Sinais e sintomas do parto prematuro

17 de junho de 2019
Um parto prematuro é uma situação tensa, já que a vida do bebê pode correr perigo se o dia do parto tenha se adiantado. Hoje descubrirá quais sinais e sintomas alertam sobre este tipo de parto.

Como bem indicar o artigo “Fatores de risco de parto prematuro em gestantes do município Ciego de Ávila”, os partos que acontecem antes das 37 semanas são considerados prematuros. No entanto, aqueles bebês que nascem antes das 34 semanas têm um risco maior de sofrer danos e 75% destes partos terminam em morte.

Descubra no que focar para procurar o médico ante o alarme iminente de um parto prematuro.

Fatores de risco do parto prematuro

Mulher com contrações

Nem todas as mulheres correm o risco de sofrer um parto prematuro. A menos que tenham alguma queda que o provoque. Por isso, veja algumas circunstâncias nas quais podem aparecer sinais e sintomas que indiquem que o parto esteja adiantado.

  • Antecedentes de parto prematuro: se alguém na família já tenha sofrido algum parto prematuro, é necessário prestar uma atenção maior, já que há uma chance maior de que aconteça o mesmo com você.
  • Gravidez múltipla: gestar gêmeos pode aumentar o risco de que o parto se adiante. Nesses casos, requer-se um controle muito maior da mãe.
  • Peso abaixo do normal: quando as mães precisam realizar um controle de peso, é porque um peso abaixo do normal pode conduzir a um parto prematuro. Por isso, seguir as indicações do médico é indispensável.
  • Infecções urinárias: durante a gravidez é possível aparecer infecções que requerem um controle maior da mãe, já que podem provocar o nascimento prematuro do bebê.

Existem muitos outros fatores de risco pelos quais um bebê pode nascer antes do tempo. Por exemplo, se a mãe fuma, se o líquido amniótico sofre alterações de volume ou caso tenha antecedentes de hipertensão.

Talvez te interesse: A epidural reduz o risco de depressão pós-parto?

Sinais e sintomas do parto adiantado

Assim como expõe o artigo “Ameaça de parto prematuro. Ruptura prematura de membranas. Corioamnionite”, existem alguns sinais característicos de que o parto está prestes a começar e que é necessário procurar a urgência o quanto antes:

  • Perda de líquido: se a mãe nota perda de líquido, deve procurar rapidamente um médico. Isso significa que bolsa se rompeu com a consequente perda do líquido amniótico.
  • Contrações uterinas: contrações regulares e frequentes, uma a cada dez minutos.
  • Cólicas na barriga: se as contrações ainda são leves, pode-se sentir dores na barriga que podem ser confundidas com uma dor normal, principalmente, se acompanhada de diarreia.
  • Mudanças no fluxo vaginal: maior quantidade ou espessura, inclusive com mudanças na cor.

Se a mãe corre o risco de um parto adiantado, não deve ignorar estes sinais e sintomas. Inclusive, uma leve dor na parte baixa da coluna ou pressão nos genitais (como se o bebê estivesse pressionando para baixo) podem indicar um parto iminente.

Descubra ademais: Parto induzido: o que é e como é realizado

Os perigos de um parto iminente

Tratamento da hemorragia pós-parto no hospital

Nossa insistência em prestar atenção aos sintomas do parto prematuro é devida a grande taxa de mortalidade que rodeia este tipo de parto. Portanto, procurar o médico ante os primeiros sinais de alarme é indispensável para evitar este infeliz resultado.

Ainda mais, pode-se tentar prevenir alguns problemas de saúde, devido ao fato de que o desenvolvimento do bebê ainda não foi completado. Por isso, as mães que têm risco de parto adiantado devem evitar fumardescansar o suficiente e manter um peso saudável. Toda precaução será pouca.

Esperamos que este artigo tenha te permitido conhecer um pouco melhor as consequências de um parto adiantado. Além disso, caso corra o risco de sofrê-lo não ignore nenhum sintoma que mencionamos anteriormente. 

Um bebê prematuro pode ter muitos problemas caso não receba atenção médica rápida. Assim que, ante qualquer dor leve na coluna, pressão no útero ou mudanças no fluxo, procure um médico. Sempre é melhor prevenir.

  • Laterra, C., Andina, E., & Di Marco, I. (2003). Guía de prácticas clínicas. Amenaza de parto prematuro. Revista del Hospital Materno Infantil Ramón Sardá22(1).
  • Ovalle, Alfredo, Kakarieka, Elena, Rencoret, Gustavo, Fuentes, Ariel, del Río, María José, Morong, Carla, & Benítez, Pablo. (2012). Factores asociados con el parto prematuro entre 22 y 34 semanas en un hospital público de Santiago. Revista médica de Chile140(1), 19-29.
  • Pohlmann, Flávia Conceição, Kerber, Nalú Pereira da Costa, Viana, Jackeline da Silva, Carvalho, Vanessa Franco de, Costa, Carolina Coutinho, & Souza, Catharine Silva de. (2016). Parto prematuro: enfoques presentes en la producción científica nacional e internacional. Enfermería Global15(42), 386-397. Recuperado en 31 de marzo de 2019, de http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1695-61412016000200014&lng=es&tlng=es.