As calorias se transformam em gordura?

Você costuma olhar para as calorias de um alimento para ver se ele engorda ou não? Continue lendo para saber mais sobre o excesso de calorias em sua dieta e como elas são armazenadas.
As calorias se transformam em gordura?

Última atualização: 04 Fevereiro, 2021

Até alguns anos atrás, o valor energético de um alimento e a crença de que as calorias se transformam em gordura eram o foco da atenção nas dietas de perda de peso. O equilíbrio energético era quase o único parâmetro a ser avaliado.

Hoje, sabemos que este não é o único aspecto que deve ser considerado. O tipo de alimento que comemos, os principais nutrientes que nos fornecem, a forma como o nosso sistema hormonal responde ou o tempo que gastamos entre as refeições são outros aspectos que também têm um impacto significativo na nossa composição corporal. 

O que são as calorias e o que acontece quando exageramos?

As calorias são uma medida que usamos para avaliar a quantidade de energia que um alimento nos fornece. As calorias dão ao corpo o combustível necessário para executar suas funções vitais e criar estruturas. 

Após a digestão dos alimentos, a energia que eles contêm é liberada e usada pelas diferentes células. A energia que não é usada naquele momento é armazenada para uso posterior:

  • O primeiro armazém de energia do nosso corpo são os músculos e o fígado, que armazenam a energia na forma de glicogênio.
  • A outra forma de reserva energética são os adipócitos ou células de gordura, nas quais a energia que não usamos se acumula na forma lipídica.

É por isso que dizemos que as calorias se transformam em gordura, porque quando excedemos as necessidades imediatas do nosso corpo, o excesso de energia é armazenado na forma de gordura.

No entanto, um alto percentual de tecido adiposo pode se tornar prejudicial à saúde, pois está relacionado ao aparecimento de problemas metabólicos, entre outros.

Gordura armazenada

Muito além das calorias: outros aspectos para ter em mente

As calorias são um dos fatores determinantes quando se trata de dieta e ganho ou perda de peso. Na realidade, o que avaliamos é que o consumo e os gastos sejam equilibrados. No entanto, há outros aspectos que também entram em jogo e se relacionam entre si. Entre eles, encontramos os seguintes:

Composição nutricional dos alimentos

As calorias não funcionam no corpo da mesma forma se vêm de macronutrientes diferentes. Por exemplo, as proteínas têm uma grande capacidade de saciar e um efeito termogênico maior do que as gorduras e os carboidratos.

Por outro lado, de acordo com a composição geral da nossa dieta diária, determinadas rotas metabólicas são ativadas. Isso também afeta a forma como metabolizamos as calorias e como elas se tornam gorduras.

Calorias finais que acabam absorvidas

Devemos ter em mente que às vezes não absorvemos a energia total que um alimento nos fornece. Há fatores que influenciam esse aspecto, como o tipo de cozimento que o alimento sofreu e o estado da nossa flora intestinal. 

Aspectos hormonais

As calorias nos dão energia, mas a maneira como processamos e usamos toda essa energia é regulada por hormônios. Qualquer influência em nosso sistema hormonal eventualmente mudará a maneira como usamos e armazenamos calorias. 

Efeito saciante dos alimentos

Nem todos os alimentos nos saciam da mesma maneira. O nutriente predominante de uma refeição ou o modo de preparo nos fará sentir mais ou menos saciados.

Quando o estômago está cheio, ele envia sinais para o cérebro que o fazem entender que não devemos mais comer. Portanto, o total de calorias ingeridas deve ser aproximadamente o mesmo no final de cada refeição. 

As calorias se transformam em gordura: uma questão de qualidade

Gorduras saudáveis

Quando queremos enfrentar uma dieta de perda de peso ou queremos engordar, tendemos a olhar quase exclusivamente para a quantidade de calorias que comemos. Embora isso possa ser necessário nessas ocasiões específicas, não podemos esquecer a qualidade das calorias.

A mesma quantidade de calorias não terá o mesmo efeito em nosso corpo se vier de um tipo de alimento ou de outro. É importante avaliar os tipos de alimentos que fazem parte da dieta. Hoje, sabemos que alimentos altamente processados estão diretamente relacionados a:

  • Aumento do risco de obesidade.
  • Pressão alta.
  • Problemas metabólicos
  • Colesterol LDL alto, entre outros.

