Cetamina: para que serve?

20 de fevereiro de 2019
A cetamina é uma substância relaxante usada principalmente como sedativo ou anestésico em animais. Também produz efeitos alucinógenos.

A cetamina é um medicamento com propriedades anestésicas e alucinógenas. Seu uso na medicina é muito limitado, e é usada apenas como um anestésico de ação rápida.

É também amplamente utilizada na medicina veterinária para sedar grandes animais, especialmente em cavalos. De fato, esse medicamento foi sintetizado e começou a ser utilizado no final do século XX para esse fim. Saiba mais sobre esse fármaco.

Qual é o mecanismo de ação da cetamina?

Fórmula da cetamina

A cetamina é um derivado da fenciclidina. Ambos os compostos pertencem à família farmacológica dos antagonistas dos receptores NMDA. NMDA é a abreviatura de N-Metil-D-Aspartato, um agonista do glutamato. Quando uma substância é um agonista, significa que ela potencializa o efeito de outra substância. Ao contrário, se uma substância é um antagonista, entendemos que a mesma bloqueia a ação de outra substância.

A cetamina é um anestésico porque bloqueia a atividade do NMDA, que por sua vez é responsável pelo aumento da atividade do glutamato. O glutamato é um neurotransmissor excitatório, que participa nas sinapses que ocorrem em várias regiões do sistema nervoso. O córtex cerebral é rico em receptores de glutamato, uma vez que é a área onde estão localizados os centros de aprendizado, memória, etc…

Ao bloquear o glutamato, a sinapse não transmite a informação excitatória, e o sistema nervoso entra em um estado de relaxamento. Dependendo da dose, é transmitido um efeito sedativo ou tranquilizante como o da anestesia, que é o bloqueio das sensações.

Descubra: Você está preocupado com a saúde do seu cérebro? Descubra seis maus hábitos que podem afetá-la.

Para que serve a cetamina?

Como mencionamos na seção anterior, na medicina veterinária, a cetamina é usada principalmente como sedativo e anestésico. Seu uso em humanos é muito limitado, devido aos efeitos colaterais da natureza psicotrópica que produz. No entanto, nos países menos desenvolvidos, muitas vezes é visto como um anestésico, uma vez que é um produto mais barato do que os medicamentos modernos.

Por que a cetamina é uma substância psicotrópica?

A cetamina é um poderoso alucinógeno de caráter dissociativo. Isso significa que produz alterações em relação à situação do corpo do paciente no espaço. É comum que se descrevam sensações de leveza, de flutuar, de sair do seu próprio corpo, etc…

Quando começou a ser usado em baixas doses em crianças e idosos, muitos pacientes comentaram o que sentiram após a anestesia. Como o número de casos era tão grande, numerosos estudos foram realizados e finalmente foi descoberto que, de fato, com doses muito baixas dessa substância, o efeito alucinógeno era muito potente.

Precisamente, esta potência refletida na grande afinidade da substância pelos receptores é o que faz dela uma substância perigosa.

É muito difícil administrar a dose correta, pois produz imediatamente efeitos colaterais. De fato, em doses mínimas, produz relaxamento e, com um pouco mais, leva a experiências semelhantes à morte. A sensação de morte é dada pelo bloqueio do movimento. As pessoas ficam completamente imóveis.

Talvez você esteja interessado: Como reconhecer as diferenças entre um infarto, uma parada cardíaca e um ataque cardíaco.

Quais são os efeitos colaterais da cetamina?

Pílulas de cetamina

Além de alucinações, também produz alterações na memória, e dificuldade em manter a atenção. Se a dose for aumentada, o paciente sofrerá arritmias potencialmente mortais. Por exemplo, bradicardia. Outros efeitos cardiovasculares a considerar são hipertensão arterial, a insuficiência cardiorrespiratória, e o aumento da pressão intracraniana.

As crianças podem morrer devido a espasmos da laringe, na qual a via aérea é bloqueada. Além disso, elas têm convulsões com muita frequência, e distonia. A distonia é o termo médico que se refere às contrações involuntárias dos músculos. Se estes são produzidos pela cetamina, geralmente são muito dolorosos para o paciente, e refletem a disfunção do sistema nervoso.

Em conclusão, por todas estas razões, praticamente não se utiliza a cetamina na prática clínica. Já que as complicações são tão frequentes e perigosas, que o risco diante do benefício é muito alto. Além disso, se for misturada com outras substâncias, como o álcool, a intensidade das complicações aumenta.

Se você perceber que alguém pode ter usado cetamina, recomendamos que avise os serviços de emergência o mais rápido possível, e coloque a pessoa em um local silencioso. De preferência com luz tênue, e em silêncio, para reduzir a estimulação do sistema nervoso.