Açúcar invertido: o que é e para que serve?

15 Novembro, 2020
Você já fez açúcar invertido em casa? A seguir, explicamos como obtê-lo e para que serve esse ingrediente tão comum em muitos rótulos de alimentos.

Entre os muitos adoçantes que podemos encontrar nos produtos industrializados, o açúcar invertido se destaca pelas suas propriedades adoçantes. Por esse motivo, vamos explicar em que consiste esse produto e como ele pode ser usado.

Apesar dos seus benefícios, o abuso do açúcar invertido não é isento de riscos. Podemos consumi-lo esporadicamente, pois ele gera um pico de insulina prejudicial ao organismo. É normal incluir produtos que o contenham na dieta de vez em quando, mas devemos evitar a sua ingestão contínua.

Como podemos obter o açúcar invertido?

Para produzir o açúcar invertido, o açúcar de mesa deve ser submetido a uma reação química chamada hidrólise. Por meio desse processo, a sacarose é decomposta em seus elementos formadores: frutose e glicose.

Esse mecanismo pode ocorrer espontaneamente, por exemplo, ao fazer uma geleia. A adição do limão à fruta e ao açúcar provoca a inversão, dando como resultado este produto. É até possível encontrá-lo na natureza, sendo característico do xarope de bordo.

Além disso, existe a possibilidade de fazer açúcar invertido em casa. Para isso, são necessárias substâncias gaseificantes, comuns em produtos de confeitaria. Estas substâncias são feitas com bicarbonato de sódio e ácido tartárico.

É necessário misturar o bicarbonato com o açúcar de mesa, aquecendo a mistura junto com a água até ferver. Em seguida, o ácido tartárico é incorporado e resfriado, obtendo-se assim o açúcar invertido.

Torta doce com sorvete
O açúcar invertido é usado na indústria de alimentos para melhorar a textura e o sabor.

Não deixe de ler: Os 12 tóxicos mais temidos em alimentos processados

Principais usos

O açúcar invertido é usado em produtos industrializados para melhorar o seu sabor. A referida substância também permite variar outras características organolépticas, como a textura. Participa dos processos de fermentação, por isso é comum incluí-lo em produtos de panificação, junto com os fermentos.

Por outro lado, o açúcar invertido é frequentemente adicionado à lista de ingredientes para retardar a secagem e o ranço dos produtos. Tem como objetivo aumentar a vida útil.

Nos produtos de sorveteria, cumpre uma função crucial. Esse ingrediente é capaz de evitar a formação de grandes cristais de gelo, o que melhora a textura do sorvete, além de facilitar a sua moldagem.

Isso também pode te interessar: 6 adoçantes para limitar o consumo de açúcar

Não deve ser consumido regularmente

Apesar do seu poder de melhorar o sabor dos alimentos, não podemos esquecer que o açúcar invertido também é um carboidrato simples. A ingestão regular desses macronutrientes está associada a um risco aumentado de doenças metabólicas, de acordo com pesquisas publicadas na Critical Reviews in Clinical Laboratory Sciences.

Além disso, o consumo de alimentos ricos em frutose pode desencadear doenças hepáticas. Há evidências científicas de que a ingestão dessa substância aumenta o risco de desenvolvimento de fígado gorduroso.

Por outro lado, o açúcar pode gerar um certo vício, segundo especialistas. Desta forma, não é recomendável incluí-lo na dieta habitual em nenhuma de suas variantes. Claro, não é necessário eliminá-lo completamente e para sempre. Podemos apreciá-lo de vez em quando.

Alternativas para o açúcar invertido

Para satisfazer a necessidade de comer doces, é preferível recorrer a alimentos que contenham uma certa quantidade de frutose na sua composição, embora acompanhados de outros nutrientes de qualidade.

Estamos nos referindo às frutas. É possível introduzi-las na dieta de muitas maneiras diferentes. O mais aconselhável é comê-las em sua forma natural, embora às vezes possam ser trituradas e consumidas na forma de mingau ou purê. Por outro lado, também podemos misturá-la com outros ingredientes para fazer produtos de confeitaria que sejam ​​saudáveis.

Dessa forma, reduzimos o impacto e o estresse pancreático associados ao consumo de açúcar de mesa. Além disso, fornecemos fitonutrientes ao organismo, com uma alta capacidade antioxidante. Não nos esqueçamos das suas vitaminas, essenciais para o bom funcionamento das células.

Frutas para uma alimentação saudável
Uma alternativa saudável à incorporação do açúcar é a frutose das frutas.

Açúcar invertido: um adoçante poderoso

Como você viu, o açúcar invertido é um ingrediente obtido do açúcar de mesa e cuja utilização se limita à fabricação de produtos industrializados.

Suas características incluem a capacidade de melhorar o sabor e a textura dos alimentos. No entanto, seu valor nutricional é baixo. Ele só consegue fornecer carboidratos de alto índice glicêmico. Essa condição é prejudicial, visto que a ingestão desses nutrientes está associada a uma degeneração da saúde a médio e longo prazo.

Isso não significa que ele não possa ser consumido de vez em quando. É possível prepará-lo em casa e adicioná-lo a bolos e doces, para torná-los mais saborosos e melhorar a sua textura.

Porém, se você gosta de doces, recomendamos priorizar o consumo de frutas antes de recorrer ao açúcar de mesa ou qualquer um de seus derivados.

  • Stanhope KL., Sugar consumption, metabolic disease and obesity: the state of the controversy. Crit Rev Clin Lab Sci, 2016.53 (1): 52-67.
  • Casado Pérez, Iker Yeray. “Hidratos de carbono: salud y medioambiente.” (2020).
  • Horst KW., Serlie MJ., Fructose consumption, lipogenesis, and non alcoholic fatty liver disease. Nutrients, 2017.
  • DiNicolantonio JJ., O’Keefe JH., Wilson WL., Sugar addiction: is it real? A narrative review. Br J Sports Med, 2018. 52 (14): 910-913.
  • Cabezas-Zabala, Claudia Constanza, Blanca Cecilia Hernández-Torres, and Melier Vargas-Zárate. “Azúcares adicionados a los alimentos: efectos en la salud y regulación mundial. Revisión de la literatura.” Revista de la Facultad de Medicina 64.2 (2016): 319-329.
  • Esquivel-Solís, Viviana, and Georgina Gómez-Salas. “Implicaciones metabólicas del consumo exesivo de fructosa.” Acta Médica Costarricense 49.4 (2007): 198-202.