Tratamentos e prevenção de actinomicose

3 de agosto de 2019
A actinomicose é uma infecção bacteriana que não é contagiosa, mas é crônica.

A actinomicose é geralmente causada por uma bactéria chamada Actinomyces israelii. É um agente infeccioso comum que normalmente está no nariz e na garganta.

Entretanto, quando penetra nos tecidos faciais devido a um trauma, a uma cirurgia ou infecção, a bactéria causa um abcesso e produz uma protuberância dura vermelho-púrpura. Frequentemente ocorre com abscessos dentários ou cirurgia oral.

A actinomicose afeta com mais frequência o rosto e o pescoço. Entretanto, a infecção às vezes também pode ocorrer no peito, abdômen, pelve ou outras áreas do corpo.

Por outro lado, a infecção também pode afetar certas mulheres que tiveram um dispositivo intra-uterino (DIU) para evitar a gravidez.

Tipos de actinomicose

A actinomicose ocorre com maior frequência em homens adultos e pode se manifestar de várias maneiras:

  • Cérvico-facial: apresenta inchaço mandibular. A origem mais frequente é geralmente a cárie dentária.
  • Torácica: a doença pulmonar é secundária à aspiração de secreções orais.
  • Abdominal: pode ser devido à ruptura da mucosa de um divertículo ou do apêndice, ou também devido a um traumatismo.
  • Uterina: aparece em mulheres que têm um DIU. Seus sintomas são corrimento vaginal e dor pélvica ou hipogástrica.
  • Generalizada: a infecção se espalha através da corrente sanguínea para numerosas áreas do corpo. Vários sintomas podem aparecer como, por exemplo, dores nas costas, dores de cabeça ou dor abdominal.

Isso também pode te interessar: 7 sintomas de uma infecção dental

Diagnóstico

Cultivo para determinar a actinomicose

O diagnóstico é confirmado pela identificação de A. israelii por microscopia e cultura do escarro, pus ou biópsia. Logo depois, exames através de imagens geralmente são feitos com base nos resultados.

As lesões podem simular proliferações malignas. Entretanto, as lesões pulmonares devem ser diferenciadas das da tuberculose e do câncer. A maioria das lesões abdominais são difíceis de diagnosticar, com exceção da laparotomia.

A doença progride lentamente. O prognóstico está diretamente relacionado ao diagnóstico precoce. Além disso, o prognóstico é mais favorável na forma cervicofacial.

Entretanto, a actinomicose piora progressivamente nas formas torácica, abdominal e generalizada, principalmente se acometer o sistema nervoso central.

Tratamento de actinomicose

Como tratar os abcessos bucais

O tratamento da actinomicose pode ser do tipo farmacológico e cirúrgico:

Tratamento farmacológico

O tratamento da actinomicose geralmente requer antibióticos por vários meses. Aliás, o tratamento com esses fármacos pode chegar a um ano.

Os antibióticos de primeira escolha são:

Antibióticos betalactâmicos do tipo penicilina, por via parenteral ou oral. No entanto, em pacientes alérgicos, pode ser usado:

  • Macrólidos: eritromicina e azitromicina.
  • Lincosaminas: clindamicina ou lincomicina.
  • Tetraciclinas.

A duração do tratamento com antibióticos deve se prolongar por 2 a 6 semanas. No entanto, nos primeiros dias pode ser parenteral e depois mudar por via oral, dependendo da evolução. Em alguns casos, pode haver tratamentos orais por mais de 12 meses.

A dose recomendada de penicilina G é de 20 milhões de unidades em 24 horas. Entretanto, nos casos de suspeita de infecção, o uso de antibióticos não é recomendado até a obtenção de uma amostra para fins de isolamento do agente causador. A terapia intravenosa é recomendada para pacientes com uma doença mais grave.

Leia também: Os riscos inerentes aos antibióticos

Tratamento cirúrgico

Para mulheres com actinomicose ginecológica ou pélvica, o procedimento cirúrgico consiste no tratamento de sintomas obstrutivos. Para fazer isso, um dreno é feito no lugar onde se localiza a infecção.

Além disso, o tratamento de complicações obstrutivas deve ser seguido por tratamento antibiótico por um período prolongado. Isto destina-se a evitar complicações graves da doença.

Nos casos de actinomicose torácica, é realizada uma drenagem e as complicações obstrutivas são tratadas. O tratamento se complementa com antibióticos. A retirada do corpo estranho através de broncoscopia é eficaz em todos os casos.

Entretanto lembre-se que a consulta ao médico é fundamental, porque somente ele poderá determinar os exames e tratamentos necessários.

  • Herrero Martínez, J. A., Gómez Gómez, J., García Vázquez, E., & Hernández Torres, A. (2014). Actinomicosis. Medicine (Spain). https://doi.org/10.1016/S0304-5412(14)70794-2

  • Marenco, E. R., Rozier, E. G., & De Crescenzo, S. (1972). Actinomicosis abdominal. Prensa Medica Argentina.

  • Faba B., R., Wolff R., M., Lobos R., G., Peña G., P., & Trujillo V., S. (2014). Actinomicosis torácica por actinomyces odontolyticus. Rev. Chil. Enferm. Respir.