Dietas low carb, rendimento intelectual e emoções

4 de maio de 2020
As dietas low carb estão entre as estratégias nutricionais mais usadas. No entanto, é importante se perguntar quais são os efeitos dessa abordagem no intelecto e no emocional. Saiba mais a seguir.

Os benefícios físicos das dietas com baixo teor de carboidratos – low carb – são bem conhecidos por todos os interessados ​​em nutrição aplicada à perda de peso. No entanto, sabemos como elas nos afetam cognitiva e emocionalmente? Elas são realmente sustentáveis ​​a longo prazo? 

É verdade que o corpo pode obter glicose a partir de qualquer macronutriente – carboidratos, gorduras e proteínas. No entanto, quando você não consome carboidratos, a eficiência do processo é muito menor, e isso pode ter consequências negativas para o funcionamento do cérebro.

Dietas low carb

Falamos de ‘dietas low carb‘ para nos referirmos àquelas em que a ingestão calórica proveniente dos carboidratos é inferior a 30% da ingestão calórica total. Nos últimos anos, esta se tornou a estratégia nutricional mais utilizada para a perda de gordura corporal.

A razão do seu uso maciço contra a obesidade reside na importância do papel que os carboidratos desempenham no acúmulo de gordura corporal. No entanto, existem outras soluções em que, longe de proibi-los, tentam moderar a sua quantidade e ajustar o seu índice glicêmico.

Saiba mais: O que é o índice glicêmico?

Dietas low carb e rendimento intelectual

O cérebro humano, embora represente apenas 2% do peso corporal total, consome de 20 a 30% da energia que consumimos diariamente. Trata-se de um órgão muito exigente que, devido à sua maior eficiência energética, utiliza os carboidratos como principal combustível energético.

O cérebro é o órgão mais exigente do corpo humano, resultado da complexidade do seu funcionamento. 

Potencializar a saúde do cérebro

De acordo com o exposto, várias pesquisas científicas concluíram que as dietas com baixo teor de carboidratos têm um impacto negativo no desempenho de tarefas cognitivas relacionadas ao aprendizado, atenção e memória. No entanto, parece que isso acontece apenas a curto prazo, embora também seja verdade que não há muitas pessoas que conseguem mantê-las ao longo do tempo.

A longo prazo, quando não comer carboidratos se torna um estilo de vida, parece que há várias adaptações que tornam mais eficiente a obtenção de energia a partir de aminoácidos – unidade estrutural das proteínas – e ácidos graxos. Assim, a maioria das pesquisas de longo prazo sobre o tema ressaltou que não houve nenhum prejuízo da função cognitiva. 

Por outro lado, quando falamos de pessoas com comprometimento cognitivo, parece que as dietas low carb são benéficas. Isso ocorre porque o cérebro das pessoas com Alzheimer perde a capacidade de usar a glicose como fonte de energia, algo que aumenta ainda mais o comprometimento cognitivo.

No entanto, pelo menos durante os estágios iniciais da doença, o cérebro dessas pessoas é capaz de usar corpos cetônicos – substâncias derivadas da mobilização e decomposição de ácidos graxos – para obter energia.

Assim, parece que dietas com baixo teor de carboidratos melhoram o funcionamento cognitivo daqueles com comprometimento leve dessa função. Isso foi demonstrado pelos resultados de um estudo preliminar publicado pela Alzheimer’s Disease Magazine em abril de 2019. Infelizmente, é muito difícil manter estas diretrizes alimentares ao longo do tempo.

Descubra: Dormir mal aumenta o risco da doença de Alzheimer?

O que acontece emocionalmente?

Ao contrário do que acontece com o desempenho intelectual, embora a curto prazo pareça que as dietas low carb não afetem negativamente o estado emocional, a longo prazo pode haver uma consequência da redução dos níveis de serotonina no cérebro.

Enquanto os carboidratos aumentam os níveis de serotonina no cérebro, proteínas e gorduras os reduzem. 

A relação entre a dieta e o rendimento intelectual

A adesão às dietas low carb

As dietas com baixo teor de carboidrato são, possivelmente, as estratégias alimentares com menor aderência. Isso ocorre por vários motivos:

  1. Não consumir carboidratos significa ir contra o padrão social estabelecido. Na cultura ocidental, cereais, tubérculos, frutas e legumes são a base da alimentação; portanto, não consumi-los é um esforço excessivo que faz com que a dieta acabe falhando. Nos seres humanos, os alimentos têm uma função social que as dietas low carb não podem cumprir.
  2. Limitar a ingestão de carboidratos empobrece a variedade de alimentos disponíveis. A restrição é tanta que a pessoa acaba caindo em uma dieta monótona e insustentável.
  3. Essas dietas podem gerar um humor negativo. Além disso, às vezes as pessoas precisam de comida para regular suas emoções, e isso é impossível com esses tipos de diretrizes alimentares.

Assim, exceto em casos excepcionais e independentemente de seus benefícios físicos teóricos, parece que as dietas low carb não são uma boa alternativa: elas reduzem o desempenho intelectual a curto prazo, impactam negativamente o estado emocional e são muito difíceis de manter.

Fuja de dietas restritivas e opte por uma alimentação saudável. Além disso, lembre-se de que, independentemente dos possíveis benefícios de cada uma, a melhor “dieta” é aquela que você consegue seguir.