Comer demais: consequências e conselhos para evitar este hábito

18 Novembro, 2020
Para muitas pessoas, comer demais pode ter consequências físicas e psicológicas. Felizmente, existem várias estratégias que podem ajudar a prevenir este hábito. Descubra-as a seguir.

É muito provável que você já tenha comido demais alguma vez, ou porque era o seu prato favorito, ou porque você estava com muita fome, ou por qualquer outra razão. Embora fazer isso de tempos em tempos não seja um problema, comer demais pode provocar várias complicações de saúde.

Nesse sentido, quando a culpa pelo excesso se torna constante, você pode experimentar várias consequências, não apenas para um possível ganho de peso, mas por fatores associados ao humor. O que fazer para evitar essa situação? Aqui estão algumas recomendações.

Comer demais é um problema?

Em geral, comer em excesso de maneira pontual não é prejudicial. No entanto, se o desejo de comer se tornar recorrente e incontrolável, é provável que traga consigo várias consequências físicas e mentais.

A pessoa que tem um apetite desproporcional não só ganha mais peso, mas começa a ter uma visão negativa de si mesma que a impede de se apresentar bem no dia a dia.

Possíveis causas

Há muitos fatores associados à necessidade de comer excessivamente. Como mencionamos, isso não acontece apenas quando você gosta de um prato; também pode ocorrer por ansiedade, estresse constante, ou depois de dietas excessivamente restritivas.

Homem comendo guloseimas
A necessidade de comer demais pode estar associada à ansiedade ou a dietas excessivamente restritivas.

Leia também: Dietas low carb, rendimento intelectual e emoções

Consequências de comer demais

Comer demais pode causar sequelas físicas, representadas como excesso de peso ou obesidade. Em muitos casos, também podem ocorrer consequências psicológicas, tanto naqueles que estão acima do peso quanto na população normal.

Com base em informações publicadas no The Primary Care Companion for CNS Disorders, essas consequências podem incluir o seguinte:

  • Perda de controle sobre a comida.
  • Isolamento social.
  • Aumento da ansiedade.
  • Estado de angústia ou sofrimento.
  • Perturbação constante do humor.
  • Perda de prazer em realizar atividades que antes eram apreciadas.
  • Alteração na memória e concentração.
  • Obsessões relacionadas à alimentação.
  • Perturbação do sono.
  • Diminuição do rendimento no trabalho.
Compulsão alimentar
O sentimento de culpa ou de ansiedade é muito característico de pessoas que não conseguem ter autocontrole na alimentação.

Leia também: Ortorexia: a obsessão por alimentos saudáveis

Conselhos para evitar comer demais

Para evitar comer demais, existem várias estratégias que podem ser colocadas em prática todos os dias. No entanto, tenha em mente que elas são apenas adjuvantes e não são um substituto para o tratamento de um profissional. Se a sua ansiedade em relação à comida é excessiva, é melhor consultar um médico ou psicólogo.

Identificando emoções

Ser capaz de identificar as suas emoções ajuda a colocar os problemas em ordem. Uma das coisas que você pode fazer é escrever sobre como você se sente. Neste processo, você poderá descobrir coisas interessantes sobre si mesmo.

Evitando obsessões alimentares

Quando você percebe que está comendo demais, não é hora de se punir. Se você começar a excluir alimentos dos quais você gosta, não será capaz de seguir esta dieta por muito tempo e vai voltar ao desejo intenso de comer o que é proibido.

Isso, por sua vez, pode vir acompanhado por um sentimento de frustração por não atingir o objetivo. Consequentemente, torna-se um círculo vicioso do qual é difícil sair. É por isso que é sempre melhor comer de forma saudável, sem cair em dietas extremas.

Fazer exercícios para o seu bem-estar

Vários estudos dizem que algumas pessoas fazem atividade física como um método compensatório por comer demais. Ou seja, o exercício torna-se uma punição por comer demais e tem o único propósito de evitar o ganho de peso.

Você deve se lembrar de que o exercício físico é saudável, mas seu objetivo deve ir além da perda de peso. Idealmente, deve ser feito para o bem-estar, sem exceder as habilidades físicas. Se você não está acostumado, comece gradualmente, cerca de 20 a 30 minutos por dia.

Fazer exercícios regularmente
A prática regular de exercícios pode ajudar a reduzir a ansiedade alimentar. No entanto, é importante fazê-lo para o seu bem-estar, e não como punição por comer demais.

Você pode estar interessado: 6 exercícios de yoga para descansar melhor

Ajuda profissional

Embora nem todos procurem um profissional de saúde quando estão nessa situação, há casos em que isso deve ser feito em primeiro lugar, especialmente quando o comportamento excessivo está ligado a fatores emocionais.

Conforme detalhado em um estudo publicado na revista médica Current Psychiatry Reports, a terapia psicológica é útil para reconhecer e corrigir comportamentos que levam aos excessos na alimentação. Ela também melhora o bem-estar geral da pessoa.

Conclusão

Embora comer demais por muito tempo possa ter um impacto no ganho de peso, também pode ter outras consequências. Por essa razão, é fundamental identificar por que isso acontece e quais fatores estão associados. Dessa forma, é possível escolher um tratamento adequado para evitar afetar a qualidade de vida.

  • Goldschmidt AB, Loth KA, MacLehose RF, Pisetsky EM, Berge JM, Neumark-Sztainer D. Overeating with and without loss of control: Associations with weight status, weight-related characteristics, and psychosocial health. Int J Eat Disord. 2015;48(8):1150‐1157. doi:10.1002/eat.22465
  • Razzoli M, Pearson C, Crow S, Bartolomucci A. Stress, overeating, and obesity: Insights from human studies and preclinical models. Neurosci Biobehav Rev. 2017;76(Pt A):154‐162. doi:10.1016/j.neubiorev.2017.01.026
  • Ferrario CR. Food Addiction and Obesity. Neuropsychopharmacology. 2017;42(1):361. doi:10.1038/npp.2016.221
  • Godoy F. Trastorno del comedor compulsivo: Incorporación del concepto en la salud pública chilena.Rev Chil Nutr. 2015.42(4),399-402.
  • Dittmer N, Jacobi C, Voderholzer U. Compulsive exercise in eating disorders: proposal for a definition and a clinical assessment. J Eat Disord. 2018;6:42. Published 2018 Nov 28. doi:10.1186/s40337-018-0219-x
  • Síndrome de edorexia: evaluación y diagnóstico. salud pública de méxico. 2014. Disponible en: http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0036-36342014000300007.
  • Iacovino JM, Gredysa DM, Altman M, Wilfley DE. Psychological treatments for binge eating disorder. Curr Psychiatry Rep. 2012;14(4):432‐446. doi:10.1007/s11920-012-0277-8