O que é a codeína?

A codeína, assim como todos os outros medicamentos opiáceos, não altera o limiar da dor nem afeta a condutância dos impulsos nervosos. O que ela faz é modificar a percepção da dor.
O que é a codeína?

Última atualização: 23 Março, 2021

A codeína é um medicamento que pertence à família dos opiáceos. Tem uma estrutura semelhante à da morfina, por isso seus efeitos são parecidos. No entanto, a codeína tem uma atividade analgésica menor e provoca menos efeitos colaterais do que a morfina.

Este medicamento pode ser administrado por via oral e subcutânea ou intramuscular. A escolha da via de administração vai depender da situação de cada paciente.

A codeína foi descoberta em 1832 por um químico e farmacêutico francês a quem outras descobertas no campo da farmacologia já haviam sido atribuídas.

Indicações da codeína

Comprimidos de codeína
A codeína é um medicamento indicado no tratamento da tosse seca e improdutiva e no alívio da dor.

Este é um opiáceo usado para a tratar tosse seca e improdutiva, bem como a dor leve a moderada. É um medicamento que age no sistema nervoso central inibindo a sensação de dor e a resposta emocional relacionada à dor.

No entanto, também existem formas combinadas com paracetamol em diferentes proporções para o tratamento de dores leves ou moderadas. Além disso, estudos foram realizados para investigar sua eficácia no tratamento do câncer.

Mecanismo de ação: como a codeína age no organismo?

A codeína deve seus efeitos analgésicos e antitússicos à sua atividade agonista dos receptores do SNC. No entanto, esse agonismo é fraco em comparação com outros fármacos opioides.

Para desencadear sua ação analgésica, a codeína deve ser convertida em morfina, o que acontecerá assim que for metabolizada, como veremos adiante.

Em relação aos receptores opiáceos, podemos encontrar três tipos principais: μ, κ e δ. Todos eles são acoplados à proteína G e funcionam como moduladores positivos e negativos da transmissão sináptica através das proteínas G.

A codeína, como o resto das drogas opioides, não altera o limiar da dor nem afeta a condutância dos impulsos nervosos. O que ela faz é modificar a percepção da dor.

Já a ação antitússica que essa droga desencadeia é mediada pela ação direta que exerce sobre os receptores da tosse no centro da medula. A codeína também é capaz de produzir secreções nas vias aéreas secas e aumentar a viscosidade dos brônquios.

Além disso, outra das vantagens que apresenta é que a dose administrada para atingir sua ação antitússica não desencadeia a analgesia.

Farmacocinética: o que acontece com a codeína no organismo?

Mão cheia de comprimidos
A codeína pode ser administrada por via oral e intravenosa.

A farmacocinética inclui os processos de absorção, distribuição, metabolismo e eliminação de um medicamento. Nesse sentido, a codeína é um princípio ativo que pode ser administrado por via oral ou parenteral.

Uma vez administrada, é bem absorvida e o início de ação começa 10-30 minutos após a administração intramuscular e 30-60 minutos após a administração oral.

No entanto, os efeitos analgésicos máximos não são alcançados até que cerca de 60 minutos tenham decorrido se uma dose intramuscular foi administrada, ou após cerca de 90 minutos após a administração oral. O efeito máximo dura cerca de 5 horas.

Os efeitos antitússicos característicos desse fármaco atingem sua eficácia máxima 1 a 2 horas após a administração oral. Eles podem durar até 6 horas.

Em termos de distribuição, ela dificilmente se une às proteínas plasmáticas. Por fim, é metabolizada no fígado, etapa fundamental para que se transforme em morfina e, assim, possa desencadear sua ação. Portanto, a codeína é um metabólito da morfina.

Pacientes que apresentem algum problema no citocromo CYP2D6 podem ser resistentes ao tratamento com este medicamento.

Finalmente, uma vez metabolizada e ocorrido o efeito apropriado, a codeína e seus principais metabólitos (morfina e norcodeína) são excretados na urina. No entanto, uma pequena quantidade pode ser excretada nas fezes.

Conclusão

A codeína é um pró-fármaco que, uma vez administrado, é convertido em morfina ao ser metabolizada no fígado. No Brasil, também pode ser consumido em conjunto com outros analgésicos simples, como Dipirona ou Paracetamol, para potencializar o seu efeito. É usada para o alívio de dores moderadas, além de ter efeitos antitússicos, já que bloqueia o reflexo da tosse a nível cerebral. No entanto, também pode ter uma ação analgésica em doses mais elevadas.

Você pode consultar o seu médico ou farmacêutico diante de qualquer dúvida sobre este medicamento. Além disso, também pode consultá-los se tiver algum sintoma após o início do tratamento com a codeína, a fim de evitar complicações.

Pode interessar a você...
Tramadol: o que é e para que serve?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Tramadol: o que é e para que serve?

O tramadol é um fármaco indicado para o tratamento da dor de intensidade moderada a severa. Na hora de administrá-lo, a dose deve ser individual.



  • Bowery, N. G. (2007). Codeine. In xPharm: The Comprehensive Pharmacology Reference. https://doi.org/10.1016/B978-008055232-3.61504-1
  • Crews, K. R., Gaedigk, A., Dunnenberger, H. M., Klein, T. E., Shen, D. D., Callaghan, J. T., … Skaar, T. C. (2012). Clinical pharmacogenetics implementation consortium (CPIC) guidelines for codeine therapy in the context of cytochrome P450 2D6 (CYP2D6) genotype. Clinical Pharmacology and Therapeutics. https://doi.org/10.1038/clpt.2011.287
  • Koren, G., Cairns, J., Chitayat, D., Gaedigk, A., & Leeder, S. J. (2006). Pharmacogenetics of morphine poisoning in a breastfed neonate of a codeine-prescribed mother. Lancet. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(06)69255-6