Entrevista com Manuel Antonio Fernández sobre a importância da neuropediatria

A neurologia pediátrica pode melhorar o desenvolvimento correto das crianças pela detecção precoce de possíveis problemas do sistema nervoso.
Entrevista com Manuel Antonio Fernández sobre a importância da neuropediatria

Última atualização: 04 Fevereiro, 2021

A neuropediatria trata um grande número de patologias de recém-nascidos, crianças e adolescentes. Especialistas em neurologia pediátrica, como o Dr. Manuel Antonio Fernández, destacam a relevância dessa área focada em distúrbios do sistema nervoso infantil.

No entanto, muitos pais ainda desconhecem completamente a existência desses especialistas. Os problemas neurológicos são quase sempre muito leves, mas também comuns: atraso motor e de comunicação, problemas de sono, dores de cabeça, hiperatividade…

Esses tipos de condições quase sempre geram muitas dúvidas e incertezas nas famílias. Saber que podemos contar com esses tipos de profissionais especializados é decisivo. Dessa forma, podemos tratar um grande número de realidades clínicas precocemente para promover um melhor desenvolvimento das crianças.

Discutimos esse importante tópico com um dos expoentes mais reconhecidos nesse campo: o Dr. Manuel Antonio Fernández.

“Graças a esses avanços na genética e nas técnicas de diagnóstico, podemos entender melhor as causas, sintomas e prognóstico de muitas doenças neurológicas, até então desconhecidas.”
-Manuel Antonio Fernández, neuropediatra-

Entrevista com o Dr. Manuel Antonio Fernández

Se falamos de neuropediatria, é quase inevitável não fazer referência ao Dr. Manuel Antonio Fernández. Ele foi reconhecido como o melhor pediatra da Espanha no Doctoralia Awards e é um dos profissionais mais apreciados nesta área por milhares de famílias e outros profissionais que enfatizam, acima de tudo, o cuidado, a proximidade e a vasta experiência desse profissional.

Problemas comportamentais e de aprendizagem, autismo, distúrbio de atenção com ou sem hiperatividade, bebês que demoram muito para se levantar ou engatinhar… Como explica o Dr. Fernández, os problemas neurológicos na infância podem ser muito amplos, e a neurologia pediátrica é a melhor ferramenta para detectá-los, tratar e acompanhar a família nesse tipo de abordagem.

Saber que tudo vai dar certo, que temos verdadeiros especialistas nesse campo específico da pediatria é, sem dúvida, uma grande ajuda. A seguir, discutimos a neuropediatria com o Dr. Manuel Antonio Fernández.

Menino entediado na escola

P. O que é a neuropediatria?

Você sabia que a maioria dos pais não tem conhecimento da existência dos neurologistas pediátricos? Um dos primeiros problemas que encontramos neste mundo é que os pais nem sabem o que é um neurologista pediátrico. Às vezes eles nem sequer ouviram essa palavra. É essencial esclarecer isso para que os pais saibam para onde ir quando o filho tiver problemas.

A Neuropediatria ou Neurologia Pediátrica é a especialidade da pediatria que trata da supervisão do desenvolvimento correto do sistema nervoso e do tratamento das alterações que ele pode sofrer. O período de desenvolvimento que abrange a neurologia infantil, como pediatria, vai do momento da concepção até o final do processo. Isso pode ir além de 18 anos.

P. Então, quando os pais precisam levar seus filhos ao neuropediatra?

Sempre que houver a necessidade de verificar a existência do desenvolvimento neurológico normal ou diante de algum sinal de doença que o afete. Exemplos comumente conhecidos pelos pais são:

  • Epilepsia
  • Enxaquecas 
  • Convulsões febris
  • Distúrbios do sono

Outras condições que também são frequentes, mas que para os pais têm pouco a ver com a neuropediatria, são as relacionadas a distúrbios do desenvolvimento neurológico:

  • Atraso maturacional
  • Autismo e outros distúrbios do espectro autista, como a síndrome de Asperger
  • TDAH (transtorno do déficit de atenção e hiperatividade)
  • Transtornos de aprendizagem como dislexia 
  • Problemas de comunicação, como atraso da linguagem
  • Tiques e outros distúrbios do movimento, como estereótipos ou síndrome de Tourette

Dada a existência ou suspeita de qualquer um desses problemas, o neurologista pediátrico é o especialista mais adequado a ser consultado. Em geral, podemos dizer que em qualquer problema que cause dificuldades no desempenho acadêmico, nas relações sociais ou na conduta e comportamento, esse profissional deve ser consultado.

