Como cuidar das cicatrizes no verão?

As cicatrizes são marcas que merecem uma atenção especial, especialmente quando não passaram por todas as fases de recuperação. Hoje, compartilhamos algumas dicas para cuidar delas no verão.
Como cuidar das cicatrizes no verão?

Última atualização: 30 Dezembro, 2020

Em épocas como o verão, é importante saber como cuidar das cicatrizes que ficam expostas aos raios solares. Embora atualmente estas marcas possam ser reduzidas com a aplicação de vários tratamentos, é aconselhável evitar complicações devido à radiação solar.

Vamos lembrar que qualquer lesão que cause uma ruptura da superfície da pele deixa uma cicatriz. Elas nem sempre permanecem a vida toda, mas muitas levam anos para desaparecer. Vamos dar uma olhada mais de perto em algumas recomendações para que o verão não as afete negativamente.

Como as cicatrizes surgem?

Em primeiro lugar, vamos fazer uma breve revisão de como as cicatrizes se formam. Em geral, quando uma ferida ocorre, a pele inicia um processo de cicatrização que vai variar de duração com base na gravidade da lesão.

A partir do momento em que o dano é gerado até a sua cura, várias fases ocorrem. A revista da Sociedade Espanhola de Feridas as detalha da seguinte forma:

  • Fase de coagulação: começa no momento do ferimento, quando ele começa a sangrar e a coagulação é iniciada para parar o sangramento. A cicatriz se forma quando os coágulos secam.
  • Fase de inflamação: com a crosta consolidada, começa a resposta do sistema imunológico para prevenir possíveis infecções e, por sua vez, proteger a ferida. Os vasos sanguíneos se dilatam, permitindo uma nutrição adequada e a oxigenação da ferida. Portanto, durante esses dias a área fica vermelha e inflamada.
  • Fase proliferativa: regenera o tecido danificado e começa a diminuir de tamanho. A formação de colágeno é estimulada 15 dias após a lesão.
  • Fase de remodelação: começa quando a derme é reparada. Esta etapa pode durar 2 anos dependendo da gravidade, e é concluída com a cicatriz final.
Após uma lesão, a pele passa por uma série de fases durante o processo de cura.

Leia também: 3 tipos de pele que necessitam mais cuidados com o sol

Recomendações para cuidar das cicatrizes no verão

As cicatrizes são uma causa comum de consultas no dermatologia, especialmente quando foram geradas recentemente e o verão está se aproximando. Se a cicatriz for branca (já faz mais de um ano e meio), não é mais necessário ter cuidados especiais. Caso não seja, é melhor implementar as seguintes recomendações.

Use protetor solar

As últimas atualizações divulgadas em 2016 pelos Seminários em Cirurgia Plástica detalham que cicatrizes recém-formadas, com menos de 18 meses de idade, são altamente suscetíveis a danos UV. Em particular, podem causar hiperpigmentação e mudanças estruturais na matriz de colágeno.

Recomenda-se minimizar a exposição solar, cobrindo-a com um curativo ou roupas. Além disso, é essencial usar protetor solar igual ou superior a 50 FPS, de 12 a 18 meses após a lesão.

Os raios ultravioletas aumentam a vascularização. Como resultado, a cicatriz aumenta seu eritema e pode se tornar hiperpigmentada. O protetor solar ajuda a prevenir a melanogênese, que ocorre após a estimulação UV.

Aplique pressão moderada com lâminas de gel

O uso de lâminas de gel de silicone é considerado a primeira linha de tratamento em caso de cicatrizes recentes. De acordo com um estudo publicado pela Aesthetic Plastic Surgery, uma nova formulação de gel de silicone gera uma lâmina fina e flexível na ferida recém-epitelizada, sendo tão eficaz quanto.

O tratamento deve ser feito durante o dia e a noite, com tempo mínimo de 18 horas diárias, durante um período de 3 meses, com o uso de bandagem oclusiva.

Hidratar a área

É necessário manter a pele hidratada para que ela permaneça elástica o suficiente para se regenerar de forma mais eficaz. Existem produtos específicos que ajudam a melhorar a aparência de cicatrizes difíceis, ao mesmo tempo em que exercem um efeito hidratante e emoliente.

