Doença cardíaca congênita

27 de setembro de 2019
A doença cardíaca congênita é o defeito de nascimento mais comum. O seu nível de gravidade, bem como o tratamento a ser realizado, dependem de cada caso. Atualmente, o nível de sobrevivência aumentou significativamente.

A doença cardíaca congênita é um problema que afeta aproximadamente 1% dos nascidos vivos. É um mal que se origina durante a gravidez, à medida que o coração do bebê se desenvolve. A palavra “congênita” refere-se à patologia presente no nascimento..

Isso significa que a sobrevivência aumentou significativamente com relação a esse mal. Aqueles que atingem a idade adulta, mesmo sofrendo de cardiopatia congênita, necessitam de monitoramento detalhado e contínuo para evitar complicações.

O que é doença cardíaca congênita?

Causas de doença cardíaca congênita

Em vez de falar sobre cardiopatia congênita, deve-se falar sobre cardiopatias congênitas, no plural. Porque na verdade, é um grupo de doenças cuja característica comum é a presença de alterações estruturais no coração.

Essas alterações são produzidas por uma falha na formação do órgão, durante o período embrionário. O coração do bebê começa a se formar desde a concepção, mas somente após oito semanas de gravidez ele completa seu desenvolvimento.

Para que o coração se forme, normalmente, é necessário que uma série de etapas sucessivas seja cumprida. Geralmente, a doença cardíaca congênita ocorre porque alguns desses estágios não são concluídos no momento certo. O resultado é um coração anormal.

Causas

Na grande maioria dos casos, é impossível estabelecer a causa específica da doença cardíaca congênita. Apesar disso, a Organização Mundial da Saúde (OMS) apontou que existem alguns fatores que aumentam o risco de sofrer com essas patologias. Estes são:

  • Fatores genéticos. A história familiar aumenta o risco de desenvolver essas patologias. Da mesma forma, as doenças cardíacas congênitas geralmente fazem parte de algumas síndromes cromossômicas ou genéticas, como Síndrome de Down, Síndrome de DiGeorge (SDG) e outras.
  • Infecções. Quando a mãe sofre infecções como sífilis ou rubéola, consequentemente aumenta o risco de que os embriões sofram de malformações.
  • Estado nutricional. O sobrepeso da mãe, o excesso de vitamina A, a falta de iodo ou folato e a presença de doenças como diabetes mellitus aumentam a probabilidade de um desenvolvimento anormal no feto.
  • Fatores ambientais. A exposição a certos produtos químicos, o consumo de álcool e/ou tabaco, bem como o uso de alguns medicamentos, aumentam o nível de risco para o desenvolvimento de doenças congênitas.

Sintomas e tipos de doença cardíaca congênita

Problemas cardíacos no recém nascido

Os sinais de cardiopatias podem aparecer imediatamente após o parto, entretanto, também podem manifestar-se meses depois. Os principais sintomas de doenças cardíacas no recém-nascido são:

Leia também: 6 dicas para evitar um ataque cardíaco

Os diferentes tipos de doenças cardíacas congênitas são basicamente classificados em três grupos:

1.  Problemas devido ao fluxo excessivo de sangue através dos pulmões. Neste tipo de patologias, há um aumento na pressão e esforço nos pulmões, portanto, gera problemas como:

  • Canal arterial persistente.
  • Comunicação interauricular ou interventricular.
  • Canal atrioventricular.

2.  Problemas com fluxo sanguíneo deficiente através dos pulmões. Isso gera a cor azul ou roxa clássica nos lábios porque o corpo não recebe oxigênio suficiente.  Portanto, isso Inclui problemas como:

  • Atresia tricúspide.
  • Atresia pulmonar.
  • Transposição das grandes artérias.
  • Tetralogia de Fallot.
  • Saída dupla do ventrículo direito.
  • Tronco arterioso.

3.  Problemas devido ao fluxo insuficiente de sangue para o corpo. Cavidades cardíacas malformadas ou bloqueios nos vasos sanguíneos impedem a passagem de sangue para o corpo. Incluem coarctação da aorta e estenose aórtica.

Você pode estar interessado: Tronco arterioso: saiba tudo sobre essa doença.

Outros dados a considerar

Para prevenir doenças cardíacas congênitas, é indicado que a mãe faça exames médicos regulares durante a gravidez. Além disso, deve usar apenas medicamentos autorizados pelo profissional que está monitorando a gravidez. Por outro lado, é imprescindível evitar a exposição a produtos químicos nocivos.

Se você sofrer de diabetes mellitus, é indicado que mantenha seu nível de açúcar no sangue sob controle. No entanto, não importa quanto cuidado seja tomado, às vezes é impossível prevenir uma doença cardíaca congênita, porque existem fatores genéticos, e outros desconhecidos, que dão origem a esse mal.

A cardiopatia congênita tem diferentes níveis de gravidade. Aliás, tudo depende da natureza e gravidade da malformação. Às vezes, as patologias precisam ser resolvidas assim que o bebê nasce e, outras vezes, permitem que a criança cresça.

Os controles médicos e exames durante a gravidez são imprescindíveis para a saúde da mãe e do bebê. Não deixe, portanto, de seguir as indicações do seu obstetra.

  • Granado, F. M., & de Cardiología Pediátrica, S. (2008). Epidemiología de las cardiopatías congénitas. Servicio de Cardiología Pediátrica, Hospital Infantil Universitario La Paz, Madrid.[Consultado el 10 de junio de 2013]. Disponible en www.secardioped/protocolos.es
  • Friesen, R. H. (2010). Cardiopatía congénita. In Anestesia. Secretos. https://doi.org/10.1016/b978-84-8174-941-0.50061-6
  • Born, D. (2009). 8. Cardiopatia congênita. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. https://doi.org/10.1590/s0066-782×2009001300008