Como prevenir defeitos congênitos antes da gravidez?

04 Setembro, 2020
O surgimento de defeitos congênitos na gravidez é uma situação traumática que pode ser evitada através de medidas simples. A seguir, explicaremos o que pode ser feito para iniciar uma gestação saudável.

O que você pode fazer para prevenir defeitos congênitos, as anomalias que ocorrem no embrião, feto ou bebê, enquanto se desenvolve dentro do útero? Para que cumpram a condição que os chama de congênitos, devem ser alterações presentes desde o nascimento.

A maioria deles se origina no primeiro trimestre da gravidez e pode se manifestar mais tarde ou ser detectável bem no início.

O defeito congênito pode alterar a anatomia do corpo do bebê ou o funcionamento de algum sistema ou órgão. O nível de gravidade dessas alterações é variável.

Alguns são totalmente compatíveis com a vida e não causam grandes transtornos ao ser humano depois que ele nasce. Outros são de gravidade intermediária, causando incapacidades duradouras ou exigindo tratamento crônico, incluindo cirurgias no recém-nascido.

Também existem defeitos congênitos incompatíveis com a vida, causando abortos ou a morte do recém-nascido assim que ele sai do útero.

Causas de defeitos congênitos ligadas ao DNA

Infelizmente, na maioria dos casos individuais de embriões, fetos ou recém-nascidos com anomalias congênitas, as causas são desconhecidas. No entanto, às vezes é possível identificá-las. A seguir listaremos, primeiramente, as causas conhecidas ligadas ao DNA:

  • Alterações cromossômicas: a origem é um erro nos cromossomos do óvulo ou esperma. Uma vez formado, o óvulo é constituído por um número anormal de cromossomos, um cromossomo quebrado ou localizado em outro local. Um exemplo é a Síndrome de Down.
  • Anormalidades genéticas: a origem é uma alteração de um gene específico. Erros genéticos podem ser herdados ou causados ​​por danos aos genes durante a concepção. Exemplos são acondroplasia, fibrose cística ou fenilcetonúria.
  • Causa poligênica: embora se presuma que o problema original nesses casos sejam várias alterações genéticas e cromossômicas combinadas, não há precisão para defini-las. Exemplos são espinha bífida, anencefalia, lábio leporino ou luxação congênita do quadril.

Causas externas dos defeitos congênitos

Agora vamos comentar, em segundo lugar, as causas de origem externa ao embrião ou feto que podem gerar um defeito de nascença:

  • Doenças maternas durante a gravidez: elas podem alterar a formação do embrião ou feto, causando um defeito de nascença. Mães diabéticas que não conseguem controlar a glicose no sangue, mães hipertensas que não conseguem controlar a pressão arterial ou medicamentos hipotireoidianos administrados de forma inadequada são alguns exemplos.
  • Origem ambiental: as infecções contraídas pela mãe durante a gravidez podem alterar o desenvolvimento do feto. Aqui, podemos citar rubéola, toxoplasmose, sífilis e catapora.

Medidas para prevenir defeitos congênitos

É possível planejar uma gravidez saudável. Aqui estão as etapas que uma mulher pode seguir facilmente para diminuir o risco de seu bebê ter um defeito de nascença:

  • Consumir ácido fólico: tomar 400 microgramas por dia, 30 a 90 dias antes da concepção, e continuar pelo menos ao longo do primeiro trimestre de gravidez. Isso reduz o risco de defeitos no cérebro e na coluna vertebral dos bebês. Existem alimentos naturalmente ricos nessa vitamina.

Leia também: 5 maneiras de aumentar a ingestão de ácido fólico na gravidez

Ácido fólico na gravidez

  • Evite o álcool: a indicação para a mulher grávida é não consumir álcool durante a gravidez, em qualquer trimestre. Nenhuma bebida alcoólica demonstrou ser segura para o embrião ou feto.
  • Fique longe do cigarro: o tabaco e a nicotina foram associados a partos prematuros e à fenda lábio-palatina em bebês. A mulher grávida não deve fumar, nem deve permanecer em ambientes onde outras pessoas fumam.
  • Não use drogas recreativas: cocaína, maconha e ecstasy afetam o desenvolvimento gestacional do bebê. Esses medicamentos têm sido associados a crianças nascidas com baixo peso e com defeitos anatômicos significativos, no trato urinário e no coração.
  • Dispensar medicamentos não prescritos: existem medicamentos que não têm indicação para uso em mulheres grávidas porque alteram o desenvolvimento embrionário, causando defeitos congênitos. Uma mulher grávida nunca deve se automedicar.

Talvez você possa se interessar: 7 conselhos para engravidar com mais facilidade

A importância do pré-natal

O controle médico pré-natal na gravidez, bem como as consultas anteriores à concepção dos casais que planejam ter filhos, são essenciais para prevenir defeitos congênitos. O profissional de saúde é treinado para detectar alterações a tempo, diagnosticá-las e tratá-las.

Da mesma forma, ele também é treinado para dar todos os conselhos adequados e necessários para evitar defeitos congênitos no bebê. Existem duas ações principais de um médico em relação à mulher que planeja engravidar ou que está controlando sua gravidez:

Casal em consulta pré-natal

  • Vacinar: é importante que a mulher atualize sua caderneta de vacinação no momento em que engravida e que receba as vacinas indicadas pelo médico durante a gestação.
  • Controle de patologias maternas: as doenças pré-existentes e as decorrentes da gravidez, como diabetes, hipertensão ou hipotireoidismo, devem ser controladas para que não afetem o desenvolvimento do embrião ou do feto.
  • Einstein, A., B. Podolsky, and N. Rosen, 1935, “Can quantum-mechanical description of physical reality be considered complete?”, Phys. Rev. 47, 777-780.
  • Sanfélix Gimeno G., Ferreros I., Librero J., Peiró S. Caracterización de la suplementación de folatos en el embarazo a partir de la combinación de sistemas de información sanitaria. Gaceta Sanitaria. 2012. 26:512-8.
  • Morales Peralta Estela. Birth defects in pediatric practice. Rev Cubana Pediatr  [Internet]. 2016  Mar [citado  2019  Jun  14] ;  88(1). Disponible en: http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-75312016000100002&lng=es.
  • Raoul C. Hennekam, Leslie G. Biesecker, Judith E. Allanson, Judith G. Hall, John M. Opitz, I. Karen Temple, John C. Carey, Elements of Morphology Consortium
  • Am J Med Genet A. 2013 Nov; 161A(11): 2726–2733. Published online 2013 Oct 3. doi: 10.1002/ajmg.a.36249