Tudo o que é preciso saber sobre parto na água

19 Dezembro, 2019
Parto na água é uma maneira eficaz de aliviar a dor da mãe durante o parto. Pelo fato de seu risco ser mínimo, é uma forma eficaz de parto natural.

Nos últimos anos testemunhamos que mais e mais mulheres preferem um nascimento diferente do tradicional. Assim, muitas mulheres grávidas decidem dar à luz em casa ou pelo parto na água.

De fato, o parto na água é uma opção que está ganhando cada vez mais espaço, embora ainda não existam muitos centros de saúde que o permitam ou tenham o equipamento necessário.

Neste artigo, convidamos você a aprender um pouco mais sobre o nascimento na água, seus benefícios e as questões a serem consideradas.

Parto na água

O parto na água proporciona maior controle às mulheres e reduz a dor.

Segundo a Federação de Parteiras da Espanha: «A imersão em água quente é um método eficaz de alívio da dor durante o parto», especialmente durante a fase tardia da primeira etapa do trabalho de parto. Consiste em dar à luz enquanto o abdômen da mulher grávida está submerso em água.

Portanto, o objetivo principal do nascimento na água é aliviar a dor. De fato, a imersão na água é considerada um tratamento não farmacológico da dor, que permite uma maior sensação de controle na mãe.

Este método foi estudado pela primeira vez no Reino Unido, concluindo que os benefícios poderiam ser tão bons que uma banheira para esse procedimento de imersão deveria ser uma opção disponível em hospitais e clínicas no país.

Infelizmente na maioria dos países essa possibilidade não está disponível. Ou seja, não existem instalações específicas disponíveis em banheiras públicas para o trabalho de parto, nem os meios necessários, como software para realizar o registro cardiotocográfico sem fio.

Como é o parto na água?

Devemos garantir material médico adequado para verificar a condição do bebê no nascimento.

Primeiro, para poder optar por esse tipo de parto é necessário o equipamento necessário, além da presença de um tocologista e parteira especializados.

  • A água no banho deve estar à uma temperatura de 37 º C. Se a temperatura for mais baixa o relaxamento pode não ser alcançado. Pelo contrário, se for superior, pode ser contraproducente. Não é recomendável que a gestante permaneça na água por mais de 90 minutos seguidos; por isso, ela deve sair e entrar novamente.
  • A água deve cobrir a barriga, ou seja, deve atingir o peito.
  • Por outro lado, o ideal é entrar na banheira quando a dilatação estiver entre 3 e 5 centímetros. No entanto, não há evidências sobre se é melhor em um momento ou em outro. A imersão é indicada para a fase de expansão. Portanto, muitas mulheres preferem não ficar submersas durante o parto.
  • O equipamento necessário deve ser mantido à mão. Ou seja, um monitor sem fio que permite verificar se o bebê está vindo bem. Se for esse o caso, o especialista pode perguntar à mãe se ela quer que o parto ocorra na água ou não.
  • Se a mãe decide permanecer submersa, não há evidências de que esse tipo de parto seja melhor do que o parto fora da água. De qualquer forma, devemos saber que o bebê respira pelo cordão umbilical até que este seja cortado. Portanto, não há perigo de que o recém-nascido possa se afogar.

Confira os: Hábitos para controlar o estresse e a depressão pós-parto

Benefícios do parto na água

Mulher em trabalho de parto

  • Maior relaxamento perineal, vaginal e cervical.
  • A mobilidade e a adaptação de posições facilitadas, que favorecem a descida fetal (agachada, de joelhos).
  • A hidroterapia pode reduzir o período de dilatação.
  • O feto se beneficia de uma mãe relaxada, pois a perfusão de oxigênio na placenta é maximizada.
  • Facilita o relaxamento também devido à falta de peso. Além disso, a vasodilatação leve que ocorre na água reduz a pressão sanguínea e aumenta o pulso materno, causando aumento da oxigenação no útero e no feto.
  • No caso do nascimento, a água favorece a transição do bebê do líquido amniótico para o mundo exterior.
  • O maior relaxamento e alívio da dor permitem, na maioria dos casos, um parto natural sem a necessidade de anestesia.

E quais são os riscos ou desvantagens?

As desvantagens são realmente poucas. Entre elas:

  • Existe um risco aumentado de hemorragia pós-parto.
  • Se houver complicações, para acessar os cuidados médicos será preciso sair da água, etc.
  • Talvez seja desconfortável entrar e sair da água

Recomendamos este artigo: Quando vem a primeira menstruação depois do parto?

Conclusões

O parto na água parece ter mais vantagens do que desvantagens. Obviamente, em qualquer caso, isso dependente de cada gravidez e se é de risco ou não ou apresentar complicações. Nesse sentido, o ginecologista será a pessoa que determinará para quem é aconselhável ou não.

Além disso, o parto na água tem um benefício a mais. Trata-se da capacidade da mãe de ser quem toma a decisão de como quer dar à luz. Isto pode fazê-la sentir mais confiança em si mesma e assim, também durante o trabalho de parto.

 

  • Elizabeth R Cluett, Ethel Burns, “Immersion in water in labour and birth”, Cochrane Database Syst Rev. 2009 Apr 15; (2): CD000111.
  • Sonia Uceira-Rey et al. “Procedimiento de inmersión en el agua para el trabajo de parto en el Hospital da Barbanza”, Matronas Prof. 2015; 16(1): 12-17
  • Richmond H, “Women’s experience of waterbirth”, Practising Midwife, 6, 26-31, 2003.