A epidural reduz o risco de depressão pós-parto?

· 31 de maio de 2019
A epidural não reduz em si o risco de depressão pós-parto. No entanto, a dor sentida durante o parto pode estar associada a um maior ou menor risco de sofrê-la.

A anestesia epidural pode ser muito útil no alívio da dor durante o trabalho de parto. No entanto, também pode ajudar a reduzir o risco de depressão pós-parto?

A epidural reduz o risco de depressão pós-parto?

Um estudo publicado em 2014 vinculou a anestesia peridural com a depressão pós-parto. Concluiu que apenas 14% das mulheres participantes que receberam uma epidural apresentaram depressão mais tarde. Por outro lado, 35% das mulheres que não a usaram sofreram essa condição.

Posteriormente, outro estudo de 2016 descobriu uma ligação entre a dor durante o parto e a depressão. Embora as voluntárias tenham sido apenas cerca de duzentas, a pesquisa conclui que “a anestesia peridural pode ser um importante previsor em relação ao desenvolvimento de sintomas de depressão pós-parto”.

Mãe com bebê

Em qualquer caso, as conclusões não indicam de maneira contundente que existe uma relação direta entre epidural e depressão. Na verdade, isso apenas explica que, juntamente com outros fatores, isso poderia ajudar a preveni-la. Além disso, não se trata apenas da epidural, mas, em geral, do fato de reduzir a dor durante o parto.

Finalmente, outro estudo publicado em 2018, relata que não parece haver uma relação entre a aplicação da anestesia peridural e a depressão. No entanto, este afirma que pode limitar a tristeza pós-parto.

Portanto, não parece possível estabelecer uma ligação direta entre a anestesia peridural e a manifestação, ou não, de depressão subsequente. O que é possível, é relacionar essa depressão à dor sentida durante o parto.

Recomendamos a leitura: 5 dicas para reduzir o desconforto do hipotireoidismo durante a gravidez

Diminuir a dor pode reduzir o risco de depressão pós-parto

De acordo com o exposto, é a redução da dor durante o parto que parece estar associada a um menor risco de depressão pós-parto. Por esse motivo, qualquer método que a diminua pode estar relacionado a menos possibilidades de sofrer com essa depressão.

No entanto, devemos ter em mente que existem muitos outros fatores relacionados. De fato, parece que algumas mulheres são mais propensas que outras a sofrer de depressão pós-parto:

  • Se a mulher já teve depressão pós-parto antes.
  • Existem antecedentes de depressão.
  • Situação estressante após o parto (morte de um ente querido, perda do emprego, etc.).
  • Complicações médicas (parto prematuro, por exemplo).
  • Falta de apoio emocional.
  • Abuso de drogas e álcool.
  • Sentimentos encontrados depois do parto.

Recomendamos que você leia ademais: Depressão atípica: sintomas do transtorno mais difícil de diagnosticar

Conclusão

Grávida prestes a ter o bebê

A conclusão a que podemos chegar é que não há estudos suficientes para estabelecer uma relação direta entre a aplicação da anestesia peridural e a depressão pós-parto. De fato existem muitos outros fatores que podem ou não influenciar no seu aparecimento.

O que pode ocorrer é uma relação entre a dor sentida durante o parto e a depressão subsequente. No entanto, seria apenas mais um dos fatores que podem desencadear esse processo. Dessa forma, as epidurais e outros métodos de alívio da dor podem ajudar a reduzir o risco, mas não preveni-la por si só.

Como explica o Dr. Lim, diretor de Anestesiologia Obstétrica do Hospital de Mulheres Magee da Universidade de Pittsburgh:

“Embora tenhamos encontrado uma relação entre mulheres que experimentam menos dor durante o trabalho de parto e menor risco de depressão pós-parto, não sabemos se o controle efetivo da dor através da anestesia peridural garante que seja evitada essa condição”.

De fato, o pesquisador continua afirmando que ” a depressão pós-parto pode se desenvolver a partir de vários fatores, incluindo mudanças hormonais, ajustes psicológicos à maternidade, apoio social, e o histórico dos transtornos psiquiátricos”.

Em qualquer caso devemos ter em mente que, em caso de depressão pós-parto, é importante enfrentá-la. Nesse sentido, médicos e especialistas poderão orientar a mãe para que ela possa superar o problema. Desta forma, o seu estado psicológico irá melhorar e, da mesma forma, o do bebê, e de toda a família.

 

  • Lim G et al. “Labor Analgesia as a Predictor for Reduced Postpartum Depression Scores: A Retrospective Observational Study”, Anesth Analg. 2018 May;126(5):1598-1605. doi: 10.1213/ANE.0000000000002720.
  • Oksana V. Riazanova et al. “The relationship between labor pain management, cortisol level and risk of postpartum depression development: a prospective nonrandomized observational monocentric trial”, Romanian Journal of Anaesthesia and Intensive Care 2018 Vol 25 No 2, 123-130
  • Ding, Ting et al. “Epidural Labor Analgesia Is Associated with a Decreased Risk of Postpartum Depression. A Prospective Cohort Study”, Anesthesia & Analgesia: August 2014 – Volume 119 – Issue 2 – p 383–392 doi: 10.1213/ANE.0000000000000107