Uma colher de mel antes de deitar irá ajudá-lo a dormir

30 Setembro, 2020
Ao aumentar os níveis de insulina no sangue, o mel estimula no cérebro a produção de triptofano, que posteriormente se transforma em serotonina e favorece um sono reparador.

O mel é um alimento muito comum. Tanto é que está presente nas despensas de muitos lares em todo o mundo. Ao longo da história, muitas vezes foi usado como remédio para vários problemas. Por isso tem sido objeto de estudo em inúmeras ocasiões. Que tal tomar uma colher de mel antes de deitar?

Por apresentar várias propriedades medicinais, o mel tornou-se um dos alimentos mais aceitos como coadjuvante, principalmente em problemas respiratórios, como a tosse, por exemplo.

Agora, é verdade que uma colher de sopa de mel nos ajuda a dormir melhor? Hoje queremos responder essa questão com os dados fornecidos pela ciência.

Uma colher de mel para dormir melhor?

Nos últimos anos, algumas pesquisas foram realizadas relacionando o consumo de mel com uma melhor qualidade de sono, principalmente quando as dificuldades para dormir estão associadas a outras doenças. No entanto, é importante esclarecer que não é um remédio milagroso para dormir ou combater a insônia.

Na verdade, não deve ser considerado um tratamento de primeira linha para distúrbios do sono e, em alguns casos, pode não ser eficaz. Portanto, apesar de ser benéfico, deve ficar claro que não é um substituto para os tratamentos médicos e deve ser complementado com outros bons hábitos.

Pesquisas sobre o consumo do mel para dormir

Uma colher de mel antes de deitar irá ajudá-lo a dormir

Vários estudos científicos, como um publicado pela Current Signal Transduction Therapy, sugerem que o consumo de certos alimentos pode induzir o sono graças ao seu conteúdo de triptofano e a sua capacidade de estimular a serotonina.

O triptofano, em particular, é um aminoácido essencial que está envolvido na qualidade do sono. Por sua vez, a serotonina leva ao relaxamento e ajuda a sinalizar ao cérebro que é “hora de dormir”. Mas o que tudo isso tem a ver com o mel?

Bem, o mel orgânico é um desses alimentos com essas características. Na verdade, os seus açúcares aumentam ligeiramente a insulina, permitindo que o triptofano entre no cérebro. A partir disso, estimula-se a atividade serotonérgica e, posteriormente, a produção de melatonina.

A melatonina nos ajuda a ajustar o relógio interno do corpo e os ciclos de sono-vigília. Pessoas com insônia ou que estão passando por processos de ansiedade por terem deixado de fumar também consomem melatonina. Nestes casos, o mel também pode ser útil.

A melatonina também é conhecida como o “hormônio do bem-estar”. Ajuda-nos a melhorar a imunidade e facilita a reconstrução dos tecidos enquanto dormimos.

Isso, ao que parece, poderia explicar por que o mel promove um sono de qualidade. Inclusive, em um estudo publicado na revista médica Pediatrics, o mel serviu como um coadjuvante para melhorar o sono em crianças com tosse noturna.

Veja também: Podemos recuperar horas de sono?

Mel para dormir melhor: como tomá-lo?

Uma colher de mel antes de deitar irá ajudá-lo a dormir

É claro que o mel não é o único tratamento contra a insônia. Porém, consumir em pequenas quantidades – dentro de um estilo de vida saudável e um ritual de sono adequado – pode contribuir para um descanso melhor. Portanto, se você quiser tentar dormir melhor, leve em consideração as orientações abaixo.

O mel deve ser orgânico, preferencialmente de apicultor. A razão? Muitos dos méis que compramos nos supermercados são altamente tratados e processados, perdendo muitas de suas propriedades originais. Além disso, podem ter uma grande quantidade de açúcar adicionado.

Segundo a sabedoria popular, seria conveniente tomarmos esse remédio todas as noites (uma colher de sopa). Podemos até diluí-lo em um chá relaxante ou leite.

Consulte o seu médico se a insônia persistir

Lembre-se de que os problemas do sono não devem ser ignorados, mas sim tratados o mais rápido possível com o médico. Embora pareçam normais no início, com o tempo podem levar a sérios problemas de saúde. Portanto, não perca a oportunidade de ir à consulta e se tratar. Assim, você ganhará em saúde e bem-estar.

  • vanEngelsdorp, D., & Meixner, M. D. (2010). A historical review of managed honey bee populations in Europe and the United States and the factors that may affect them. Journal of Invertebrate Pathology. https://doi.org/10.1016/j.jip.2009.06.011
  • Haydak, M. H. (1970). Honey Bee Nutrition. Annual Review of Entomology. https://doi.org/10.1146/annurev.en.15.010170.001043
  • Winfree, R., Williams, N. M., Dushoff, J., & Kremen, C. (2007). Native bees provide insurance against ongoing honey bee losses. Ecology Letters. https://doi.org/10.1111/j.1461-0248.2007.01110.x
  • Cohen, H. A., Rozen, J., Kristal, H., Laks, Y., Berkovitch, M., Uziel, Y., … Efrat, H. (2012). Effect of honey on nocturnal cough and sleep quality: A double-blind, randomized, placebo-controlled study. Pediatrics. https://doi.org/10.1542/peds.2011-3075