Controle da hipertensão arterial: além do sal

31 de dezembro de 2019
A eliminação da ingestão de sal é uma medida desnecessária e insuficiente para o controle da hipertensão arterial. O desenvolvimento de novas abordagens é urgente. O que podemos fazer sobre isso?

Que medidas devem ser tomadas para controlar a hipertensão arterial? A pressão arterial alta afeta bilhões de pessoas em todo o mundo. Seu controle farmacológico acaba exigindo terapias combinadas que supõem um custo sanitário insustentável.

Erradicar a ingestão de sal é desnecessário e insuficiente. Assim, é essencial a adoção de medidas não farmacológicas que permitam controlar a hipertensão arterial de maneira eficiente.

Pesquisas atuais mostram que, longe de diretrizes restritivas, adotar um estilo de vida saudável é o método ideal para controlar a pressão alta.

O que é a hipertensão arterial?

O conceito de pressão arterial (PA) refere-se à pressão exercida pelo sangue nas paredes arteriais. Fala-se em pressão arterial sistólica (PAs) para se referir à pressão que existe no momento em que o coração se contrai e expele seu sangue para o resto do corpo.

Por outro lado, pressão arterial diastólica (PAd) refere-se ao valor da pressão arterial quando o coração está cheio de sangue. Fala-se de hipertensão arterial (HTA) quando PAs > 140 mmHg e/ou PAd > 90 mmHg em três medições não consecutivas.

A HTA afeta bilhões de pessoas

HTA é considerado um problema de saúde pública que afeta bilhões de pessoas em todo o mundo. Estima-se que 30% da população a sofra e sua prevalência supere 50% em indivíduos acima de 50 anos. Quando não controlada corretamente, acaba danificando seriamente o coração, o cérebro, os olhos e os rins.

De fato, a HTA é considerada a primeira causa de derrame e insuficiência cardíaca e a segunda causa de doença renal crônica. Da mesma forma, está por trás de algumas das principais causas de cegueira crônica. Além disso, de acordo com dados da OMS, a HTA está por trás de 15% das mortes em todo o mundo.

O número de pacientes afetados pela hipertensão arterial é bastante alarmante.

Fica claro que seu controle é essencial. No entanto, a alta prevalência torna o custo do tratamento medicamentoso insustentável. Além disso, a necessidade progressiva de terapias medicamentosas combinadas significa um aumento nos efeitos colaterais.

O número de pacientes afetados pela hipertensão arterial é bastante alarmante. De fato, a doença está listada como um problema de saúde pública.

O que podemos fazer para controlar a hipertensão arterial?

O estilo de vida é um dos fatores com maior impacto na gênese da HTA, e a boa notícia é que é um fator modificável. O tratamento farmacológico deve ser reservado para casos de hipertensão resistente a outras medidas.

Até agora, o tratamento não medicamentoso baseou-se quase exclusivamente na redução da ingestão de sal para evitar sua atração pelos líquidos. Mas é uma medida necessária e suficiente?

Evitar a ingestão de sal não é necessário

As evidências científicas atuais mostram que a ingestão de sal não aumenta a hipertensão arterial em todas as pessoas. Alguns exemplos são:

  • O estudo de Baker, Curhan, de Jong, Forman, Gansevoort e Scheven (2012) concluiu que o consumo de sal apenas aumentou a PA em indivíduos com lesão vascular pré-existente.
  • A pesquisa de Arós, et al. (2013) descobriu que, apesar de seu alto teor de sal, o consumo de gaspacho estava inversamente correlacionado com os valores de PA.
  • Um estudo elaborado por Carmona, Crespo, López, Navas, Nolasco e Santamaría (2016) também não encontrou relação entre o consumo de sódio e a hipertensão arterial

O consumo de sal apenas afeta a PA dos chamados “sujeitos sensíveis ao sal”, e estes representam apenas 50% dos casos.

No entanto, embora a relação causa-efeito não seja conhecida exatamente e não existam ferramentas disponíveis que permitam uma detecção simples dos indivíduos sensíveis mencionados acima, é aconselhável manter um consumo prudente (1 colher de chá de sal por dia = 5 gramas de sal por dia = 2,3 gramas de sódio por dia).

O consumo de alimentos ultraprocessados ​​não é recomendado, pois estes contêm um alto teor de sal. Além disso, também são prejudiciais por outros motivos.

Como controlar a hipertensão arterial além do sal?

Em termos gerais, uma abordagem adequada da hipertensão arterial envolve a tomada de medidas que: normalizam o volume de líquidos, reduzem a viscosidade do sangue, aumentam o calibre das artérias, ou evitam a rigidez arterial.

Pensar na pressão no interior de um tubo pode nos ajudar a entender a estratégia: é preciso normalizar o fluxo, reduzir as impurezas da água, colocar tubos maiores ou transformá-los em um material flexível.

Aumentar a contribuição de potássio, cálcio e magnésio

O papel benéfico do potássio no controle da pressão arterial é indiscutível. Isso ocorre porque promove a excreção urinária de sódio, relaxa a musculatura lisa, e diminui a resistência periférica.

alimentos ricos em potássio, ajudam a manter os valores da PA dentro da normalidade.

Em outras palavras: normaliza o volume sanguíneo circulante e favorece a capacidade de adaptar as artérias.

O cálcio e o magnésio também se mostraram eficazes no controle da pressão arterial. O cálcio permite um bom manejo da PA pela inibição do Fator Hipertensivo da Paratireoide (FHP).

O magnésio faz isso por um mecanismo que ainda é desconhecido. No entanto, uma maior incidência de AHT foi detectada em populações com um consumo deficitário desse mineral.

