Tratamento da hemorragia pós-parto

· 12 de abril de 2019
A hemorragia pós-parto é uma importante causa de morte, especialmente em países desenvolvidos. Na maioria das vezes, é evitada por meio de procedimentos profiláticos.

A hemorragia pós-parto acarreta riscos importantes para as mulheres. Além disso, continua sendo uma das principais complicações pós-parto em todo o mundo. Quais são suas causas? Como é tratada? Nesta oportunidade, queremos revisar os aspectos mais importantes desse problema.

O que é a hemorragia pós-parto?

A hemorragia pós-parto é definida como uma perda de sangue superior a 500 ml após o parto vaginal. Se for uma cesariana, considera-se 1 L de perda pós-parto. Em todo o mundo, 75% das complicações pós-parto correspondem a hemorragias.

Além disso, a hemorragia pós-parto é a principal causa de morte materna em países subdesenvolvidos. Produz, de fato, quase um terço das mortes maternas nesses países.

Um terço dos casos não possui fatores de risco ou causas identificáveis. Portanto, podemos afirmar que a hemorragia pós-parto pode ocorrer com qualquer mulher em qualquer parto. No entanto, as causas mais frequentes de hemorragia pós-parto são quatro:

  • Atonia uterina: falta de capacidade de contrair os músculos do útero.
  • Traumas ou lacerações vaginais, cervicais, entre outros.
  • Retenção de restos placentários devido a alterações no parto.
  • Alterações da coagulação.

Tratamento da hemorragia pós-parto

O tratamento oportuno das causas e a aplicação oportuna de medidas eficientes são indispensáveis ​​na prevenção das mortes maternas. Atualmente, medidas voltadas à prevenção da hemorragia pós-parto conseguiram fazer com que sua incidência não exceda a 5% nos países desenvolvidos.

Para isso, é necessário iniciar um grande número de intervenções. Estas são focadas, primeiramente, na diminuição da ocorrência e desenvolvimento de fatores de risco.

Talvez você esteja interessado: Cesárea ou parto normal?

Gerenciamento ativo da dequitadura para prevenir a hemorragia pós-parto

Dequitadura consiste na expulsão da placenta após dar a luz

A dequitadura consiste na expulsão da placenta após dar à luz. Quanto mais o útero se contrair, mais curto será esse estágio de trabalho. Também será mais eficiente: isso reduzirá o risco de hemorragia.

O manejo ativo do terceiro estágio do trabalho de parto (a dequitadura) tem se mostrado positivo quando se trata de reduzir o risco de hemorragia. Pode ser realizado em vários níveis. Primeiro, os agentes uterotônicos são geralmente administrados. Estas são substâncias que causam a contração do útero, encurtando a dequitadura.

O agente uterotônico mais comumente usado é a oxitocina. Em locais onde a oxitocina não está disponível, outras substâncias, como o misoprostol, podem ser usadas. O abdome deve ser palpado periodicamente para verificar se o útero atingiu um grau adequado de contração.

Outras medidas são o clampeamento precoce do cordão associado à tração da placenta. No entanto, a adequação dessa medida é controversa.

Descubra: Depressão pós-parto: o que é e como tratá-la

Prevenção da ruptura perineal

A área perineal é aquela que envolve os genitais e o ânus. É comum que, em partos descontrolados, o períneo rasgue, causando hemorragia. É por isso que a episiotomia seletiva é realizada. Essa técnica consiste em gerar uma pequena ruptura controlada na região perineal.

A episiotomia é eficaz na prevenção de sangramentos descontrolados. No entanto, também é benéfico quando se trata de reduzir complicações posteriores, como dor ou cicatrização complicadas.

Detecção e tratamento da anemia durante a gravidez

Quadros de anemia podem agravar muito a hemorragia pós-parto, por isso é preciso controlá-la

A anemia pode agravar muito a hemorragia pós-parto. É por isso que o diagnóstico e o tratamento da anemia também são medidas preventivas associadas ao sangramento.

A correção da anemia pode depender mais do início oportuno de suplementos do que da quantidade de suplementos. Assim, toda mulher grávida é recomendada a consumir suplementos de ferro e ácido fólico pelo menos a partir da nona semana de gestação.

Minimização da ruptura perineal no parto instrumental

Às vezes é necessário recorrer a instrumentos especiais para completar o parto. Deve-se optar, tanto quanto for possível, pelos instrumentos que podem causar menos lesões. Assim, as evidências sugerem que, quando o parto instrumental é necessário, a ventosa deve ser escolhida primeiro.

Transfusão de sangue para corrigir a hemorragia pós-parto

Uma hemorragia pós-parto leva a uma grande perda de sangue. Assim, é necessário recorrer à transfusão de sangue para recuperar o volume de sangue perdido.

Tamponamento com balão intrauterino

No caso de hemorragia pós-parto causada por atonia uterina, recomenda-se a técnica de tamponamento intrauterino com balão. Se os sintomas persistirem, a embolização da artéria uterina pode ser usada. Somente em última estância será proposta uma intervenção cirúrgica.

Resumindo…

Em conclusão, a hemorragia pós-parto é uma das complicações obstétricas que mais mortes maternas causa no mundo. Como todas as mulheres correm o risco de sofrer com isso, é importante manter o controle durante toda a gestação. Além disso, é essencial ajudá-lo em tempo hábil para melhorar seu prognóstico.

  • Cabrera Ramos, S. (2010). Hemorragia Posparto. Revista Peruana de Ginecologia Obstetricia. https://doi.org/10.1016/j.ogc.2007.06.007
  • Calle, A., Barrera, M., & Guerrero, A. (2008). Diagnóstico y manejo de la hemorragia posparto. Rev Per Ginecol Obstet.
  • Campbell OM, Graham WJ. Lancet Maternal Survival Series Steering Group.Strategies for reducing maternal mortality: getting on with what works. Lancet. 2006; 368 (9543): 1284–99.
  • Khan KS, Wojdyla D, Say L, Gülmezoglu AM, Van Look PF. WHO analysis of causes of maternal death: A systematic review. Lancet. 2006;367 (9516): 1066–74.
  • OMS. (2014). Recomendaciones de la OMS para la prevención y el tratamiento de la hemorragia posparto. Organización Mundial de la Salud. https://doi.org/http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/141472/1/9789243548500_spa.pdf
  • World Health Organization. World Health Organization multicountry survey on maternal and newborn health. Geneva: WHO; 2012