Talvez você possa se interessar: Sedentarismo infantil: uma epidemia preocupante

P. Quais são os problemas neurológicos mais comuns nas crianças atualmente?

Você já imaginou que os problemas neurológicos infantis mais frequentes são aqueles relacionados ao aprendizado e ao comportamento?

7% das crianças entre 6 e 14 anos têm problemas de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). 9% têm dislexia. Quase 10% das crianças atendem aos critérios para serem classificadas como superdotadas.

As importantes consequências emocionais, sociais e pessoais que esse tipo de problema pode causar a longo prazo tornam essencial a sua detecção e tratamento precoces. Não podemos esquecer outros aspectos muito comuns, como dores de cabeça, epilepsia e distúrbios do sono.

Q. E quais são os problemas mais graves?

Embora os que já mencionamos possam ter sérias consequências, os que ameaçam a vida costumam ser tumores cerebrais, doenças genéticas e principalmente doenças metabólicas.

Os tumores cerebrais na infância são uma causa frequente de doença e morte na idade pediátrica. De fato, são a segunda principal causa de doença em crianças com menos de 15 anos. Elas são mais frequentes do que nas pessoas mais velhas.

As doenças genéticas mais graves que ocorrem na infância são consideradas doenças raras. Elas são muitas e raras. Pouco se sabe sobre elas e a grande maioria carece de tratamento. Alguns exemplos são a Síndrome de Rett, a Síndrome de Alport ou neurofibromatose tipo I, mas existem centenas.

P. Você poderia explicar as causas mais frequentes de problemas neurológicos em crianças?

A maioria desses problemas é baseada em uma alteração no funcionamento do sistema nervoso. Essa alteração pode estar na estrutura ou na operação.

Podemos imaginar esse sistema como uma grande cidade. Possui uma série de estruturas visíveis, como prédios, ruas, rodovias e pontes. Veículos como carros, motos e ônibus circulam por essas rotas, transportando pessoas.

Essas pessoas seriam comparáveis ​​aos neurotransmissores em nosso cérebro. Eles estão encarregados de levar nossos pensamentos, as ordens do cérebro, ao seu destino, para que sejam executados.

Qualquer problema que danifique essas estruturas ou dificulte a circulação de passageiros através de rotas de transporte pode acabar causando problemas e até colapsando a cidade. Da mesma forma, para que o desenvolvimento neurológico ocorra corretamente, todos esses mecanismos devem funcionar de forma perfeita.

Não deixe de ler: O efeito da dislexia em crianças

P. Por que os diagnósticos desse tipo de problema aumentaram em relação a décadas anteriores?

Estudos dizem que o número de crianças com distúrbios do desenvolvimento se multiplicou nos últimos anos. É verdade, mas isso não ocorre porque existe uma epidemia ou porque eles aumentaram, mas por causa de um melhor conhecimento sobre eles, maior conscientização e, acima de tudo, devido aos avanços que a tecnologia nos permitiu alcançar em áreas como genética e exames de imagem, como a ressonância, por exemplo.

As descobertas feitas graças aos estudos de DNA e genoma tornaram mais fácil encontrar as causas dos problemas de muitas crianças que antes eram desconhecidas. Graças a esses avanços, também foi possível entender melhor as causas, sintomas e prognósticos de muitas doenças neurológicas que nem eram conhecidas antes.

Finalmente, sociedades avançadas como a nossa se preocupam em favorecer o pleno desenvolvimento das pessoas, e um dos fatores fundamentais para isso é ajudá-las a desenvolver todo o seu potencial. Vivemos em um mundo muito tecnológico, com alta demanda, cobrança e competitividade. A capacidade e a velocidade do aprendizado tornam-se, portanto, fatores fundamentais para o sucesso e o desenvolvimento pessoal.

O mundo é infinitamente mais e melhor comunicado do que há 10 anos. O 5G também é um grande salto nas possibilidades que temos ao nosso alcance. Tudo isso facilita um melhor desenvolvimento do conhecimento em saúde e, principalmente, daquele relacionado à neurociência.

