Alprazolam: usos e efeitos

15 Setembro, 2020
Os efeitos adversos mais comuns do tratamento com alprazolam estão relacionados aos efeitos farmacológicos da droga, ou seja, à depressão do sistema nervoso central.

O alprazolam é um medicamento ansiolítico que pertence à família dos benzodiazepínicos. É utilizado para o tratamento de episódios de ansiedade.

Embora os benzodiazepínicos também possuam propriedades sedativas, com esta indicação é preferível usar outros medicamentos com menor capacidade de causar dependência. No entanto, o alprazolam é um dos benzodiazepínicos com o menor efeito viciante.

Antes de entrar em detalhes sobre as características desse medicamento e saber como ele exerce sua ação sobre o corpo, é importante conhecer a patologia para a qual é indicado: a ansiedade.

O que é a ansiedade?

Pessoa sofrendo de ansiedade

Para começar, a ansiedade pode ser uma emoção normal ou um distúrbio psiquiátrico. A diferença na classificação vai depender da intensidade e do impacto no paciente.

Em situações normais, é um componente natural e adequado da mente que atua como um mecanismo de defesa e nos permite ajustar a situações estressantes.

No entanto, se os limites forem excedidos, a ansiedade se torna patológica, de modo que a adaptação à situação estressante é cancelada ou dificultada.

Os pacientes descrevem a ansiedade como um sentimento de ameaça, de antecipação tensa para o futuro e de alteração do equilíbrio psicossomático na ausência de perigo real. Pessoas com ansiedade frequentemente apresentam:

  • Sudorese
  • Palpitações
  • Insônia
  • Fadiga

O alprazolam também é usado para tratar pacientes que apresentam sintomas de ansiedade e depressão ao mesmo tempo.

Talvez você possa se interessar: 3 formas de equilibrar a química cerebral para enfrentar a depressão

Qual é o mecanismo de ação desse medicamento no organismo?

Ansiolíticos e neurotransmissores

Os benzodiazepínicos atuam no sistema nervoso central (SNC) e podem causar todos os tipos de depressão do mesmo. Esses efeitos incluem sedação e hipnose, bem como relaxamento muscular esquelético e atividade anticonvulsivante.

Evidências recentes indicam que os benzodiazepínicos devem seu efeito à capacidade de ligar o ácido gama-aminobutírico ao receptor do complexo GABA. O GABA é um neurotransmissor inibitório que exerce seus efeitos sobre subtipos de receptores específicos chamados GABA-A e GABA-B.

Agora, o que é um neurotransmissor? O GABA, como outras substâncias como a serotonina ou a adrenalina, são substâncias químicas sintetizadas no corpo responsáveis ​​pela transmissão do sinal de um neurônio para o próximo.

Dependendo do neurotransmissor, eles transmitirão um tipo de sinal ou outro, acionando um par de sinalização diferente. O GABA, quando secretado, emite sinais de inibição ou redução da atividade neuronal.

O GABA desempenha um papel importante no comportamento, cognição e resposta ao estresse. Portanto, baixos níveis desse neurotransmissor estão associados a transtornos de ansiedade, entre outros. Daí a eficácia dos benzodiazepínicos nesse problema.

Farmacocinética: o que acontece com o alprazolam em nosso corpo?

A farmacocinética é o conjunto de diferentes processos e alterações que a droga sofre no organismoInclui os seguintes processos: absorção, distribuição, metabolismo e eliminação.

O alprazolam é administrado por via oral e é rapidamente absorvido. As concentrações sanguíneas máximas são atingidas dentro de uma a duas horas após a administração.

Esse fármaco é metabolizado, ou seja, sofre uma série de reações químicas para se tornar mais solúvel e favorecer sua eliminação, principalmente no fígado. Portanto, pacientes com problemas no fígado devem ter cuidado com este medicamento.

Uma vez metabolizados, o medicamento não modificado e as substâncias resultantes do processo, chamadas de metabólitos, são excretados principalmente na urina.

Não deixe de ler: Os 5 melhores ansiolíticos naturais para acalmar a ansiedade

Efeitos colaterais do alprazolam

Frasco de alprazolam

Os efeitos adversos mais comuns do tratamento com esta benzodiazepina estão relacionados aos seus efeitos farmacológicos, ou seja, à depressão do sistema nervoso central.

Caso o paciente sofra efeitos adversos, eles geralmente se desenvolvem quando o tratamento é iniciado. Além disso, eles geralmente desaparecem ao longo do mesmo ou quando a dose administrada é diminuída.

Nesse sentido, os pacientes que sofrem de ansiedade e da associação entre ansiedade e depressão, que são as condições para as quais o alprazolam é indicado, podem apresentar sonolência e tontura como efeitos adversos mais comuns.

No entanto, esses efeitos ocorrem em 1% dos casos. Existem outros ainda menos frequentes, como:

  • Visão turva
  • Dor de cabeça
  • Depressão
  • Problemas de sono

Conclusão

O alprazolam é um medicamento utilizado no tratamento da ansiedade. A automedicação nunca é recomendada, e diante de qualquer problema você deve procurar supervisão médica, pois o uso incorreto de medicamentos pode ser prejudicial à saúde. Uma overdose pode até levar à morte.

  • Van Marwijk, H., & Bax, A. (2008). Alprazolam for depression. Cochrane Database of Systematic Reviews. https://doi.org/10.1002/14651858.CD007139
  • Chaytor, A. (2011). Alprazolam. In xPharm: The Comprehensive Pharmacology Reference. https://doi.org/10.1016/B978-008055232-3.61200-0
  • Petty, F., Trivedi, M. H., Fulton, M., & John Rush, A. (1995). Benzodiazepines as antidepressants: Does GABA play a role in depression? Biological Psychiatry. https://doi.org/10.1016/0006-3223(95)00049-7
  • Marquet Palomer, R. (2009). Ansiedad. FMC – Formación Médica Continuada En Atención Primaria. https://doi.org/10.1016/s1134-2072(05)75195-1