Tomar chá na gravidez: tudo que você precisa saber

31 Outubro, 2020
Embora o consumo de chá seja comum, as mulheres grávidas devem estar cientes dos riscos que esse hábito pode acarretar. Contamos tudo que você precisa saber sobre as ervas usadas nessas infusões a seguir.

Tomar chá durante a gravidez é algo comum. Durante a gestação, é muito comum que ocorram alterações ou desconfortos típicos desta fase, de modo que consumir estas bebidas pode ajudar a amenizá-los.

Embora a ingestão de infusões, especialmente aquelas preparadas com plantas medicinais, seja feita há séculos, muitas das mulheres que as ingerem desconhecem os efeitos que podem ter. Portanto, antes de tomar qualquer chá, consulte e siga as orientações do seu médico.

É aconselhável tomar chá durante a gravidez?

Tomar uma xícara de chá, seja qual for, não necessariamente será prejudicial à gravidez. Deve-se entender que o simples fato de beber a infusão, de vez em quando e em certas circunstâncias, não representa um problema.

Entretanto, consumir certos tipos de chás, preparados com plantas medicinais específicas, e principalmente fazer isso em excesso ou de forma rotineira, pode ser arriscado.

De acordo com o estudo “Consumo de plantas medicinais por gestantes”, estima-se que até 55% das mulheres grávidas utilizem plantas medicinais para preparar chás ou outras infusões. A maioria delas não tem consciência dos efeitos que eles podem causar.

O que acontece durante a gravidez?

Durante a gravidez, o corpo da mulher sofre alterações temporárias com o surgimento de novas estruturas orgânicas, como a placenta. Da mesma forma, há substâncias, naturais ou sintéticas, que podem causar uma alteração nos processos fisiológicos desta fase. Portanto, é importante evitá-las.

Um fato importante é que o consumo de chá durante o primeiro trimestre da gravidez é o mais relevante. É neste período que o desenvolvimento do feto é mais sensível à influência de fatores ambientais.

Nesse sentido, a partir da segunda semana até os 3 meses de gravidez, qualquer dano relacionado a medicamentos, substâncias químicas, metabólitos de plantas medicinais ou qualquer doença, pode afetar o desenvolvimento normal do feto. Isso, junto com as propriedades dos diferentes metabólitos ativos, influencia o aparecimento de distúrbios.

Teratogênese, citotoxicidade, genotoxicidade e outros termos se referem às mudanças prejudiciais que as células dos embriões sofrem durante a sua formação. A mulher deve ficar atenta para saber quais são as substâncias que mais estão associadas a esses processos.

Assim como o álcool e o cigarro são substâncias químicas que interferem na embriogênese, as plantas medicinais também podem estar negativamente envolvidas. Portanto, o cuidado é fundamental na hora do consumo.

Ultrassom na gravidez
O primeiro trimestre da gravidez requer cuidados especiais porque o embrião está formando todos os seus órgãos.

Isso pode te interessar: 11 hábitos a serem evitados na gravidez

Que chá a gestante pode tomar durante a gravidez?

Os produtos fitoterápicos têm efeitos terapêuticos mais amplos e menos efeitos colaterais do que os sintéticos. Entretanto, isso tem contribuído para a percepção da população de que o natural é igual ao inócuo. Agora, quais são os tipos de chá que não geram complicações? Vamos mencioná-los a seguir:

  • Hortelã (Mentha spicata): usada para cólicas e é útil durante a gravidez para preparar os seios para a amamentação.
  • Erva cidreira, erva luísa (Aloysia citrodora): para queimação na boca do estômago, azia, náuseas, insônia, cólicas e desconforto digestivo.
  • Gengibre: usado no tratamento de náuseas e vômitos.
  • Alecrim: para dores de garganta, insônia e estresse.
  • Valeriana: como relaxante.
  • Melissa (Melissa officinalis): auxilia no desconforto digestivo e atua como relaxante.

Embora não sejam os únicos que podem ser tomados, já que existem muitos outros, estes são os chás consumidos ​​com mais frequência. Não existem contraindicações específicas para estas ervas e as mulheres grávidas podem tomá-las com confiança.

Chás de ervas contraindicadas

Assim como há chás que podem ser consumidos durante a gravidez, há plantas que as gestantes devem evitar. Comentaremos as mais relevantes, que são as seguintes:

  • Camomila e folhas de figo: aceleram o parto e, em doses elevadas, podem dilatar o colo do útero.
  • Poejo (Mentha pulegium): pode induzir contrações.
  • Arruda (Ruta): acelera o parto, está associada à involução uterina e inchaço e é abortiva.
  • Aloe vera: causa sangramento uterino e hemorragia, por isso também é considerado abortivo.
  • Absinto (Artemisia absinthium): ao ativar o fluxo sanguíneo uterino, pode causar abortos espontâneos.
  • Boldo (Peumus boldus): um dos princípios ativos é a tujona, cujas doses podem causar problemas de partos espontâneos.
Chá de aloe vera durante a gravidez
O aloe vera possui metabólitos ativos que, em grandes doses, podem induzir o aborto.

Leia também: É seguro consumir cafeína na gravidez?

Atenção ao tomar chá durante a gravidez

Muitos acreditam que as plantas medicinais são seguras porque as pessoas as utilizam amplamente desde os tempos antigos. Entretanto, o fato de serem naturais não garante a sua segurança.

Antes, durante e depois da gravidez ou amamentação, as mulheres que desejam tomar preparações à base de plantas devem consultar um profissional de saúde bem informado. Muitos dos efeitos das plantas ainda são desconhecidos na gestação, então, tome cuidado!

  • Macarro Ruiz D, Miguelez L, Martínez M, Martínez G, Manrique T. Fitoterapia en el embarazo y lactancia: ¿Beneficio o riesgo?.RECIEN. 2014. 1-7.
  • Pulido Acuña G, Vásquez Sepúlveda P, Gómez L. Uso de hierbas medicinales en mujeres gestantes y en lactancia en un hospital universitario de Bogotá (Colombia). 2012. 21(4);199-203.
  • Souza M, Tangerina M, Silva V, Vilegas W, Sannomiya M. Plantas medicinales abortivas utilizadas por mujeres UBS: análisis de etnofarmacología y cromatografía por CCD y CLAE. Rev. bras. plantas med. 2013;15 (4); 763-773.
  • Rev. peru. biol. 13(3): 223 – 225.
  • Macías-Peacok B, Pérez-Jackson L, Suárez-Crespo M, Fong-Domínguez C, Pupo-Perera E. Consumo de plantas medicinales por mujeres embarazadas. Rev Med Inst Mex Seguro Soc. 2009; 47 (3): 331-334.
  • Zinn, Tigua, and Ericka Beatriz. Consecuencias del consumo de infusiones de plantas medicinales en el primer trimestre de gestación. Diss. Universidad de Guayaquil. Facultad de Ciencias Médicas. Carrera de Obstetricia, 2019.
  • Carrasco, Ángeles María Márquez, Marina Rico Neto, and María de los Reyes Leo Rodríguez. “Seguridad de la toma de infusiones herbales en el embarazo: manzanilla, valeriana, tila, té y menta-poleo.”
  • Tisné, Luis, and Antropología Teosófica. “Infusiones, tisanas o té de hierbas permitidas y nocivas durante el embarazo y la lactancia.” Antropología 14.1 (2019).