Agulhamento seco: o que é e quando é recomendado?

Devido ao aumento dos problemas musculares na população, inúmeros estudos concordam a respeito da importância de estudar novas formas de melhorar a nossa saúde nesse sentido. Uma delas é a aplicação do agulhamento seco.
Agulhamento seco: o que é e quando é recomendado?

Última atualização: 04 Fevereiro, 2021

Dentro da fisioterapia, existem muitas opções para tratar doenças em nosso corpo. Ao longo da história, surgiram técnicas novas e inovadoras, como é o caso do agulhamento seco.

O agulhamento seco é uma técnica baseada em evidências para melhorar a dor muscular. A seguir, você aprenderá mais sobre esta nova terapia, bem como sua utilidade como tratamento para inúmeros problemas musculares.

Para entender em que consiste o agulhamento seco e como ele funciona, antes de continuar devemos esclarecer dois conceitos: ponto-gatilho e dor miofascial.

O que é um ponto-gatilho?

Estamos falando de pontos hiperirritáveis ​​dentro de uma faixa estreita de um determinado músculo. Esta faixa tensa é um grupo de fibras musculares que apresentam uma tensão anormal, formando uma faixa de alta consistência. É o que costumamos chamar de contratura.

Essa parte fica dolorida e seu ponto-gatilho é um nódulo que, à palpação, gera uma dor muito aguda que faz com que a pessoa se contraia. Além disso, essa dor se irradia para outras áreas que não incluem o ponto-gatilho; isso é o que se denomina dor referida ou irradiada. Pode ser acompanhada por disfunção motora e fenômenos como tontura e náusea.

Os pontos-gatilho de um músculo geralmente irradiam para certas áreas que dão uma pista para os fisioterapeutas saberem onde está a origem do problema. Por exemplo, as dores de cabeça podem surgir de um ponto-gatilho localizado em músculos como o trapézio superior, o levantador da escápula e o esternocleidomastoideo.

Vemos, portanto, que a dor pode não ter nada a ver com a área onde se origina. Os pontos-gatilho podem ser ativos ou latentes. Um ponto-gatilho ativo significa que ele irradia dor para outras áreas; por outro lado, se estiver latente, significa que não irradia dor.

Os pontos-gatilho podem ser ativados por sobrecargas musculares agudas ou crônicas, trauma direto e resfriamento. O fator desencadeante mais frequente costuma ser a sobrecarga crônica por problemas posturais. 

Mulher com dor lombar

O que é a dor miofascial?

A dor miofascial é um processo muscular regional que pode ser agudo ou crônico. É incapacitante e muito comum na população, mas geralmente é desconhecida. Não é acompanhada de alterações em exames de imagem ou de análise, portanto, é subdiagnosticada e subtratada.

Ela é definida por uma série de sintomas causados ​​por um ponto-gatilho:

  • Sintomas sensíveis: há uma alteração na sensação do toque. Por exemplo, se formos atingidos por algo que normalmente não dói, vamos sentir mais dor. Além disso, notaremos a dor explicada acima.
  • Sintomas motores: diminuição da força, dificuldade para mover o músculo afetado, etc.
  • Sintomas autonômicos: rinite, lacrimejamento, salivação, mudanças de temperatura, sudorese, piloereção (arrepios na pele), tontura, náusea e vermelhidão na pele.

Poderíamos dizer que a dor miofascial tem três componentes:

  • Uma faixa palpável contraída no músculo esquelético afetado ou contratura.
  • Um ponto-gatilho.
  • Um padrão característico de dor referida: aquele ponto-gatilho irradia a dor para uma área característica.

O que é o agulhamento seco e para que serve?

O agulhamento seco é uma técnica fisioterapêutica utilizada principalmente para a chamada dor miofascial. Assim que encontrarmos o ponto-gatilho que causa a dor miofascial, ele deve ser desativado com a ajuda de uma agulha. Esta agulha é semelhante à agulha de acupuntura, mas é mais longa para conseguir atingir o músculo.

Todo o processo exige a limpeza da área e que o fisioterapeuta use luvas, desinfetante e gaze, já que o agulhamento seco é uma técnica semi-invasiva porque atravessa a pele do paciente. Além disso, as agulhas vêm em embalagens unitárias e não são reutilizáveis.

A agulha é inserida no ponto-gatilho sem anestésico e se move de dentro para fora até que um espasmo local seja alcançado, ou seja, uma contração involuntária do músculo. Isso é feito sem realmente puxar a agulha da pele.

A punção do músculo estimula o receptor muscular produzindo um relaxamento após o espasmo e um aumento da elasticidade e diminuição da dor na região.

