Dieta paleolítica: confira tudo sobre ela

19 de março de 2019
Embora possa parecer uma opção muito restritiva com a redução de carboidratos, a dieta paleolítica contém os nutrientes necessários para o corpo, uma vez que os vegetais fornecem carboidratos saudáveis.

A dieta paleolítica, também conhecida como dieta paleo, é uma forma de alimentação que conquistou muitos seguidores em todo o mundo, principalmente porque suas características convidam as pessoas a se alimentarem mais organicamente.

Com isso, pretende-se recuperar o modo de comer dos nossos antepassados, de tal forma que a comida contribua com tudo que o organismo precisa para funcionar de forma adequada.

O que é a famosa dieta paleolítica?

Vegetais permitidos

A dieta paleolítica se tornou popular há muitos anos e continua sendo uma alternativa para se alimentar de forma mais saudável. Suas origens são baseadas no estilo de alimentação dos habitantes do período paleolítico, isto é, quando os ancestrais tinham que caçar e cultivar para comer.

Em suma, a dieta paleolítica visa nos levar de volta no tempo, propondo uma dieta mais natural, longe de todos aqueles alimentos pré-fabricados e prejudiciais que são consumidos atualmente.

Por outro lado, sua adoção promove o bem-estar e a perda de peso, não só porque ajuda a queimar gordura mais facilmente, mas também porque promove o controle do colesterol, diabetes e outras desordens associadas às dietas modernas.

Não deixe de ler: No que consiste a dieta paleolítica?

Quais são os benefícios da dieta paleolítica?

A adoção da dieta paleolítica tem benefícios interessantes, principalmente em pacientes que apresentam distúrbios metabólicos como sobrepeso e obesidade.

Por isso, devido à redução do consumo de açúcares e alimentos processados, é um plano de alimentação que promove a queima de gordura em pouco tempo.

Seus defensores argumentam que ela é ideal para melhorar as funções do sistema digestivo, uma vez que combate doenças intestinais crônicas associadas à má alimentação.

Ao substituir alimentos processados ​​por alternativas orgânicas, como frutas e vegetais, o corpo restaura o funcionamento normal e diminui os distúrbios anti-inflamatórios e autoimunes.

Por outro lado, devido à diminuição das fontes de carboidratos simples, é um grande suporte para regular os níveis de glicose no sangue e as funções metabólicas.

Em resumo, a dieta paleolítica permite suprimir os alimentos considerados “inflamatórios” cujo consumo está relacionado a diversas condições que afetam a qualidade de vida.

Quais são os alimentos proibidos?

Alimentos proibidos na dieta paleolítica

Os alimentos proibidos na dieta paleo são todos aqueles que foram manipulados ou alterados pelo homem. Isso significa que produtos industriais que são facilmente comprados no mercado não são permitidos.

Para seguir essa dieta é necessário evitar:

  • Produtos lácteos
  • Grãos e leguminosas
  • Farinhas e amidos
  • Alimentos processados (embutidos, enlatados, pré-fabricados, etc.)
  • Doces e biscoitos
  • Chocolate
  • Sucos e refrigerantes
  • Bebidas alcoólicas
  • Margarinas e óleos vegetais industriais

Quais alimentos são permitidos?

A dieta paleo rompe os padrões propostos pelas tradicionais pirâmides alimentares, nas quais os carboidratos são especialmente importantes como base para a nutrição. Nesta dieta, os protagonistas são os alimentos orgânicos, como frutas e legumes.

Assim que pareça uma dieta restritiva, na verdade, ela contém os nutrientes necessários para o organismo. Embora as fontes de carboidratos diminuam, as hortaliças contribuem com esse problema até certo ponto.

Confira também: 3 desafios psicológicos a serem enfrentados na hora de emagrecer

Alguns dos alimentos permitidos são:

  • Legumes frescos (abobrinha, berinjela, brócolis, feijão verde, cenoura, espinafre, etc.)
  • Frutas
  • Sementes e oleaginosas
  • Azeite extravirgem
  • Peixe branco e oleoso
  • Frutos do mar
  • Carne de porco
  • Frango e peru
  • Cordeiro
  • Carne
  • Ovos

Frequência de consumo e cozimento

Cozinhar verduras

Um dos aspectos que diferencia a dieta paleo das dietas balanceadas recomendadas pelos nutricionistas é a frequência de consumo e a quantidade. As cinco ou seis porções que geralmente são recomendadas são inadequadas para este tipo de dieta.

O ideal é fazer três refeições por dia, sempre com a premissa de comer apenas quando sentir fome. O café da manhã, almoço e jantar são suficientes para atender às exigências do organismo.

Além disso, os alimentos fritos também não estão incluídos nesta dieta. Apenas o azeite extravirgem ou óleo de coco pode ser usado para temperar carnes ou saladas.

Em conclusão, a dieta paleo exige muita disciplina e controle. Pode ser um pouco difícil de manter, pois envolve desistir de muitas refeições com as quais já estamos acostumados. É importante contar com o apoio de um especialista para evitar possíveis problemas ou deficiências nutricionais.

  • Cordain, L. (2002). The paleo diet. New York: Wiley, Inc.
  • Fenton, T. R., & Fenton, C. J. (2016). Paleo diet still lacks evidence. American Journal of Clinical Nutrition. https://doi.org/10.3945/ajcn.116.139006
  • Petrucci, K., & Nestle, M. (2015). Is a Paleo Diet Healthy? Wall Street Journal – Eastern Edition.
  • Cordain, L. (2014). The Paleo Diet Premise.
  • Warinner, C. (2013). Debunking the paleo diet. TEDxOU. https://doi.org/papers3://publication/uuid/161AB814-FADD-4555-960E-88FC6AFE919B