8 hábitos que podem causar a depressão

Além de nos ajudar a manter a forma, o exercício físico faz com que o organismo produza endorfinas, que melhoram o nosso estado de ânimo.
8 hábitos que podem causar a depressão

Última atualização: 28 Janeiro, 2021

Você sabia que a alimentação, a prática de exercícios físicos, o contato com a natureza, a respiração ou o modo com o qual direcionamos o olhar podem influenciar, em longo prazo, em estados depressivos? Hoje falaremos sobre 8 hábitos que podem causar a depressão.

As causas para esse estado podem ser muitas, mas se tentarmos mudar alguns pequenos hábitos que influenciam na depressão, poderemos melhorar em pouco tempo.

Assim, o convidamos a conhecer quais são os hábitos que influenciam negativamente e podem levar à depressão, coisas que você talvez esteja fazendo diariamente de maneira inconsciente.

A falta de nutrientes pode causar a depressão

Mesmo que te pareça estranho, a depressão está relacionada com o sistema nervoso, e este é nutrido pelos alimentos que consumimos.

Concretamente, necessitamos diariamente de uma série de nutrientes para equilibrarmos o sistema nervoso e, portanto, evitarmos a depressão e outros transtornos. Os nutrientes são:

  • O magnésio, que pode ser encontrado nas nozes, nas verduras de folhas verdes e no abacate;
  • O triptofano, que é mais facilmente encontrado no cacau;
  • Os ácidos graxos ômega 3, encontrados nas sementes de linho;
  • A vitamina B12, contida nas sardinhas, nos ovos e nos derivados lácteos;
  • O ácido fólico, presente em frutas e verduras de folhas verdes.

Falta de nutrientes e vitaminas podem causar depressão

Alimentos prejudiciais podem causar a depressão

Em contrapartida, existem alimentos que atuam como veneno, pois roubam vitaminas e minerais de nosso organismo, nos deixam viciados, alteram o equilíbrio em nossos órgãos e contribuem para piorar o humor. Esses são:

  • Carne, quando consumida em excesso;
  • Gorduras saturadas;
  • Aspartame (adoçante artificial);
  • Conservantes e colorantes artificiais;
  • Açúcar branco e guloseimas;
  • Bebidas artificiais;
  • Álcool.

Alguns alimentos consumidos em excesso podem causar depressão

Falta de exercício pode causar a depressão

Exercitar-se é imprescindível para a vida, além disso, nos ajuda a produzir endorfinas, os hormônios da felicidade.

Muitas pessoas acreditam que a prática de exercícios é necessária apenas para perder peso, mas desde o início da existência do ser humano praticamos exercícios, antes para sobreviver e agora por uma questão estética.

Mas, em resumo, o importante é praticá-lo e, sem dúvida, no momento em que você terminar de praticar um exercício, sentirá uma grande melhora.

Olhar para baixo pode causar a depressão

Certamente alguns do leitores se surpreenderão, mas os movimentos oculares também estão relacionados com nosso humor.

Olhar para baixo é uma atitude relacionada com sentimentos negativos, por isso devemos fazer um teste e tentar olhar sempre para cima e não deixar os olhos fixos, e sim tentar olhar ao redor por onde passamos.

Esse exercício é muito simples e não custa nada tentar.

Não tratar os conflitos internos pode causar a depressão

De acordo com alguns terapeutas, na maioria dos casos de depressão é preciso buscar a origem do problema, já que geralmente existe um conflito interno e o problema é quando o paciente ignora o conflito e espera que o tempo o esconda.

Talvez, pacientes com esse tipo de problema estejam fazendo algo que não querem fazer, ou tenham um acúmulo de raiva ou tristeza contida.

Para tratar essas questões emocionais é recomendável tentar a homeopatia e os florais de Bach, já que não tem contraindicações nem efeitos secundários e pessoas de qualquer idade podem fazer uso do medicamento.

Não se esqueça da natureza

Os desequilíbrios psíquicos são cada vez mais habituais e em pessoas mais jovens. Um dos fatores que podem influenciar nisso é a falta de contato com a natureza.

A cor verde é um equilibrante natural, e os banhos de sol são imprescindíveis, principalmente quando não estamos bem.

Algumas pessoas intuitivamente sentem essa necessidade, mas na verdade, todos necessitamos desse contato. Aqueles que vivem em cidades devem, pelo menos nos finais de semana, buscar os entornos naturais para relaxar.

Robertson Nature Reserve
Contato com a natureza pode evitar a depressão

Respiração

Atualmente respiramos o necessário para sobreviver, mas cada célula de nosso organismo necessita de oxigênio, portanto, se não injetamos o oxigênio necessário no organismo, nos submetemos a uma situação de estresse.

É importante aprender a respirar corretamente, e para isso podemos realizar algum tipo de terapia (ioga, tai-chi, etc…)

A falta de contato com outras pessoas pode causar depressão

Uma pessoa com tendência a depressão costuma se isolar e evitar o contato com outras pessoas, tanto as conhecidas como as mais próximas. Por isso, deveremos lutar para recuperar esse contato, mesmo que inicialmente seja custoso.

Uma boa opção, por exemplo, é deixar que outras pessoas te apliquem massagens, seja um profissional ou um parente.

Essa alternativa pode ser mais efetiva se usarmos óleos essenciais com propriedades para aumentar o ânimo como, por exemplo, os de orégano, lavanda, camomila, bergamota, gerânio, jasmim, limão, sândalo, tangerina, cidreira, laranja, neroli, petit Grain, toranja, sálvia, verbena de limão etc.

