Carragena: usos, propriedades e riscos

Quando você compra um produto no mercado, ele pode conter carragena, um aditivo alimentar. Conheça seus usos, propriedades e riscos.
Carragena: usos, propriedades e riscos

Última atualização: 16 Agosto, 2021

A carragena é um aditivo alimentar classificado como INS 407. É obtido a partir de algas vermelhas marinhas pertencentes à família das Rhodophyceaes. Do ponto de vista químico, é um polissacarídeo formado por moléculas repetitivas de açúcar galactose ligadas ao enxofre.

Existem diferentes tipos de carragena, de acordo com sua capacidade de formar uma solução espessa ou géis. Na indústria de alimentos, estabiliza e melhora a palatabilidade de certos laticínios, derivados de carne e sopas em lata.

A carragena é considerada um ingrediente seguro pelo Codex Alimentarius. No entanto, sua segurança é controversa, pois para alguns pesquisadores ela pode causar toxicidade.

Para que a carragena é usada?

Encontramos a carragena em uma variedade de produtos alimentícios. Graças à sua capacidade de formar géis e desenvolver viscosidade, estabiliza todos os tipos de produtos.

Este polissacarídeo impede o movimento das menores moléculas do alimento. Partículas sólidas, gotículas de gordura, ar e água em geral se estabilizam quando se ligam à carragena.

Aqui está uma lista dos principais usos:

  • Laticínios: a carragena se liga à proteína do leite para formar um gel espesso, melhorando a textura do produto. Além disso, aumenta a vida útil e reduz os custos de fabricação. Os engenheiros Gavilanes e Germán difundem o uso desse aditivo na produção de queijos cremosos com baixo teor de gordura.
  • Derivados da carne: nos derivados da carne, a carragena torna mais forte o gel que forma a proteína da carne. Um grupo de especialistas a usa como substituto da gordura em produtos como presunto, salsichas e patês.
  • Produção de gelatinas: a carragena forma um gel com a água e melhora o sabor e a textura das gelatinas de frutas. A gelatina não é apenas uma fonte de proteína, mas também uma forma de ingerir água.
  • Doces industrializados: este polissacarídeo pode substituir a gordura em produtos como bolos, doces e itens de confeitaria em geral. Também é usado em xaropes para sorvetes.
  • Produtos à base de vegetais e massas frescas: infusões de ervas e bebidas quentes feitas de cereais e grãos também incluem carragena na sua formulação.

Além da indústria de alimentos, a carragena também é usada na fabricação de rações para animais de estimação, gel desodorizante de ar, medicamentos em geral e cremes dentais.

Cream cheese com carragena
No cream cheese industrializado, a carragena se liga às proteínas do leite.

Riscos e efeitos colaterais da carragena

A carragena é endossada pelas entidades responsáveis pela regulamentação de alimentos em todo o mundo. No entanto, a forma degradada ou poligeenano não é aprovada em alimentos, pois causa câncer e inflamação crônica em animais de laboratório.

Algumas pesquisas alertam para o risco de a carragena de qualidade alimentar se misturar com o poligeenano. O Instituto Cornucópia detalha que entre 5% e 25% de poligeenano foram encontrados na carragena de qualidade alimentar.

Além disso, vários pesquisadores sugeriram que a carragena não degradada também pode causar inflamação e distúrbios intestinais em células in vitro. No entanto, as evidências alertam que mais estudos são necessários a esse respeito.

Outros efeitos colaterais incluem o desenvolvimento de úlceras estomacais, doença inflamatória intestinal, artrite, tendinite e inflamação da vesícula biliar. Apesar dessas descobertas, um grupo de especialistas concluiu que os seus efeitos na saúde ainda não são claros.

A revista Critical Reviews in Toxicology publicou que não há condições para que os efeitos nocivos do poligeenano ocorram no trato gastrointestinal humano ou animal. De acordo com este trabalho, a carragena não tem efeitos cancerígenos.

É seguro consumi-la?

As controvérsias sobre o uso da carragena aumentam a necessidade de novos estudos em humanos. Seu uso é regulamentado pelo Codex Alimentarius, que se baseia em informações científicas de órgãos e consultas especiais.

O Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos também regulamenta o uso da carragena em bebidas e alimentos. No entanto, o National Organic Standards Board decidiu que os alimentos que a contêm não podem mais ser rotulados como orgânicos.

De acordo com o FDA e a Diretoria Geral de Saúde e Proteção ao Consumidor da Comissão Europeia, ela é segura para o consumo público. Além disso, deve ser registrada como ingrediente no rótulo.

Rotulagem nutricional indicando carragena
A presença de carragena deve estar especificada na embalagem do produto.

É necessário usar carragena?

Além desse composto espessante, gelificante e emulsificante, existem outros menos polêmicos. Entre eles encontramos gomas de alfarroba, guar, xantana, alginato e arábica.

A carragena é um aditivo obtido a partir de algas marinhas, reconhecido por seu papel estabilizador em diversos tipos de alimentos e bebidas. No entanto, a segurança de seu consumo vem sendo debatida há muito tempo, apesar da aprovação do FDA. Portanto, estudos científicos mais conclusivos em humanos são necessários para apoiar as descobertas feitas em animais de laboratório.

Pode interessar a você...
Que tipos de aditivos alimentares existem?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Que tipos de aditivos alimentares existem?

Existem vários tipos de aditivos alimentares, uma série de substâncias utilizadas na indústria para realçar as características dos alimentos.