5 conselhos úteis para lidar com a depressão

6 de maio de 2020
A depressão, quando descontrolada, pode afetar significativamente a qualidade de vida. Portanto, é importante conhecer alguns hábitos e estratégias que permitem um melhor gerenciamento dos seus sintomas.

Existe uma grande variedade de tratamentos para lidar com a depressão. No entanto, a terapia escolhida pode variar dependendo da gravidade do distúrbio e dos possíveis problemas subjacentes. O que você pode fazer para facilitar o controle dos sintomas?

Atualmente, é possível traçar uma estratégia combinando medicamentos, terapia psicológica e mudanças no estilo de vida. Além disso, existem terapias adicionais que fornecem efeitos positivos.

O que é a depressão?

A depressão é classificada como um transtorno do humor cujas principais características são os sentimentos prolongados de tristeza, acompanhados de perda de interesse pelas atividades diárias, falta de apetite e perda de esperança, entre outras.

De acordo com a Anxiety and Depression Association of America, essa doença mental afeta cerca de 15 milhões de norte-americanos todos os anos. O mais preocupante é que muitos a subestimam e não buscam ajuda. Como consequência, alguns casos têm desfechos fatais.

A doença pode ter um desenvolvimento diferente em cada pessoa. No entanto, em um nível geral, tende a interferir no trabalho e nas relações sociais. Causa problemas de concentração, distúrbios do sono e algumas patologias crônicas.

Leia também: Hábitos ocultos das pessoas com depressão

Estratégias que ajudam a lidar com a depressão

Uma das chaves para gerenciar a depressão é receber um diagnóstico. Quanto mais rapidamente ela for detectada, maiores serão as chances de um tratamento bem-sucedido. Após receber as evidências relevantes e confirmar a depressão, as seguintes estratégias podem ser aplicadas para o seu controle:

1. Faça exercício físico regularmente

Mulher fazendo exercícios para lidar com a depressão
A atividade física melhora o humor e o bem-estar físico e mental.

O exercício físico é um dos melhores hábitos para favorecer a saúde mental. Dados da Clínica Mayo sugerem que esse tipo de atividade pode contribuir significativamente para o tratamento e a prevenção da depressão. 

Isso ocorre porque a sua prática promove a liberação de endorfinas, substâncias químicas associadas ao bem-estar. O exercício também tem um efeito calmante e minimiza a presença dos químicos do sistema imunológico que afetam negativamente a depressão.

Algumas atividades recomendadas são:

  • Yoga ou Tai chi
  • Pilates
  • Treinos e aulas na academia
  • Kickboxing
  • Passeio de bicicleta
  • Natação

2. Construa relacionamentos sólidos

Pacientes com esse distúrbio precisam de apoio constante. Portanto, parte do plano para gerenciar a depressão inclui a construção de relacionamentos interpessoais sólidosO tempo de qualidade com um ente querido ou uma pessoa próxima pode ajudar a lidar com os pensamentos e a reduzir a tristeza.

3. Durma bem para lidar com a depressão

Mulher dormindo tranquilamente
A ausência de um descanso adequado gera um ciclo negativo de estresse e insônia.

Os sintomas da depressão podem interferir na qualidade do sono. No entanto, dormir pouco pode dificultar o tratamento desta doença. Na verdade, as pessoas que sofrem de insônia têm um risco de depressão até 10 vezes maior do que aquelas que dormem bem.

Portanto, mesmo se parecer difícil a princípio, o ideal é adotar medidas que favoreçam o descanso. Isso inclui:

  • Manter uma temperatura agradável no quarto.
  • Afastar qualquer elemento que possa causar distração, incluindo os telefones celulares, computadores e televisores.
  • Meditar antes de ir para a cama.
  • Ter uma cama confortável e limpa.
  • Evitar o consumo de bebidas alcoólicas e fontes de cafeína.

Você gostaria de ler: Combater a depressão: 8 alimentos que podem ajudar!

4. Mantenha uma dieta saudável

Não há evidências contundentes a respeito da relação de alguns alimentos e a incidência de depressão. No entanto, muitos estudos científicos encontraram uma ligação entre a nutrição e os processos cerebrais que ajudam a controlar esse distúrbio.

Portanto, parte do seu tratamento é melhorar os hábitos alimentares:

  • Manter uma dieta equilibrada, com proteínas magras, frutas, vegetais e gorduras saudáveis.
  • Limitar o consumo de açúcares, gorduras saturadas e processadas.
  • Aumentar o consumo de ômega 3, ácido graxo presente em alimentos como os peixes oleosos, as nozes e algumas sementes.
  • Consumir bastante água e líquidos saudáveis. Algumas infusões de ervas e especiarias também podem ajudar.

5. Faça massagens terapêuticas para lidar com a depressão

Entre as muitas terapias alternativas para controlar a depressão, encontramos uma bastante popular: a massagem terapêutica. Embora não seja um método para curar esse problema mental, pode ajudar a aliviar muitos dos sintomas físicos associados.

As massagens terapêuticas combatem a rigidez, as dores musculares e a fadiga. Além disso, em muitos pacientes, melhoram a qualidade do sono. Para potencializar os efeitos, o terapeuta pode usar alguns óleos essenciais com propriedades antidepressivas.

Mulher fazendo massagem com profissional
As massagens trazem benefícios pois aliviam a fadiga e favorecem o relaxamento.

Você ou algum membro da sua família sofre de depressão? Não hesite em seguir os conselhos que compartilhamos nesse artigo para enfrentar esta doença. Obviamente, considerando a complexidade desse distúrbio, não deixe de solicitar ajuda profissional para o seu controle.

  • Ströhle, A. (2009). Physical activity, exercise, depression and anxiety disorders. Journal of Neural Transmission. https://doi.org/10.1007/s00702-008-0092-x
  • Ann het Rot, M., Collins, K. A., & Fitterling, H. L. (2009). Physical exercise and depression. Mount Sinai Journal of Medicine. https://doi.org/10.1002/msj.20094
  • Burcusa, S. L., & Iacono, W. G. (2007). Risk for recurrence in depression. Clinical Psychology Review. https://doi.org/10.1016/j.cpr.2007.02.005
  • Tsuno, N., Besset, A., & Ritchie, K. (2005). Sleep and depression. Journal of Clinical Psychiatry. https://doi.org/10.4088/JCP.v66n1008
  • Benca, R. M., & Peterson, M. J. (2008). Insomnia and depression. Sleep Medicine. https://doi.org/10.1016/S1389-9457(08)70010-8
  • Bodnar, L. M., & Wisner, K. L. (2005). Nutrition and depression: Implications for improving mental health among childbearing-aged women. Biological Psychiatry. https://doi.org/10.1016/j.biopsych.2005.05.009
  • Kohatsu, W. (2005). Nutrition and Depression. Explore: The Journal of Science and Healing. https://doi.org/10.1016/j.explore.2005.08.017
  • Lang, U. E., Beglinger, C., Schweinfurth, N., Walter, M., & Borgwardt, S. (2015). Nutritional aspects of depression. Cellular Physiology and Biochemistry. https://doi.org/10.1159/000430229
  • Field, T. (2016). Massage therapy research review. Complementary Therapies in Clinical Practice. https://doi.org/10.1016/j.ctcp.2016.04.005