Portanto, é aconselhável manter um padrão alimentar adequado no qual predominam alimentos frescos e não processados, como frutas, legumes, verduras, grãos integrais, ovos, etc. Além disso, devemos consumir muito ocasionalmente pratos industrializados, lanches, biscoitos e doces.

Se basearmos a nossa dieta em alimentos do primeiro grupo, seu impacto no metabolismo, saciedade ou efeito térmico será muito mais equilibrado do que se comermos mais os do segundo. Desta forma, o excesso de calorias não se tornará gordura tão facilmente. A longo prazo, isso trará benefícios para a nossa saúde. 

Um déficit calórico não é saudável

Até agora vimos como, às vezes, um excesso de calorias engorda, o que pode se tornar prejudicial para nós. 

No entanto, reduzir muito a ingestão calórica também não é saudável. Isso costuma ser feito pelo medo de armazenar as calorias que não queimamos no momento, mas não é recomendado.

O fornecimento insuficiente de energia também leva à falta de outros nutrientes básicos de que nosso corpo precisa para funcionar e construir estruturas, como vitaminas, minerais ou proteínas. Isso pode levar, por sua vez, a problemas de humor, falta de concentração e falta de energia, entre outros.

Além disso, a longo prazo e contra o que pode parecer lógico para nós, pode acabar provocando um aumento de peso e gordura. Isso ocorre porque o corpo se torna muito econômico diante da escassez. Ao não detectar a entrada de alimentos, hesita em queimar gordura acumulada para manter algumas reservas de energia. 

É muito melhor aumentar o gasto calórico do que diminuir sua ingestão sem mudar o que gastamos. 

As calorias se transformam em gordura, mas a questão é complexa

Precisamos parar de pensar apenas em calorias e começar a pensar na qualidade dos alimentos que comemos, na sua composição nutricional e na forma como os cozinhamos.

Além disso, devemos ter em mente que todos esses aspectos que influenciam o nosso sistema hormonal, como o exercício, o sono e o estresse, também têm um impacto na forma como o nosso corpo processa e armazena as calorias.

Pode interessar a você...
Dicas para cozinhar de forma saudável e com poucas calorias
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Dicas para cozinhar de forma saudável e com poucas calorias

É necessário saber preparar comidas saudáveis para tirar o máximo proveito dos alimentos e assim, fornecer nutrientes ao nosso organismo.



  • Bentley R.A, et al. U.S. obesity as delayed effect of excess sugar. Economics and Human Biology. Enero 2020.
  • Howell S, Kones R. “Calories in, calories out” and macronutrient intake: the hope, hype, and science of calories. Perspective. Noviembre 2017. 313(5): E608-E612.
  • Leaf A, et al. The Effects of Overfeeding on Body Composition: The Role of Macronutrient Composition – A Narrative Review. International Journal of Exercise Science. Diciembre 2017. 10(8):1275-1296.
  • Osilla E, Sharma S. Calories. Stat Pearls Publishing. Enero 2020.
  • Pérez Martínez P et al. Lifestyle recommendations for the prevention and management of metabolic syndrome: an international panel recommendation. Nutrition Reviews. Mayo 2017. 75(5):307-326.
  • Poti J.M et al. Ultra-processed Food Intake and Obesity: What Really Matters for Health – Processing or Nutrient Content?. Current Obesity Reports. Diciembre 2017.6(4):420-431.
  • Prinz Ph. The role of dietary sugars in health: molecular composition or just calories?. European Journal of Clinical Nutrition. Febrero 2019. 73(9):1216-1223.
  • Srour B, et al. Ultra-processed food intake and risk of cardiovascular disease: prospective cohort study (NutriNet-Santé). British Medical Journal . Mayo 2019.
  • Veldhorst M, et al. Gluconeogenesis and Energy Expenditure After a High-Protein, Carbohydrate-Free Diet. American Journal of Clinical Nutrition. Setiembre 2009. 90(3):519-526.