Alimentos proibidos para quem tem níveis altos de ácido úrico

22 Setembro, 2020
Se você tem ácido úrico alto, é importante cuidar da sua dieta, do seu peso e de alguns hábitos de vida. Graças a uma alimentação equilibrada, será possível manter a uricemia controlada.

Os níveis altos de ácido úrico, ou hiperuricemia, têm sido tradicionalmente associados a pessoas que amam o excesso, tanto na alimentação quanto na bebida. Embora saibamos que isso depende de uma infinidade de fatores, a dieta é fundamental para resolver o problema.

O que é a hiperuricemia?

O ácido úrico é um composto feito de carbono, nitrogênio, oxigênio e hidrogênio que é gerado quando o corpo decompõe as purinas. As purinas se formam naturalmente no corpo, e também as encontramos em alguns alimentos.

O ácido úrico não causa problemas de saúde em valores normais, pois é excretado pelos rins. No entanto, por muitas razões diferentes, a sua presença pode subir acima dos níveis aceitáveis. 

Quando alguém sofre de hiperuricemia, um dos sintomas mais temidos é o ataque de gota. Porém, as consequências negativas do ácido úrico alto vão além. Ele tem sido associado a um risco aumentado de danos renais, cardiovasculares e artríticos crônicos.

A alimentação e os níveis altos de ácido úrico

O excesso de ácido úrico deve ser corrigido para evitar problemas de saúde a longo prazo e, também, a perda de qualidade de vida em pessoas que sofrem com ele. Corrigir algumas diretrizes alimentares pode ser muito benéfico.

Se você sofre com esse problema de saúde, deve evitar alguns alimentos. A seguir, apresentamos alimentos que, embora não sejam totalmente proibidos, devem ter seu consumo limitado.

Alimentos ricos em purinas

Carne vermelha
As carnes vermelhas são alimentos muito ricos em purinas.

As purinas são componentes formados naturalmente pelo corpo. Quando elas se degradam, o ácido úrico aparece. Portanto, controlar o consumo de alimentos ricos em purinas pode ajudar a diminuir a quantidade de ácido úrico no sangue, especialmente durante ataques de gota. 

Os alimentos mais ricos em purinas são:

  • Fígado, rim, moela e outras vísceras. 
  • Carne vermelha, cordeiro e porco.
  • Peixes oleosos e crustáceos: sardinha, anchova, atum, lagosta, camarão, caranguejo. Não é conveniente eliminá-los completamente, porque estaríamos perdendo seus benefícios. Então, tente moderar as porções. 
  • Embutidos.
  • Queijos altamente fermentados.
  • Alguns vegetais, como aspargos, ervilhas, espinafre e tomate, também são ricos em purinas. Uma opção sensata é moderar o consumo desse tipo de vegetal para cerca de duas vezes por semana.

Talvez você possa se interessar: Causas de um nível alto de ácido úrico

Alimentos muito gordurosos

A eliminação de uratos é dificultada pela ingestão de gorduras. Portanto, faremos bem em controlar as porções de gordura se tivermos níveis altos de ácido úrico.

A melhor opção, como quase sempre, ainda é o azeite de oliva extravirgem para temperar os pratos e também para cozinhar. É melhor eliminar completamente os alimentos processados ​​que podem ter gorduras trans ou hidrogenadas e reduzir as gorduras saturadas. 

Frutose e bebidas açucaradas

A frutose é o único carboidrato que demonstrou ter uma relação direta no metabolismo do ácido úrico. Nesse caso, nos referimos a refrigerantes adoçados e sucos de frutas. O risco de gota é duas vezes maior entre as pessoas que consomem duas ou mais bebidas açucaradas por dia, em comparação com aquelas que bebem menos de uma por mês. 

No entanto, a razão pela qual esse aumento no ácido úrico ocorre não pôde ser determinada exatamente. Isso pode acontecer devido a outros componentes das bebidas – além da frutose – ou a outros hábitos prejudiciais associados. 

Álcool

No caso de bebidas alcoólicas, não há dúvida. O risco de desenvolver gota é mais que o dobro entre os homens que consomem 50 gramas ou mais de álcool por dia, em comparação com aqueles que não bebem. 

Tanto em homens quanto em mulheres, o consumo de álcool está associado a maiores taxas de uricemia e doenças gotosas. No entanto, o risco é maior nas mulheres. 

Isso ocorre porque um consumo alto e pontual de álcool aumenta a concentração de ácido lático. Isso dificulta a eliminação renal do ácido úrico. Se, por outro lado, o consumo de álcool for crônico, o problema é que a quantidade de purinas aumenta.

Álcool e ácido úrico
O álcool favorece a elevação dos níveis de ácido úrico em homens e mulheres.

Saiba mais: Efeitos do álcool no sistema nervoso

Diretrizes alimentares para quem tem níveis altos de ácido úrico

Em relação à hiperuricemia, não devemos falar apenas sobre alimentos proibidos. Existem também diretrizes alimentares e outros aspectos relacionados que nos ajudarão a melhorar a situação:

  • Não é conveniente ter um peso acima do que é considerado saudável para a sua altura. Se você estiver acima do peso, uma orientação gradual para a perda de peso é essencial. 
  • Não devemos fazer jejuns ou restrições calóricas muito intensos, pois nesses casos os níveis também aumentam.
  • Manter uma boa hidratação. É necessário beber cerca de 2 litros de água por dia.

Todas essas diretrizes devem ser acompanhadas pelo tratamento médico específico, prescrito por um profissional especializado. 

Conclusão

Tanto a carne vermelha quanto os peixes oleosos, bebidas açucaradas e álcool devem ser limitados em caso de hiperuricemia. Comer com moderação, beber bastante líquido e manter uma dieta equilibrada, rica em frutas e vegetais, grãos integrais e leite desnatado e iogurtes, será de grande ajuda para lidar com esse problema de saúde.

  • Álvarez Larido B, Alonso Valdivielso JL. [Hyperuricemia and gout; the role of diet]. Nutrición Hospitalaria. Abril 2014. 1;29(4):760-70.
  • Jamnik J, et al. Fructose intake and risk of gout and hyperuricemia: a systematic review and meta-analysis of prospective cohort studies. BMJ Open. Octubre 2016. 3;6 (10).
  • Pemberton C, et al. Manual de dietética de la Clínica Mayo. Ediciones Medici. 1993.
  • Rongrong L. et al. Dietary factors and risk of gout and hyperuricemia: a meta-analysis and systematic review. Asia Pacific Journal of clinical Nutrition . 2018;27(6). 1344-1356.
  • Contreras Roura, Jiovanna. “Errores innatos del metabolismo de las purinas y otras enfermedades relacionadas.” Revista Cubana de Pediatría 84.2 (2012): 197-200.