dia para ter pelo menos 8 horas para se dedicar ao descanso. Também é importante não levar os problemas para a cama. Pensamentos que obscurecem a sua mente, por exemplo, podem prejudicar a qualidade do sono.

Não deixe de ler: 6 dicas para ter uma boa noite de sono após um dia de trabalho

Conclusão

Os espasmos que temos ao dormir não são uma preocupação. No entanto, se eles influenciam muito a qualidade do seu sono, tente melhorar os seus hábitos. Seu estilo de vida é decisivo para dormir melhor.

  • Coolidge, F., & Wynn, T. (2014). The effects of the tree-to-ground sleep transition in the evolution of cognition in early Homo. Before Farming, 2006(4), 1–18. https://doi.org/10.3828/bfarm.2006.4.11
  • Hauri P.J. (1991) Sleep Hygiene, Relaxation Therapy, and Cognitive Interventions. In: Hauri P.J. (eds) Case Studies in Insomnia. Critical Issues in Psychiatry (An Educational Series for Residents and Clinicians). Springer, Boston, MA. https://doi.org/10.1007/978-1-4757-9586-8_5
  • Kojovic, M., Cordivari, C., & Bhatia, K. (2011). Myoclonic disorders: a practical approach for diagnosis and treatment. Therapeutic advances in neurological disorders, 4(1), 47–62. https://doi.org/10.1177/1756285610395653
  • Mioclono. Mayo Clinic. https://www.mayoclinic.org/es-es/diseases-conditions/myoclonus/symptoms-causes/syc-20350459
  • ¿Qué es el Sueño? Instituto del Sueño (Madrid). https://www.iis.es/que-es-como-se-produce-el-sueno-fases-cuantas-horas-dormir/
  • Frederick L Coolidge; Thomas Wynn. The effects of the tree-to-ground sleep transition in the
    evolution of cognition in early Homo. 2006. Before Farming. https://uccs.edu/Documents/fcoolidg/Before%20Farming%202006%20Dream%20paper.pdf
  • KENNETH R KAUFMAN, RAJESH C SACHDEO. 2003. Caffeinated beverages and decreased seizure control. Seizure. https://doi.org/10.1016/S1059-1311(03)00048-7.
    (http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1059131103000487)
  • Peter Salmon,
    Effects of physical exercise on anxiety, depression, and sensitivity to stress: A unifying theory. 2001. Clinical Psychology Review. https://doi.org/10.1016/S0272-7358(99)00032-X.
    (http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S027273589900032X)
  • Marie-Pierre St-Onge, Anja Mikic, Cara E Pietrolungo, Effects of Diet on Sleep Quality, Advances in Nutrition, Volume 7, Issue 5, September 2016, Pages 938–949, https://doi.org/10.3945/an.116.012336