Medir as pulsações: como fazer isso?

27 de outubro de 2019
Medir as pulsações pode ajudar a diagnosticar patologias cardiovasculares precocemente. Além disso, é um procedimento simples que pode ser feito em diferentes partes do corpo. Como se faz?

Medir as pulsações é um procedimento muito útil que nos permite conhecer o ritmo do coração e nos orienta sobre a regularidade de sua frequência. É uma medida muito simples que nos fornece informações básicas sobre o nosso funcionamento cardiovascular.

O pulso refere-se a uma série de pulsações que podem ser percebidas em algumas partes do corpo. São causados ​​pelo movimento de contração e dilatação do coração e das artérias.

O pulso ou as pulsações são sinônimos de frequência cardíaca e geralmente são expressados em batimentos por minuto. Por exemplo, se ao medir as pulsações de uma pessoa, por 60 segundos, contamos 70 batimentos, significa que o coração bate 70 vezes em um minuto.

Embora este seja um procedimento essencial para diagnosticar rapidamente um possível problema cardíaco, muitas pessoas desconhecem qual é a utilidade de medir as pulsações e como fazê-lo. Portanto, neste artigo, explicamos a você.

Para que serve medir as pulsações?

Profissional medindo a pressão

Medir as pulsações serve, entre outras coisas, para detectar anormalidades na frequência cardíaca.

A medição do pulso tem uma infinidade de utilidades, pois informa sobre o número de batimentos que nosso coração realiza por unidade de tempo (normalmente, por minuto). Um pulso normal está entre 60 e 100 batimentos por minuto.

Primeiramente, medir as pulsações pode nos ajudar a detectar taquicardia ou bradicardia. Taquicardia é quando o coração bate acima de 100 batimentos por minuto. Bradicardia, por outro lado, ocorre quando o coração bate a menos de 60 batimentos por minuto.

Não deixe de ler também: Arritmia cardíaca: sintomas e consequências

Tanto a taquicardia quanto a bradicardia podem ser indicativos de que algo não está funcionando adequadamente em nosso sistema cardiovascular. Exceder qualquer um desses limites pode significar algum risco para o nosso coração.

No entanto, na maioria das vezes, são situações normais nas quais o coração adapta seus batimentos para poder manter o suprimento sanguíneo para todos os órgãos e tecidos do corpo.

Por exemplo, ao praticar esportes, é absolutamente normal o seu coração acelerar e, ao medir as pulsações, encontrar uma taquicardia. Por outro lado, podemos ter taquicardia em situações de medo, estresse ou perigo.

Da mesma forma, as pessoas que treinam diariamente tendem a ter pulsações abaixo da média. Alguns atletas podem ter pulsações a 40 batimentos por minuto, sem que isso seja um indicativo de qualquer patologia.

Então, para que serve medir as pulsações?

Isso nos leva a pensar que, em primeiro lugar, medir as pulsações pode ser útil para verificar nossa condição física e nossos avanços quando praticamos esportes. Também para saber quais limites podemos enfrentar durante um treinamento físico.

Além disso, não devemos esquecer que medir as pulsações pode nos ajudar a alcançar o diagnóstico precoce de alguma patologia. Em algumas situações graves, como uma dissecção aórtica, um procedimento tão simples quanto medir as pulsações pode nos ajudar a detectá-lo a tempo e salvar o paciente.

Você pode estar interessado: Lesão aórtica: classificação, sintomas e tratamento

Como se aprende a medir as pulsações?

Controle dos batimentos cardíacos durante o exercício

Para medir as pulsações em condições normais, o ideal é que você fique calmo e relaxado, sem ter se exercitado anteriormente. Assim, poderemos medir as pulsações estando em repouso.

Este procedimento pode ser realizado em diferentes partes do corpo, mas o mais normal é fazê-lo na área do pescoço ou munheca. De fato, para começar a medir as pulsações, é recomendável fazê-lo no pescoço, pois é o local onde é melhor percebido.

Primeiramente, você precisa de um cronômetro. Você pode usar um relógio ou seu próprio celular para fazer isso. Com o cronômetro na mão, o que você deve fazer, em resumo, é:

  • Coloque os dedos indicador e médio sob o queixo, no pescoço. Você deve pressionar levemente nessa área, até perceber as batidas. Mas você também não deve pressionar os dedos com muita força, pois poderia confundir o resultado.
  • Depois de começar a sentir os batimentos, inicie o cronômetro e comece a contar. Você pode fazer isso por um minuto ou por 30 segundos. Se você escolher esta última opção, deverá multiplicar o número total de batimentos que você contou por dois.

Como já mencionamos, se o resultado estiver entre 60 e 100 pulsações em repouso, estará dentro dos limites normais. No entanto, se os batimentos forem excedidos ou você notar alguma irregularidade no ritmo, o ideal é consultar um médico o mais rápido possível.

Em conclusão

Medir as pulsações é um procedimento muito simples que serve a muitos propósitos em nosso dia a dia. Você pode fazer isso na munheca, no pescoço, no abdômen e assim por diante.

Se você tiver algum problema para realizar esse procedimento, pode comprar um monitor de batimentos cardíacos. Não se esqueça de consultar o seu médico se notar alguma anormalidade ou se o seu batimento cardíaco estiver geralmente acima da média em repouso.

  • Pickering D. How to measure the pulse. Community Eye Health. 2013;26(82):37.
  • Kobayashi H. Effect of measurement duration on accuracy of pulse-counting. Ergonomics. 2013;56(12):1940–1944. doi:10.1080/00140139.2013.84074
  • Aprende a tomarte el pulso | CardioSalud. (n.d.). Retrieved September 14, 2019, from http://www.cardiosalud.org/corazon-y-salud/aprende-tomarte-el-pulso
  • Ghasemzadeh N, Zafari AM. A brief journey into the history of the arterial pulse. Cardiol Res Pract. 2011;2011:164832. doi:10.4061/2011/164832