Outros minerais como zinco, manganês e cobre podem estar envolvidos na gênese da HTA. No entanto, a pesquisa a esse respeito é muito imatura para tirar conclusões.

Descubra antes de sair: 5 razões pelas quais o Magnésio melhora as capacidades do cérebro

Aumentar o consumo de fibras e proteínas

O consumo de 25-40 g / dia de fibra tem um efeito redutor na PA que se deve a:

  • Diminuição da resistência vascular e melhora a entrada e saída de O sangue através do coração.
  • Interrupção da atividade de uma enzima (ECR) responsável por gerar uma substância hipertensiva (angiotensina II) e inibir um hipotensivo (bradicinina).
  • Aumento da retenção de minerais hipotensores, como o potássio ou o magnésio.
  • Os alimentos que contêm fibra muitas vezes são muito ricos em antioxidantes, e estes também têm provado ser benéficos no controle da pressão arterial.

Beilin, Burke, Giangiulioi, Hodgson, Puddey e Rogers (2001) descobriram que, quando é combinado com um aumento no consumo de proteínas, o efeito hipotensor é maior.

Vitaminas D e K são essenciais

A combinação de baixos níveis de vitamina D e K tem sido associada a um aumento da pressão arterial. Aparentemente, ambos participam ativamente da regulação de uma proteína que inibe a calcificação das artérias (MGP): a vitamina D aumenta sua quantidade e a vitamina K  a ativa.

Esta é uma descoberta muito nova (a primeira pesquisa a esse respeito foi publicada em março de 2017), e por isso são necessárias novas pesquisas. No entanto, a pesquisa de Beulens, Brouwer, Cepelis, van Ballegooijen, van Schoor e Visser (2017), após analisar 171 indivíduos, concluiu firmemente que ambas as vitaminas teriam um papel importante no desenvolvimento da HTA.

Reduzir o consumo de carboidratos de alto índice glicêmico

O excesso de glicose no sangue supõe um aumento da viscosidade do mesmo e, portanto, um aumento dos valores da PA. De fato, pessoas com diabetes mellitus geralmente acabam desenvolvendo HTA.

Evitar o consumo de gorduras nocivas

Os ácidos graxos transgênicos e a maioria das gorduras saturadas predispõem ao HTA. Seu efeito se deve ao acúmulo de colesterol no interior das artérias pelo aumento da proteína LDL e à redução do HDL.

Leia também este artigo: O colesterol alto: por que é um perigo para a saúde e como reduzir seus níveis

Manter a hidratação adequada ajuda no controle da hipertensão arterial

A hidratação adequada é essencial para o manejo da HTA.

A hidratação adequada favorece a purificação do sangue e reduz a viscosidade do mesmo . Isso significa valores mais baixos da PA.

A hidratação adequada é essencial para o manejo da HTA.

A atividade física cardiovascular é essencial para controlar a hipertensão arterial

Os indivíduos mais sedentários têm um risco de 30-50% maior de sofrer de HTA. A Fundação Espanhola do Coração considera que a atividade física cardiovascular, como caminhar, é uma das medidas mais adequadas para o controle da pressão arterial.

  • Seus benefícios são atribuídos ao seu efeito vasodilatador, à eliminação do sódio pelo suor, e à sua contribuição para a perda de peso.

O excesso de gordura corporal implica em um risco de HTA de 2 a 6 vezes maior, sendo ainda mais alto quando a gordura se acumula no tronco (obesidade central ou “tipo maçã”).

Garantir um descanso noturno adequado

Dormir bem é essencial. Diferentes estudos relacionam problemas de sono com maior prevalência de HTA. Da mesma forma, foi demonstrado que dormir bem ajuda a reduzir as cifras da PA.

Um bom gerenciamento do estresse é essencial para controlar a pressão alta

O estresse ativa uma série de hormônios que estimulam o sistema nervoso simpático e isso está diretamente relacionado à PA. Assim, aprender a gerenciar o estresse levaria a uma redução considerável nos números da pressão arterial.

Evitar o consumo de tabaco e álcool

O tabaco e o álcool são substâncias tóxicas capazes de aumentar a PA. O efeito hipertensivo do tabaco se deve ao aumento da viscosidade do sangue. O álcool faz isso por seu papel na gênese de várias condições de saúde diretamente relacionadas ao aumento da PA.

  • Alguns exemplos são a diabetes mellitus, hipercolesterolemia e obesidade central.

A microbiota intestinal é fundamental no controle da hipertensão arterial.

Da mesma forma que ocorre com outras patologias crônicas, aqueles que sofrem de HTA compartilham características na microbiota intestinal que não foram encontradas naqueles sem HTA. Algumas hipóteses sugerem que isso pode ser devido ao consumo de sal.

O estudo de Alm, et al. (2017) mostraram uma menor presença de Lactobacillus na microbiota intestinal de camundongos que receberam uma dieta rica em sal por várias semanas.

A redução dessa população bacteriana foi associada ao aumento das células proinflamatórias T (H) 17 e, portanto, ao aumento da pressão arterial. As conclusões foram idênticas ao realizar um estudo piloto com 12 pessoas. A microbiota intestinal pode ter a resposta à razão pela qual “apenas 50% das pessoas com hipertensão arterial reagem negativamente à ingestão de sal”.

Em termos de alimentação, a dieta mediterrânea é ideal para poder aplicar todas as recomendações nutricionais mencionadas. No entanto, lembre-se de que você precisa manter um estilo de vida saudável que inclua: dormir bem, ser ativo, controlar o estresse e não usar substâncias tóxicas. Além disso, a suplementação com Lactobacillus poderia contribuir para alcançar melhores resultados no tratamento da HTA.

A melhor maneira de controlar a pressão arterial alta é realizar uma abordagem abrangente que vá além da ingestão de sal.