Podem ser utilizados cremes contendo vitaminas A e E ou loções de ácido hialurônico, que contribuem para a melhora da cicatriz. Outra opção é aplicar vaselina, que ajuda a manter a lesão em boas condições devido ao seu poder hidratante.

A aplicação de produtos hidratantes é decisiva para que a pele se recupere. Além disso, mantém a umidade e a elasticidade durante o verão.

Você pode se interessar: Qual é a diferença entre protetor solar, bronzeador e creme solar?

Faça massagens diárias para cuidar das cicatrizes

Para promover um processo de cura adequado, especialmente em lesões que surgem durante o verão, é aconselhável fazer massagens. Isso pode ser feito após o período inicial de cura, ou seja, de 2 a 3 semanas depois.

Dados publicados na revista Wound Care detalham que este é um tratamento altamente recomendado para o achatamento e amolecimento de cicatrizes. Sua aplicação leva a uma cicatriz mais flexível e suave através da degradação do colágeno em excesso e pouco flexível.

Para obter seus benefícios, o ideal é fazê-la duas vezes por dia, por dez minutos, por pelo menos seis meses.

É importante cuidar bem das cicatrizes no verão

Quando as cicatrizes são recentes e não completaram todas as fases do processo de cura, a exposição solar pode ser muito prejudicial. Portanto, no verão, é melhor evitar que elas tenham contato direto com os raios UV.

O uso diário e constante do protetor solar, além de outras medidas como a aplicação de lâminas de gel e produtos hidratantes, mitiga os efeitos do sol. Da mesma forma, recomenda-se usar roupas de alta cobertura. Lembre-se disso!

Pode interessar a você...
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Como fazer um gel caseiro para diminuir as estrias, cicatrizes e manchas

A pele é a barreira protetora de nosso organismo e está exposta a fatores que deterioram seus tecidos. Confira esse gel caseiro para rejuvenescê-la.



  • Al-Shaqsi S, Al-Bulushi T. Cutaneous Scar Prevention and Management: Overview of current therapies. Sultan Qaboos Univ Med J. 2016;16(1):e3-e8. doi:10.18295/squmj.2016.16.01.002
  • Commander SJ, Chamata E, Cox J, Dickey RM, Lee EI. Update on Postsurgical Scar Management. Semin Plast Surg. 2016;30(3):122-128. doi:10.1055/s-0036-1584824
  • Tziotzios C, Profyris C, Sterling J. Cutaneous scarring: Pathophysiology, molecular mechanisms, and scar reduction therapeutics Part II. Strategies to reduce scar formation after dermatologic procedures. J Am Acad Dermatol. 2012;66(1):13-26. doi:10.1016/j.jaad.2011.08.035
  • Gold MH, McGuire M, Mustoe TA, et al. Updated international clinical recommendations on scar management: part 2–algorithms for scar prevention and treatment. Dermatol Surg. 2014;40(8):825-831. doi:10.1111/dsu.0000000000000050
  • Mustoe TA. Evolution of silicone therapy and mechanism of action in scar management. Aesthetic Plast Surg. 2008;32(1):82-92. doi:10.1007/s00266-007-9030-9
  • https://heridasycicatrizacion.es/images/site/archivo/2014/Revista_SEHER_17_diciembre.pdf
  • Klotz T, Munn Z, Aromataris E, Greenwood J. The effect of moisturizers or creams on scars: a systematic review protocol. JBI Database System Rev Implement Rep. 2017;15(1):15-19. doi:10.11124/JBISRIR-2016-002975
  • Jourdan M, Madfes DC, Lima E, Tian Y, Seité S. Manejo del cuidado de la piel para procedimientos médicos y estéticos para prevenir la cicatrización. Clin Cosmet Investig Dermatol . 2019; 12: 799-804. Publicado el 25 de octubre de 2019 doi: 10.2147 / CCID.S218134
  • Block L, Gosain A, King TW. Emerging Therapies for Scar Prevention. Adv Wound Care (New Rochelle). 2015;4(10):607-614. doi:10.1089/wound.2015.0646