Dieta e alimentação em casos de fibrose cística

27 de setembro de 2019
Uma boa dieta evita a deterioração da função pulmonar e diminui o risco de infecções.

Dieta e alimentação na fibrose cística são componentes fundamentais no manejo e prognóstico dessa doença. Por isso, leia mais e saiba o porquê neste artigo.

Em certos casos de fibrose cística, é diagnosticada uma insuficiência pancreática exócrina. Isso significa que o pâncreas é incapaz de secretar as enzimas responsáveis ​​pela digestão dos lipídios da dieta.

Portanto, o estado nutricional tem papel fundamental tanto no desenvolvimento da doença quanto na qualidade de vida dos pacientes. Uma boa dieta evita a deterioração da função pulmonar e diminui o risco de infecções.

Por que ocorre desnutrição na fibrose cística?

A desnutrição é um fator de morbimortalidade e deterioração da qualidade de vida. A desnutrição na fibrose cística é motivada por um desequilíbrio entre o consumo de energia e o gasto calórico, determinado por três fatores: aumento das necessidades, diminuição da ingestão e aumento do gasto energético.

  • Gasto energético e metabolismo: o gasto energético basal (GEB) é aumentado. A doença pulmonar, juntamente com superinfecções e com o aumento do trabalho respiratório, causa o aumento do GEB.
  • Diminuição da ingestão: os pacientes com fibrose cística geralmente são propensos a complicações que limitam a ingestão alimentar por via oral, com as consequentes alterações digestivas devido à baixa ingestão calórica.
  • Perda de energia: isso ocorre devido à perda de nutrientes nas fezes devido à má digestão e má absorção, o que causa um desequilíbrio energético.
Desnutrição na fibrose cística

Leia também: Qual o papel dos carboidratos na dieta?

Recomendações sobre a alimentação na fibrose cística

Manter um estado nutricional adequado é um dos principais objetivos para garantir o crescimento adequado em casos de crianças e alcançar uma melhor qualidade de vida.

Antes de fazer as mudanças necessárias na dieta, é preciso fazer uma avaliação exaustiva dos hábitos alimentares e das medidas antropométricas. O índice de massa corporal (IMC) nas mulheres deve ser posicionado em torno aos 22 kg / m2 e nos homens, em torno aos 23 kg / m2.

A alimentação na fibrose cística será semelhante aos de uma pessoa saudável. Mas não devemos esquecer uma série de recomendações especiais:

  • Aumento da ingestão de energia: forneça entre 120-150% das necessidades de energia por idade e peso. Além disso, em caso de perda de peso, recomenda-se exceder 150%.
  • Ingestão de proteínas: é necessário fornecer 120% -150% dos requisitos de proteína recomendados por idade e peso.
  • Carboidratos: os carboidratos devem representar entre 40-45% do valor calórico total. Recomenda-se o consumo de carboidratos complexos, evitando açúcares simples para manter o controle da glicose no sangue. Além disso, se houver insuficiência respiratória, a ingestão deve ser restrita a 30%.
  • Contribuição lipídica: representam 40-45% da ingestão total. Deve-se levar em consideração que a contribuição de ácidos graxos saturados não deve exceder 10%.
  • Minerais: deve ser assegurado um suprimento adequado de minerais como, por exemplo, cálcio, zinco, ferro e sódio.
  • Vitaminas lipossolúveis: é necessário suplementar com as vitaminas A, D e E e, além disso, dependendo do analítico, com a vitamina K.
Vitaminas importantes na fibrose cística

Talvez te interesse a leitura:  Contribuições das vitaminas nas dietas

Mas, como essa série de recomendações deve ser realizada?

Recomenda-se distribuir as refeições em três pratos principais e duas ou três refeições intermediárias. É de vital importância, a fim de aumentar a contribuição energética, incluir alimentos calóricos saudáveis ​​nas receitas, como:

  • Óleos saudáveis, como o azeite de oliva extraviarem.
  • Frutos secos.
  • Peixe azul.
  • Laticínios e derivados integrais: nata, manteiga, queijos.
  • Alimentos com açúcar, como doces ou doces caseiros, sorvetes.

Suplementação

Em algumas ocasiões, a dieta é insuficiente e é necessária suplementação com leites fortificados, géis de carboidratos e/ou proteínas ou alimentação artificial (nutrição enteral ou parenteral).

Como mencionado anteriormente, há casos em que há insuficiência do pâncreas exócrino e a suplementação enzimática é necessária para a vida. Por fim, se as enzimas não são fornecidas de maneira exógena, a gordura não é digerida ou absorvida e excretada pelas fezes.

  • Alfonso Novo, L. R. (2007). Pautas nutricionales en el niño fibroquístico. Revista Cubana de Pediatría79(3), 0-0.
  • Contreras-Santiago, L. (2017). PROGRAMA DE EDUCACIÓN PARA LA SALUD DIRIGIDO A ADOLESCENTES AFECTADOS DE FIBROSIS QUÍSTICA Y SUS FAMILIAS.
  • García, M. G. (2017). Abordaje dietético-nutricional en Fibrosis Quística. Revista Española de Nutrición Humana y Dietética21, 65-66.
  • Garriga, M., Horrisberger, A., Ruiz de las Heras, A., Catalán, N., Fernández, G., Suarez, M., … & Monje, L. (2017). Guía de Práctica Clínica para el manejo nutricional de personas con Fibrosis Quística (GPC-FQ). Revista Española de Nutrición Humana y Dietética21(1), 74-97.
  • Lopez-Legarrea, P., & Martinez, J. A. (2010). Nutrición en el enfermo con fibrosis quística.
  • Olveira, Gabriel, & Olveira, Casilda. (2008). Nutrición, fibrosis quística y aparato digestivo. Nutrición Hospitalaria23(Supl. 2), 71-86. Recuperado en 19 de julio de 2019, de http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0212-16112008000600011&lng=es&tlng=es.