Depois de escolher o óleo que preferir, é possível misturá-lo com seu creme hidratante e utilizá-lo diariamente.

Pode interessar a você...

Depressão pós-parto: o que é e como tratá-la
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Depressão pós-parto: o que é e como tratá-la

Embora a chegada do bebê seja um momento feliz, algumas mães experimentam uma sensação prolongada de tristeza. Como reconhecer a depressão pós-parto?



  • Bedrosian, T. A., & Nelson, R. J. (2017). Timing of light exposure affects mood and brain circuits. Translational Psychiatry, 7(1), e1017. https://doi.org/10.1038/tp.2016.262
  • Fernandes, M., Mutch, D., & Leri, F. (2017). The Relationship between Fatty Acids and Different Depression-Related Brain Regions, and Their Potential Role as Biomarkers of Response to Antidepressants. Nutrients, 9(3), 298. https://doi.org/10.3390/nu9030298
  • Ferrer-Cascales, R., Albaladejo-Blázquez, N., Ruiz-Robledillo, N., Clement-Carbonell, V., Sánchez-SanSegundo, M., & Zaragoza-Martí, A. (2019). Higher Adherence to the Mediterranean Diet is Related to More Subjective Happiness in Adolescents: The Role of Health-Related Quality of Life. Nutrients, 11(3), 698. https://doi.org/10.3390/nu11030698
  • Gómez-Juanes, R., Roca, M., Gili, M., Garcia-Campayo, J. y García-Toro, M. (2017). Estilo de vida saludable: un factor de protección minusvalorado frente a la depresión, Psiquiatría Biológica,24(3), 97-105. https://doi.org/10.1016/j.psiq.2017.10.004
  • Gradari, S., Pallé, A., McGreevy, K. R., Fontán-Lozano, Á., & Trejo, J. L. (2016). Can Exercise Make You Smarter, Happier, and Have More Neurons? A Hormetic Perspective. Frontiers in Neuroscience, 10, 93. https://doi.org/10.3389/fnins.2016.00093
  • Grav, S., Hellzèn, O., Romild, U. and Stordal, E. (2012), Association between social support and depression in the general population: the HUNT study, a cross‐sectional survey. Journal of Clinical Nursing, 21(1-2)111-120. https://doi.org/10.1111/j.1365-2702.2011.03868.x
  • Hogarth, L., Hardy, L., Mathew, A. R., & Hitsman, B. (2018). Negative mood-induced alcohol-seeking is greater in young adults who report depression symptoms, drinking to cope, and subjective reactivity. Experimental and Clinical Psychopharmacology, 26(2), 138–146. https://doi.org/10.1037/pha0000177
  • Ju, S., & Park, Y. K. (2019). Low fruit and vegetable intake is associated with depression among Korean adults in data from the 2014 Korea National Health and Nutrition Examination Survey. Journal of Health, Population and Nutrition, 38(1), 39. https://doi.org/10.1186/s41043-019-0204-2
  • Knüppel, A., Shipley, M. J., Llewellyn, C. H., & Brunner, E. J. (2017). Sugar intake from sweet food and beverages, common mental disorder and depression: prospective findings from the Whitehall II study. Scientific Reports, 7(1), 6287. https://doi.org/10.1038/s41598-017-05649-7
  • Mammen, G. and Faulkner, G. (2013). Physical activity and the prevention of depression: a systematic review of prospective studies. American Journal of Preventive Medicine, 45(5), 649-57. https://doi.org/10.1016/j.amepre.2013.08.001
  • Rogerson, M., Gladwell, V., Gallagher, D., & Barton, J. (2016). Influences of Green Outdoors versus Indoors Environmental Settings on Psychological and Social Outcomes of Controlled Exercise. International Journal of Environmental Research and Public Health, 13(4), 363. https://doi.org/10.3390/ijerph13040363
  • Streeter, C. C., Gerbarg, P. L., Whitfield, T. H., Owen, L., Johnston, J., Silveri, M. M. et al. (2017). Treatment of Major Depressive Disorder with Iyengar Yoga and Coherent Breathing: A Randomized Controlled Dosing Study. The Journal of Alternative and Complementary Medicine, 23(3), 201–207. https://doi.org/10.1089/acm.2016.0140
  • Tarleton, E. K., Kennedy, A. G., Rose, G. L., Crocker, A., & Littenberg, B. (2019). The Association between Serum Magnesium Levels and Depression in an Adult Primary Care Population. Nutrients, 11(7), 1475. https://doi.org/10.3390/nu11071475
  • Wang, J., Um, P., Dickerman, B., & Liu, J. (2018). Zinc, Magnesium, Selenium and Depression: A Review of the Evidence, Potential Mechanisms and Implications. Nutrients, 10(5), 584. https://doi.org/10.3390/nu10050584
  • Won, E., & Kim, Y.-K. (2016). Stress, the Autonomic Nervous System, and the Immune-kynurenine Pathway in the Etiology of Depression. Current Neuropharmacology, 14(7), 665–673. https://doi.org/10.2174/1570159×14666151208113006
  • Zhang, Y., Yang, Y., Xie, M., Ding, X., Li, H., Liu, Z., & Peng, S. (2017). Is meat consumption associated with depression? A meta-analysis of observational studies. BMC Psychiatry, 17(1), 409. https://doi.org/10.1186/s12888-017-1540-7