6 hábitos que danificam o fígado

· 28 de julho de 2014
Veja alguns hábitos comuns que podem danificar o fígado. Fique atento se você está cometendo alguns erros.

Como saber se estamos cuidando corretamente de nosso fígado? Às vezes cometemos pequenos erros ou temos hábitos de vida que não são adequados para a saúde do nosso corpo. Conheça 6 hábitos que podem danificar o fígado.

O fígado é um dos órgãos mais importantes e delicados. Ele filtra toxinas, produz a bile, transforma os carboidratos, proteínas, minerais e vitaminas.

Que tal aprender um pouco mais sobre como cuidar melhor deste órgão tão importante?

Quais aspectos podem danificar o fígado?

Nunca é demais estar informado sobre estes temas. O fígado é um órgão imprescindível para o nosso organismo, as funções que ele cumpre são essenciais para a nossa saúde.

É por isso que, caso seu funcionamento falhe, isso pode causar consequências que são percebidas de imediato. Quem nunca sofreu, por exemplo, de uma pequena inflamação?

Além do mais, no caso de já termos alguma doença hepática, precisamos saber qual o tipo de alimentação que poderá reparar o dano ou até mesmo a reduzir o acúmulo de toxinas.

Quase sempre é este acúmulo de substâncias tóxicas ou de gordura que causam o problema.

Que tal dar uma pequena olhada nesses hábitos que podem danificar o fígado? Vamos lá?

1. O colesterol elevado pode danificar o fígadoColesterol bom e ruim

O colesterol é um tipo de gordura que o fígado sintetiza, e que nosso organismo utiliza para diversos processos. O colesterol é, portanto, um elemento básico para muitos componentes de nosso corpo.

Mas ele deve estar em equilíbrio, pois se o colesterol não for utilizado, deve ser eliminado, e é o fígado que tem a função de receber estes excessos.

Deste modo, se o colesterol começar a se acumular no fígado, acabamos sofrendo com certas doenças hepáticas.

Um dos maiores exemplos é conhecido como fígado gorduroso, uma das doenças mais comuns atualmente segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde).

Evite então, carnes vermelhas, alimentos com excesso de gorduras, açúcares, gema do ovo e alimentos muito condimentados. Substitua-os por verduras, fibras, vegetais, grãos integrais, etc.

2. Dormir e acordar tarde pode danificar o fígado

Acordar tarde

Você ficou surpreso? Estamos certos que sim. Desde crianças nossos pais sempre diziam que devíamos dormir cedo, um costume que à medida que vamos crescendo vai se perdendo por gosto, ou talvez por obrigações.

A realidade é que nosso corpo foi projetado para que, em determinadas horas da noite, certos processos de desintoxicação aconteçam.

Nosso sistema linfático, por exemplo, efetua sua desintoxicação primeiro. Entre a meia noite e as duas da madrugada, o fígado realiza a sua parte.

São processos que acontecem corretamente apenas quando estamos profundamente adormecidos. Se rompermos estes ciclos naturais de nosso organismo com frequência, vamos sofrer as consequências.

Portanto, na medida do possível, tente dormir cedo e ter uma noite de descanso reparador.

3. Não urinar pela manhã pode danificar o fígado

Mulher com dor no ventre

Certamente esta informação também vai surpreendê-lo. Mas existem pessoas que se levantam com tanta pressa que nem dá tempo de ir ao banheiro.

Saem de casa pensando em tomar o café da manhã no trabalho, e só então buscar um banheiro para urinar com tranquilidade.

É um costume perigoso. Segurar a vontade de urinar não somente pode danificar o fígado, como também nossos rins. Não faça isso nunca!

Descubra: O que a cor da sua urina revela sobre sua saúde

4. Não tomar o café da manhã pode danificar o fígado

Café da manhã saudável

Quando nos levantamos pela manhã, nossas reservas energéticas de glicose estão muito baixas. É um estado que afeta nosso fígado e que o impede de obter energia para cumprir suas funções essenciais.

São muitas as pessoas que jejuam para perder peso (grande erro), ou porque têm pressa. Estas pessoas estão descuidando de um momento muito importante do dia: o café da manhã.

Não pule essa refeição, não se esqueça desta parte indispensável de sua nutrição. Seu organismo, seu fígado e seu cérebro necessitam deste aporte de energia inicial para começar bem o dia.

5. Uma má alimentação pode danificar o fígado

Fast food: pizza e hambúrguer

Às vezes é por falta de tempo, por causa do trabalho ou obrigações pessoais. É mais fácil recorrer aos fast foods ou comidas industriais, pois elas nos satisfazem e porque poupa bastante tempo.

Porém, a longo prazo, nossa saúde vai sentindo os efeitos desta alimentação pouco nutritiva, até que surge o inevitável: a doença.

O fígado é muito sensível à má alimentação. A combinação de sódio, calorias e açúcares vai provocando um aumento na pressão arterial e no colesterol, levando a um problema grave, chamado fígado gorduroso.

As disfunções hepáticas são, na maior parte do tempo, consequência de uma nutrição inadequada e cheia de gorduras, com muitos elementos nocivos que danificam o fígado.

Por isso, nunca é demais lembrar: preste atenção na sua alimentação.

6. As bebidas alcoólicas podem danificar o fígado

Copo de uísque com gelo

Leia também: 5 remédios com alcachofra para o fígado gorduroso

Já sabemos. Não existe elemento mais nocivo para o nosso fígado que o álcool, pois o fígado tem muita dificuldade de processá-lo.

O álcool danifica e impede o fígado de cumprir suas funções básicas, rompendo assim seu equilíbrio químico, destruindo suas células hepáticas e causando o fígado gorduroso, hepatite ou cirrose.

Beber uma taça de vinho por dia é recomendado e saudável, mas, pelo bem de nossa saúde, não vale a pena se exceder no consumo de álcool.

Aplique estas simples orientações para melhorar o seu estilo de vida. Não custa nada, e sua saúde vai agradecer. Cuide de seu fígado, cuide de sua vida!

  • Borges Dr. Testes hepáticos e testes de função hepática. In Gastroenterologia e Hepatologia: diagnóstico e tratamento. Mincis M, 2ª. Edição. São Paulo: Lemoseditorial; 1998. p:565-585
  • Howard C. Kutchai. Digestion and Absorpti on. In: Berne RM, Levy MN, editors. Physiology, ed
    5, Mosby, 2004; Chap.33: 594-622.