Como ensinar o bebê a dormir a noite toda

· 14 de agosto de 2018
A chegada de um bebê testa seus pais, especialmente os de primeira viagem. Dormir todas as noites e a noite toda se torna um desafio, quando a solução é muito fácil.

Nos países de língua espanhola há pais que preferem dormir com seus bebês, enquanto para outros isso ainda é um tabu. Em países como o Reino Unido, Suécia, China e Japão, o co-sleeping é comum.

Mas, graças aos métodos usados ​​para ensinar o bebê a dormir sozinho, os pais agora estão preocupados em ensinar seus filhos a dormir, como se dormir não fosse um processo natural de todo ser humano.

É possível ensinar o bebê a dormir?

Deitar com o seu filho ajuda a ensinar o bebê a dormir

Para ensinar o bebê a dormir existem os métodos Ferber e Estivill. Esses métodos cumprem a promessa inicial, ensinar os pequenos a dormir sozinhos, sem a proximidade da mãe, que é o que o bebê naturalmente procura.

As propostas dessas metodologias visam ensinar o bebê a dormir sozinho, em um quarto separado da mãe, silencioso, em um ambiente que não se assemelhe a um espaço apertado e barulhento, que não se parece em nada com aquele em ele dormia enquanto estava no útero.

Muitos pediatras dizem aos pais, especialmente aos novatos, que eles devem ensinar o bebê a dormir com métodos como os citados. Estes expõem o bebê a noites estressantes, quando o “dormir junto” pode ser a opção mais respeitosa com os ciclos de sono, e as necessidades do bebê.

Os métodos para ensinar o sono causam estresse no bebê. Ele chora para estar perto da mãe, mas ela se recusa a segurá-lo em seus braços. O bebê continua a chorar, e finalmente adormece devido ao cansaço.

Por que o dormir junto é mais natural?

O bebê passou boa parte das 40 semanas da gestação, dormindo no útero. O bebê sabe dormir, não há muita coisa para ensiná-lo. Ele aprendeu a dormir em um ambiente barulhento e em movimento.

A mãe andava, exercitava-se, subia ou descia escadas ou estava em um carro, e o bebê dormia. O bebê ouvia a voz de sua mãe falando, ou os sons da circulação sanguínea, digestão ou respiração, e adormecia.

Ao nascer, o bebê precisa ouvir o coração da mãe, cheirar o cheiro da sua pele, e chora se não estiver em contato com ela. Embora o dormir junto possa ser a melhor opção para garantir a tranquilidade do bebê, muitas mães optam por deixá-lo em um quarto separada.

Os bebês dos mamíferos sempre dormem ao lado da mãe. No entanto, a espécie humana, a mais racional, é a única que separa seus descendentes antes de estarem prontos para se tornarem independente. Paradoxo estranho, você não acha?

Pode que queira ler: Reduza as cólicas de seu bebê com estes 4 remédios caseiros

Mas o dormir junto coloca o bebê em risco?

Existem muitos mitos sobre o “dormir junto” e o método de deixar o bebê chorar para aprender a dormir. Dizem que se os pais correrem toda vez que o bebê chorar, eles serão “mimados”; que o bebê pode morrer “esmagado” por seus pais enquanto eles dormem juntos.

Em países como o Japão ou a China, os bebês dormem com os pais aproximadamente até os cinco ou seis anos de idade. Esses pais não acham que devem ensinar seu bebê a dormir, ou que precisam deixá-lo sozinho em um quarto diferente do deles. No Reino Unido ou na Suécia, países ocidentais o co-sleeping, ou dormir junto, também é praticado.

De fato, nesses países as mortes devidas à síndrome da morte súbita, aquela em que os bebês morrem subitamente, são muito raras. Estes episódios são muito comuns nas crianças que dormem separadas dos pais.

O que dizem os especialistas?

Margot Sunderland diz em seu livro “The Science of Parenting ” que o dormir junto favorece as crianças, e as ajuda a se tornarem adultos saudáveis ​​e pacíficas. Esta psicóloga infantil faz parte do corpo diretivo do Centro de Saúde Mental da Criança, em Londres, e publicou mais de 20 livros.

Treinar o bebê para dormir sozinho desde as primeiras semanas de nascimento desencadeia os hormônios do estresse, diz Sunderland. O dormir junto até aos 5 anos é a melhor opção para esta especialista. Isso se justifica porque, até essa idade, as crianças sentem a ansiedade quando há separação, mesmo em idades mais avançadas.

Da mesma forma, Nils Bergman, pediatra e neonatologista, criador do método canguru para o cuidado de bebês prematuros, concorda com a britânica. Sua tese é que o bebê precisa estar pele a pele com sua mãe.

Quando separado da mãe, desencadeia um estado de angústia e desespero, e os hormônios liberados por essa ação são prejudiciais ao cérebro do bebê. Para Bergman, o co-sleeping deve ser praticado pelo menos até os primeiros 3 anos de vida.

Veja também: 15 brinquedos para estimular a aprendizagem das crianças

Quais são as vantagens do dormir junto?

Deve ensinar o bebê a dormir sozinho

  • Os bebês se sentem mais seguros e protegidos. Quando a criança chora no meio da noite, sua mãe está ao seu lado para lhe dar o conforto de que precisa, e para ajudá-lo a reconciliar o sonho novamente.
  • Mamãe e bebê descansam melhor. O bebê acorda várias vezes à noite, quando ele dorme no mesmo quarto os despertares são mais leves, se ele dorme na mesma cama ou em uma cama de dormir junto, apenas por sentir-se próximo da mãe, ele adormecerá novamente.
  • Não há risco de ser esmagado pelos pais. Pelo contrário, os pais estão mais atentos a qualquer necessidade do bebê.
  • Se precisar ser amamentado, pode ser rapidamente atendido, pois você não terá que se levantar e ir para o quarto onde ele está.
  • Os gritos da noite quase desaparecem. Os níveis de estresse são menores; o bem-estar geral do bebê é muito maior; com menos choro noturno, todos em casa dormem melhor.
  • Se você é uma mãe que trabalha, quando chega em casa depois de várias horas longe de seu bebê, ele requer sua aproximação. Se você ainda o amamentar, o verá preso ao seu seio. O co-sleeping lhes permite recuperar o tempo que não estavam juntos, e a fortalecer seus laços afetivos.

Recomendação final

Dormir em família é uma bela experiência, vale a pena você se dê a oportunidade de vivenciá-la. Avalie bem, antes de submeter seu filho ao estresse de ensiná-lo a dormir em um quarto diferente.

Você pode confiar que todos os instintos de proteção para o bebê ficarão alertas, enquanto dormem juntos. Isso não se aplica aos casos em que os pais são viciados em álcool ou drogas, pois podem perder a consciência e prejudicar a criança.

Se você pratica o dormir junto, estará disponível para fornecer a segurança e o amor que o bebê precisa, de modo que este possa crescer saudável e feliz. Além disso, é a melhor alternativa para que seu cérebro desenvolva todo o seu potencial.