Oxitocina, o hormônio do amor

7 de janeiro de 2019
A oxitocina é conhecida por vários nomes: hormônio da maternidade, nascimento e orgasmo. Mas em que processos intervêm seus receptores?

A oxitocina foi reconhecida como o principal hormônio durante o trabalho de parto e na lactação. Além disso, sua conformação estrutural é de 9 aminoácidos: cisteína, tirosina, isoleucina, glicina, prolina, asparagina, leucina e a glicina.

Está localizada na glândula pituitária posterior e participa de diferentes processos fisiológicos.

Sua composição química é semelhante à do seu hormônio homólogo, a vasopressina. Este é encontrado na glândula pituitária anterior e tem funções diferentes.

Além disso, tal como acontece com qualquer outra substância orgânica, a oxitocina possui vários receptores que se encontram principalmente no:

Particularmente, a oxitocina possui características funcionais que a descrevem como o hormônio da maternidade, devido aos comportamentos que exerce a nível fisiológico em vários processos.

Em que ações a oxitocina media?

Reprodução

Durante o parto é liberada oxitocina

Este hormônio tem uma excelente função no sistema reprodutivo feminino, servindo adequadamente para induzir e apressar o trabalho de parto.

Normalmente o corpo libera altas quantidades de oxitocina à medida que o trabalho de parto progride. Além disso, essas quantidades são ainda maiores quando há estimulação dos mamilos pela parturiente.

Assim, estes altos níveis vão gerando contrações do miométrio, facilitando a extração fisiológica do produto da gestação.

Entretanto, no sistema reprodutor masculino, este hormônio atua diretamente sobre o tecido erétil, tanto no corpo cavernoso quanto no corpo esponjoso, que também está associado à ejaculação através do duto ejaculatório e da uretra.

De interesse: Gravidez, essa união mágica com um ser que nós amamos sem sequer conhecermos

Glândula mamária

O hormônio oxitocina induz contrações nas células mioepiteliais da glândula mamária, que intervém na extração de leite através das glândulas de Montgomery.

Além disso, sendo um tecido contrátil, a mama tem uma boa reação a este tipo de hormônio durante a ejeção na lactação, facilitando o processo de amamentação durante a estimulação na aréola pelo recém-nascido.

Sistema renal

Dor nos genitais pelas mudanças hormonais

A retenção urinária causada pelo hormônio da oxitocina está intimamente relacionada aos eventos moleculares nos ductos basolaterais do rim.

Além disso, esta antidiurese com hiponatremia sintomática é mais frequentemente observada em mulheres grávidas que foram induzidas com oxitocina durante o parto.

Trabalho de parto

As indicações e receptores da oxitocina no útero para trabalho parcial têm dependência direta, de acordo com a dose que está no corpo. Assim, nos estágios iniciais do trabalho de parto, recomenda-se que comece a dose entre 1 a 6 ml/ minuto, aumentando em um intervalo de 15 a 60 minutos.

Daí então, por fim, os receptores terão maior afinidade hormonal pela oxitocina, o que melhora as contrações para um trabalho de parto ativo.

Hemorragia pós-parto

Dor abdominal por causa de mudanças hormonais

É considerada hemorragia pós-parto ao sangramento de origem uterina, que ultrapassa os 500 ml após o parto, e se torna grave depois de exceder 1000 ml, e é geralmente vista durante partos por cesariana. Assim, causa frequente que explica esse tipo de hemorragia é a atonia uterina, que é responsável por mais de 80% dos casos.

Visite este artigo: Qual a causa dos sangramentos vaginais fora dos ciclos menstruais?

Relacionamento materno

A relação de mãe e filho começa a partir do momento em que a extração do produto da gestação do útero, gerada por síntese natural e artificial de oxitocina, é completada.

A relação entre mãe e filho é reforçada graças à oxitocina. Um fato curioso é que esta mesma substância é a que causa o esquecimento da dor que a mãe sofre especificamente durante o trabalho de parto, o que significa que você não terá medo de gestar novamente.

Efeitos colaterais do hormônio oxitocina

Fórmula química da oxitocina

Como todos os hormônios sintéticos, a oxitocina é geralmente inofensiva. Mas, pode causar alguns efeitos adversos durante a administração, que incluem:

  • Hipertensão arterial.
  • Mudanças repentinas de humor.
  • Taquicardia na mãe e no feto.
  • Contrações anormais após o parto.

Por fim, as reações adversas envolvidas na oxitocina desde quantidades moderadas a altos níveis no organismo foram observadas em pacientes estimulados, o que torna muito mais simples o processo de contrações durante o trabalho de parto e em tudo o que este implica.

  • Campos, D. C. F. D., & Graveto, J. M. G. D. N. (2010). Oxitocina e comportamento humano. Revista de Enfermagem Referência, (1), 125-130.
  • LIMA, T. F. (2012). Oxitocina: hormônio do amor. Visia, março.
  • LOPES, A. D. (2011). O segredo da paz e do amor: Os estudos com a oxitocina, a substância que rege os vínculos afetivos, comprovam a grande influência dos hormônios sobre o comportamento humano. Veja, edição, 2243, 108-114.
  • MENDES, A. (2010). Oxitocina: a química do amor. Papo Feminino, setembro.
  • YARAK, A. (2012). Oxitocina, a molécula da moral. Veja, junho.
  • López-Ramírez, C. E., Arámbula-Almanza, J., & Camarena-Pulido, E. E. (2014). Oxitocina, la hormona que todos utilizan y que pocos conocen. Ginecologia y Obstetricia de Mexico, 82(7).