P. Você pode explicar como esses distúrbios são detectados e diagnosticados?

Para a detecção e diagnóstico da maioria dos distúrbios do desenvolvimento neurológico, devemos nos basear na análise das suas consequências no desempenho acadêmico, nas relações sociais e nos padrões de comportamento.

Quando algum problema aparece nessas três áreas, temos que investigar. Não basta realizar uma entrevista com a família e observar a criança. Testes precisam ser feitos para medir objetivamente o que precisamos.

Em alguns casos, exames de imagem como tomografia computadorizada ou ressonância cerebral podem ser necessários. Em outras situações, podemos precisar realizar um eletroencefalograma ou algum teste analítico. É preciso decidir com base em cada caso. Apesar disso, as novas tecnologias nos permitem analisar e medir coisas que até alguns anos eram impensáveis.

A realidade virtual permite medir funções mentais, como atenção seletiva, controle de impulsos mentais, a velocidade com que nosso cérebro processa informações e até o nível de atividade em nosso corpo. Isso significa que podemos identificar de forma perfeitamente clara se uma criança tem déficit de atenção ou hiperatividade. Não depende mais da opinião dos pais ou da avaliação de um profissional exclusivamente.

Este é um exemplo de como os avanços tecnológicos podem contribuir para o desenvolvimento da medicina e da neurociência.

Criança usando realidade virtual

P. Na sua experiência, como os pais lidam com a detecção de um problema de desenvolvimento neurológico em seus filhos?

A situação depende muito do tipo específico de distúrbio do desenvolvimento neurológico de que estamos falando. É difícil para todos os pais confirmarem que seu filho tem algum tipo de problema. Isso está claro. Mas a maneira de lidar com isso é muito diferente, depende se é um déficit de atenção, autismo, Asperger… Além disso, há algumas famílias com situações muito particulares.

Há casos em que os pais sabem que seu filho tem um grande problema, mas não conseguem descobrir qual é esse problema. Após muitas consultas com especialistas de todos os tipos, não há respostas claras. Eles realizaram muitos testes que não deram resultados definitivos.

Nesses casos, os pais já estão muito cientes do problema. Quando você começa a nomeá-lo, muitos deles sentem alívio. Em outros casos, eles não precisam de um nome e se concentram na ajuda que podem dar ao seu filho.

Existem aspectos intimamente relacionados à personalidade de cada família que tornam as necessidades muito diferentes quando confrontadas com problemas muito semelhantes.

P. Por último, você poderia dar algumas dicas ou conselhos aos pais?

Você acha normal que uma criança de 17 meses não consiga ficar de pé? Não, não é. Você conhece o ditado popular que se ouve tanto sobre “as comparações são odiosas”?

Bom, discordo completamente quando falamos de neurodesenvolvimento. É evidente que cada criança tem seu ritmo quando se trata de se desenvolver, crescer e amadurecer. Ainda assim, não é menos verdade que a comparação é a base inicial para detectar problemas o mais rápido possível.

Anos atrás, eu recebi uma garotinha no consultório que me foi encaminhada por um pediatra do pronto-atendimento. Os pais a levaram porque ela estava resfriada e com febre. Quando o pediatra a viu, ela estava em seu carrinho. Ele disse aos pais para tirá-la para pesar antes de poder examiná-la. A resposta dos pais foi que ela não podia engordar porque não consegue ficar de pé. Meu colega de profissão ficou alarmado e, depois de examiná-la, explicou aos pais que a menina precisava ser consultada por um neuropediatra. Essa situação não era normal.

Não entendo como o pediatra primário não detectou o problema, mas depois de estudarmos o quadro, descobrimos que se tratava de uma doença genética rara e séria. A síndrome de Rett é uma patologia degenerativa que afeta severamente o desenvolvimento.

Por fim, a melhor recomendação que posso dar aos pais é que se mantenham atualizados sobre o caminho que o desenvolvimento do seu filho deve seguir e consultem um neuropediatra ao detectar alguma alteração.

Pode interessar a você...
Maneiras de estimular a saúde cerebral das crianças
Mejor con SaludLeerlo en Mejor con Salud
Maneiras de estimular a saúde cerebral das crianças

O cérebro trabalha 24 horas por dia e precisa de estímulo para se desenvolver. Descubra por que é importante estimular a saúde cerebral das crianças.