Tipos de sal: qual é o mais saudável?

· 8 de fevereiro de 2018
O sal é o produto de maior utilidade a nível mundial, usado em todos os lares e restaurantes. É importante conhecer os tipos de sal e descobrir qual deles é o mais saudável.

Na gastronomia, o sal é um elemento essencial para a elaboração de diversos pratos. Este produto, talvez, seja o de maior utilidade do mundo, usado em todos os lares e em cozinhas profissionais. Por isso, é importante conhecer os tipos de sal e descobrir qual deles é o mais saudável.

Tipos de sal que encontramos

1. Sal de mesa comum

Sal de mesa comum

É o sal mais utilizado. O cloreto de sódio é o seu principal componente. É extraído, principalmente, através de processos químicos, a nível industrial. No processo de elaboração, costumam ser adicionados outros minerais, como o iodo e o flúor, assim como outros aditivos e conservantes.

Se na hora de preparar os alimentos buscamos equilibrar os sabores, ou seja, para temperar as refeições, o sal comum é o tipo mais adequado.

2. Sal marinho não refinado (sal grosso)

Colher de sal grosso

É obtido através de processos naturais, como, por exemplo, evaporando a água do mar. É composto por cloro, sódio, iodo, flúor, entre outros aditivos. Entre estes componentes, o cloreto de sódio é fundamental. Tem uma cor acinzentada e confere um sabor mais intenso às refeições que o sal comum.

Este tipo de sal é muito mais saudável para o ser humano que o sal comum. É mais caro que o sal comum, já que não é tão fácil de obter. Além de saber qual é o mais saudável entre os dois, o que realmente importa é adicionar a quantidade certa nas receitas.

3. Flor de sal

Flor de sal, sal rosa do Himalaia

Este tipo de sal é adquirido das superfícies das salinas marinhas, de forma artesanal, por meio de técnicas tradicionais, no atlântico e no mediterrâneo. É utilizado pelos gourmets graças às suas propriedades gastronômicas.

É hipotônico, o que significa que, ao ser consumido não causa retenção de líquidos. Se comparado com os outros tipos de sal, é baixo em cloreto de sódio (só 92,9%) e sódio (15%). Quanto ao sabor, é menos intenso do que outros sais, já que se dissolve facilmente no paladar.

4. Sal do Himalaia

Sal rosa do Himalaia

Este é um tipo de sal originário principalmente do Paquistão e da América Latina, e não do Himalaia. Foi muito promovido pela mídia alguns anos atrás, por conter uma grande quantidade de nutrientes essenciais (84), minerais e oligoelementos. Faz bem à saúde, por isso é mais caro que os demais. Outro elemento que contribuiu para sua difusão em massa é a sua cor rosada, que o torna mais atraente.

Qual é mais saudável?

Cada tipo de sal conta com uma estratégia de marketing que afirma ser ele o mais saudável, natural e puro. Para tornar o processo de seleção mais prático, devemos seguir uma série de recomendações:

  • Todos os tipos de sal contêm cloreto de sódio como elemento essencial e, por esse motivo, devem ser consumidos com moderação.
  • O sódio está presente em muitos alimentos, por isso acredita-se que o consumo de sal pode ser desnecessário.
  • O sal é utilizado, principalmente, pelo sabor que dá aos alimentos, não pelos efeitos saudáveis que você possa ter.
  • Os sais mais nutritivos são os obtidos diretamente da natureza, através de métodos artesanais. Por exemplo, os sais de roca ou sais marinhos.
  • As estratégias de publicidade não são tão verdadeiras, sobretudo quanto aos sais mais caros. Observa-se como os interesses econômicos chegam ao mundo natural. Por esta razão, é difícil discernir se, efetivamente, um produto natural vale o seu preço ou simplesmente se trata de puro marketing.

Como é o consumo?

Para concluir, o problema não é o sal, mas a forma de consumi-lo e a proporção que se usa. É importante não abusar de seu uso, porque prejudica a nossa saúde. Seu consumo exagerado provoca doenças cardiovasculares, insuficiência renal, distúrbios gástricos, osteoporose, etc.

Por isso, é importante ter conhecimento sobre os tipos de sal e as alternativas que temos na cozinha. Dessa forma, você pode escolher o mais adequado para cada situação e saber qual é o mais prejudicial. Lembre-se de que as especiarias e as ervas aromáticas podem ser uma excelente alternativa ao uso excessivo desse ingrediente.