Agulhamento seco e acupuntura são a mesma coisa?

Agulhamento seco é uma técnica científica em que o músculo é picado para controlar a dor miofascial. Dura entre 2 e 5 minutos, pode ser doloroso e só é realizado por fisioterapeutas treinados.

Por outro lado, a acupuntura é baseada na medicina tradicional chinesa e os pontos de energia são trabalhados em um nível superficial, sem entrar em contato com o músculo. A duração é de cerca de 20 minutos, não é dolorosa, trata uma infinidade de doenças e pode ser realizada por qualquer terapeuta.

Agulhamento seco

Riscos do agulhamento seco

Embora os riscos do agulhamento seco sejam mínimos, existem alguns. No entanto, a maioria deles é evitável se as precauções correspondentes forem tomadas e se a técnica for realizada por um fisioterapeuta experiente:

  • A agulha atravessa a pele e entra no músculo; entre eles, pode haver pequenos vasos sanguíneos. O risco mais comum do agulhamento seco é perfurar um vaso e causar um pequeno hematoma, que dura cerca de um dia. Esse risco é mais comum em pacientes anticoagulados, que apresentam sangue mais fino.
  • Outra coisa que pode ser pinçada no caminho para o músculo é um ramo de nervo. Isso pode causar um formigamento que cessa brevemente.
  • Outro risco menos comum é a ocorrência de tontura durante o procedimento, que é tecnicamente chamado de resposta vaso-vagal.
  • São poucos os casos relatados, mas se o fisioterapeuta não tiver muita experiência nessa técnica nos músculos peitorais, pode levar ao pneumotórax.
  • Edema muscular ou mioedema.
  • Dermatite pós-punção: reação cutânea na área da punção.
  • Risco de infecção se medidas de limpeza adequadas não forem aplicadas na área, ou se o fisioterapeuta não tiver usado luvas ou agulhas esterilizadas.
  • Após a aplicação da agulha seca, podemos ficar com uma sensação semelhante à de uma massagem muito intensa com uma leve rigidez. Essas sensações diminuem após 1 ou 2 dias.

Contraindicações do agulhamento seco

A maioria das contraindicações é relativa. Entre elas, podemos encontrar:

  • Medo intransponível de agulhas .
  • Problemas de coagulação e tratamento anticoagulante: risco de sangramento.
  • Pessoas com sistema imunológico fraco: risco de infecções.
  • Pessoas linfadenectomizadas: risco de linfedema. Isso significa que a área onde o agulhamento é feito pode ficar cheia de líquido que não pode ser filtrado porque os gânglios linfáticos foram removidos.
  • Hipotireoidismorisco de mioedema ou inflamação do músculo.

O agulhamento seco é eficaz?

De acordo com várias análises de estudos, o agulhamento seco é eficaz para:

  • Reduzir a dor subjetiva e objetiva, tanto localmente quanto na área de dor referida, e a dor diante da pressão dos pontos-gatilho.
  • Também apresenta uma melhora na mobilidade das articulações relacionadas ao músculo que abriga o ponto-gatilho.
  • Não há evidências suficientes, mas há indícios de que o agulhamento seco pode melhorar a depressão em pacientes com MFS.

Além disso, foi observado que a eficácia do agulhamento seco pode ser afetada por outros fatores nos pacientes, como dor prolongada, falta de sono ou trabalho repetitivo do músculo.

Pode interessar a você...
5 sintomas precoces da fibromialgia
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
5 sintomas precoces da fibromialgia

Dores crônicas e variações de humor são apenas dois sinais de que você pode estar doente. Veja quais são os sintomas precoces da fibromialgia.



  • Mayoral-del-Moral, O., & Torres-Lacomba, M. (2009). Fisioterapia invasiva y punción seca. Informe sobre la eficacia de la punción seca en el tratamiento del síndrome de dolor miofascial y sobre su uso en Fisioterapia. Cuest. Fisioter.
  • Fernández de las Peñas, C., & Dommerholt, J. (2013). Punción seca de los puntos gatillo. Una estrategia clínica basada en la evidencia. In Punción seca de los puntos gatillo. https://doi.org/10.1016/B978-84-9022-387-1.00010-3
  • Mayoral del Moral, Orlando; Salvat, I. (2017). Fisioterapia invasiva del síndrome de Dolor Miofascial. Manual de punción seca de puntos gatillo. In Fisioterapia invasiva del síndrome de Dolor Miofascial. Manual de punción seca de puntos gatillo.
  • “EVIDENCIA DE LA PUNCIÓN SECA COMO TRATAMIENTO DE LOS PUNTOS GATILLO.” (n.d.).