Os efeitos do álcool no coração

22 Janeiro, 2020
Os efeitos do álcool no coração podem ser positivos, desde que ingerido de maneira controlada e com a frequência apropriada. Também podem ser altamente prejudiciais e até levar à morte, se ingeridos em grandes volumes, sob certas circunstâncias.
 

Atualmente existe alguma confusão quanto aos efeitos do álcool no coração. Há informações que sugerem que beber vinho ou cerveja de forma moderada contribui para a saúde cardiovascular. Ao mesmo tempo, existem estudos que falam sobre os efeitos nocivos desse tipo de bebida no coração.

Na verdade, ambos os dados são verdadeiros. Os efeitos do álcool no coração são variados e dependem do estado de saúde de cada pessoa, das quantidades e frequências com que é ingerido, bem como do tipo de bebida consumida.

Enfim, há algo que não está discussão: os efeitos do álcool no coração e em outros órgãos são muito negativos e até devastadores quando consumidos em grandes volumes. É também um psicoativo que pode causar dependência e deteriorar significativamente a qualidade de vida.

Mitos e verdades sobre os efeitos do álcool no coração

Controle o consumo do álcool

Há evidências de que os efeitos do álcool no coração podem ser positivos. O vinho, por exemplo, tem um alto teor de antioxidantes (flavonoides, taninos, antocianinas e resveratrol). Essas substâncias contribuem para prevenir a formação de placas nas artérias (aterosclerose). Da mesma forma, favorecem a produção do “bom colesterol”.

 

Já foi dito que beber um copo de vinho por dia poderia ter esses efeitos positivos. No entanto, um estudo publicado no Journal of American College of Cardiology observa que, embora esses efeitos positivos sejam reais, também é real que o consumo de álcool, mesmo que moderadamente, aumenta o risco de causar batimentos cardíacos irregulares.

Outro estudo, conduzido pelo professor Peter Kistler, do Instituto Baker IDI de Coração e Diabetes e Alfred Hospital, em Melbourne (Austrália), aponta o mesmo. Isso indica que, embora o consumo moderado de álcool possa ajudar a manter “limpos os encanamentos” do corpo, pode afetar as partes elétricas do coração, em particular o ritmo dos batimentos cardíacos.

Não deixe de ler: O que acontece com seu corpo quando você deixa de ingerir açúcar e álcool durante um mês

Beber moderadamente e beber demais

Há muita conversa sobre a importância de consumir álcool moderadamente e, no entanto, não está muito claro o que é moderado e o que é excessivo. Contra esse ponto, a primeira coisa que deve ser levada em consideração é o estado de saúde de cada pessoa. Uma pessoa diabética ou hipertensa, por exemplo, deve evitar o álcool mesmo em quantidades moderadas.

Por outro lado, a frequência também é afetada. É muito mais prejudicial consumir álcool em grandes quantidades, mesmo que isso seja feito apenas eventualmente. Beber mais de cinco copos de álcool, no caso de homens, ou quatro, no caso de mulheres, aumenta o risco de derrames e morte súbita.

 

Nas Diretrizes Dietéticas do Departamento de Saúde dos EUA observa-se que um consumo moderado é no máximo uma taça por dia para as mulheres e duas para os homens. No entanto, um bom número de especialistas ressalta que é melhor não beber diariamente, mas evitar o álcool dois ou três dias por semana.

Fala-se de “uma taça” quando esta corresponde a 120 ml de vinho, 350 ml de cerveja, 45 ml de bebidas com graduação alcoólica de 40 ° ou 30 ml líquida bebidas com graduação de 50 °.

A fibrilação auricular

Eletrocardiograma

Um dos riscos do consumo de álcool, mesmo em quantidades moderadas, é o fato de essa substância contribuir para batimentos cardíacos irregulares, como já observamos. O álcool pode danificar as células e causar a formação de tecido fibroso no coração, alterando seus batimentos.

Da mesma forma, o álcool pode alterar a maneira como as células cardíacas se contraem, e com o tempo levar a batimentos cardíacos irregulares. Da mesma forma, afeta o sistema nervoso autônomo, que controla, entre outros aspectos, o ritmo das batidas.

Essa condição, chamada fibrilação auricular, aumenta o risco de problemas graves, como insuficiência cardíaca ou derrame. Aparece em alguns daqueles que bebem moderadamente, de forma frequente, e em 60% das pessoas após a ingestão excessiva.

 

Descubra também: 5 conselhos para proteger o fígado dos danos causados pelo álcool

Outros efeitos

Em algumas pessoas o consumo excessivo de álcool pode enfraquecer o músculo cardíaco e causar uma doença chamada cardiomiopatia dilatada. Nesta, o coração se dilata e diminui sua força de bombeamento, o que causa sintomas de insuficiência cardíaca.

O álcool também contribui para a obesidade e isso aumenta os riscos de problemas cardíacos. Além disso, o consumo frequente e excessivo de álcool aumenta em duas vezes as chances de sofrer de hipertensão. A combinação de álcool e drogas psicoativas pode ser mortal.

 
  • Zambrano, J. E. C., Jaramillo, P. A. V., & Lino, V. E. R. (2016). Riesgo cardiovascular relacionado con el consumo de alcohol. Dominio de las Ciencias, 2(4), 17-27.
  • Castaldo L, Narváez A, Izzo L, et al. Red Wine Consumption and Cardiovascular Health. Molecules. 2019;24(19):3626. Published 2019 Oct 8. doi:10.3390/molecules24193626
  • O’Keefe MD, J. H., Bhatti MD, S. K., Bajwa MD, A., DiNicolantonio PharmD, J. J., & Lavie MD, C. J. (2014). Alcohol and Cardiovascular Health: The Dose Makes the Poison…or the Remedy. Mayo Clinic Proceedings89(3), 382–393.
  • Haseeb, S., Alexander, B., Baranchuk, A., & Electrophysiology, C. (2017). Wine and Cardiovascular Health A Comprehensive Review IN DEPTH. Circulation136, 1434–1448. https://doi.org/10.1161/CIRCULATIONAHA.117.030387
  • Voskoboinik, A., Prabhu, S., Ling, L. han, Kalman, J. M., & Kistler, P. M. (2016, December 13). Alcohol and Atrial Fibrillation: A Sobering Review. Journal of the American College of Cardiology. Elsevier USA. https://doi.org/10.1016/j.jacc.2016.08.074
  • Kodama, S., Saito, K., Tanaka, S., Horikawa, C., Saito, A., Heianza, Y., … Sone, H. (2011). Alcohol consumption and risk of atrial fibrillation: A meta-analysis. Journal of the American College of Cardiology57(4), 427–436. https://doi.org/10.1016/j.jacc.2010.08.641