Sementes que não deveriam faltar em nossa cozinha

20 de março de 2015
As sementes são ricas em minerais, proteínas, vitaminas, enzimas e ácidos graxos. Se quisermos aproveitar todos os seus nutrientes, devemos consumi-las cruas. Podemos incluí-las em nossos pratos moídas ou raladas.

De acordo com algumas filosofias, sementes são vida. Para outros, podem ser tratar de um alimento com todos os nutrientes de que precisamos (se consumidas cruas).

Muitas das sementes são comestíveis e oferecem mais óleos do que os que geralmente usamos para preparar os alimentos. Nesse artigo falaremos sobre algumas sementes que nunca deveriam faltar em nossa cozinha e sobre boas formas de aproveitá-las.

O segredo está nas sementes

As sementes são fáceis de conservar e consumir, além disso, oferecem muitos nutrientes. São os alimentos mais antigos e, ao mesmo tempo, os menos usados na atualidade. Muitos mitos giram em torno do consumo de sementes, como por exemplo, que são caras.

Algumas pessoas acreditam que os únicos que comem sementes são os pássaros, mas o bom é que cada vez mais pessoas têm aproveitado suas propriedades.

Não devemos nos preocupar pelo seu tamanho tão pequeno, já que nesse espaço reduzido encontram-se minerais, proteínas, vitaminas, enzimas, ácidos graxos e muito mais.

Quase todas as sementes são aconselháveis, porém, as oleaginosas são as melhores, pois oferecem uma boa quantidade de gorduras saudáveis.

Por serem fáceis de transportar, é possível comê-las como tira-gosto para quando a fome ataca no trabalho ou em qualquer outro lugar.

A única forma aconselhável para consumi-las é quando estão cruas, já que assim pode-se obter todos os seus nutrientes. Quando molhadas se ativam ou se tornam mais fáceis de ingerir. Também pode-se comê-las moídas, em sucos, vitaminas, em pó ou como “purê“.

As melhores sementes para a nossa alimentação

Sementes de chia

Essas sementes de cor escura oferecem uma boa quantidade de minerais, vitaminas e fibras, também proteínas e antioxidantes. São perfeitas para aqueles que não comem peixe; porque oferecem mais ácidos graxos ômega 3 do que qualquer outro alimento de origem vegetal.

Reduz a dor nas articulações, protege de doenças tais como a diabetes ou as cardíacas. Além disso, ajuda a emagrecer e fornece energia. Não contém glúten e melhora as funções cerebrais, assim como protege o fígado.

chia-sementes-500x327

Semente de cânhamo

Possui cor marrom clara e contém aminoácidos (incluindo os que o corpo não pode produzir), pode ajudar a tratar doenças imunes e a tuberculose.

Tem uma boa quantidade de ácidos graxos ômega 6 e 3, assim como oferece proteínas de ótima qualidade e facilmente digeríveis.

Contém fitonutrientes para proteger o sangue, as células, os tecidos, a pele, as mitocôndrias e os órgãos.

Comer sementes de cânhamo ajuda a manter a boa saúde.

Sementes de romã

De uma cor avermelhada, é excelente fonte de antioxidantes, ajuda a proteger o corpo contra os radicais livres, que causam envelhecimento prematuro; assim como oferece oxigênio ao sangue e previne a formação de coágulo.

É rica em polifenois, que diminuem o risco de câncer e também de doenças cardíacas. É rica em vitamina C e potássio.

Ainda, contém poucas calorias, reduz o colesterol e é boa para evitar a prisão de ventre

Pode reduzir os danos nas cartilagens de pessoas com artrite e diminuir a inflamação.

roma-500x325

Semente de linhaça

De cor marrom dourado, oferece fibra dietética capaz de controlar o apetite e ajudar a perder peso. Alivia dores abdominais, é anti-inflamatória e reduz o risco de desenvolvimento de câncer.

Tem propriedades antioxidantes, promove a função intestinal e reduz o risco de acidentes cardiovasculares.

Semente de abóbora

De cor esverdeada ou amarelada, é alcalina e rica em proteínas, oferece vitamina B, ajuda a reduzir a pressão graças a um componente químico chamado L-triptofano.

Melhora o humor em geral, previne o desenvolvimento de cálculos renais e elimina parasitas, principalmente a lombriga ou a solitária.

sementes-de-abobora-Food-Thinkers

Leia também: Receita de arroz jasmim com abóbora

Semente de gergelim

De cor clara, há centenas de anos é usada como condimento. Seu óleo é resistente a ficar ranço. É uma boa fonte de cobre, manganês, cálcio, ferro, vitamina B, zinco, fósforo e fibra dietética.

A semente de gergelim contém substâncias únicas, pertencentes ao grupo de fibras que reduzem o colesterol, equilibram a pressão arterial e protegem o fígado do dano oxidativo.

Semente de girassol

É pequena e de cor branca e sua casca é escura. As sementes de girassol são uma grande fonte de vitamina E, que neutraliza os radicais livres, evitando danos no cérebro e nas células.

Além disso, reduzem o colesterol, melhoram o sistema imunológico e diminuem o risco de sofrermos de câncer. Assim como são uma grande fonte de magnésio, reduzem a asma e a pressão arterial alta, previnem as dores de cabeça e evitam derrames cerebrais.

sementes-de-girassol-01-500x500

Semente de quinoa

É de cor amarelada e redonda. Usada há milênios na América e conhecida entre civilizações muito antigas como “grão mãe”. Contém ferro, fósforo e proteínas.

Por conter muita fibra, evita a prisão de ventre e é boa para quem quer perder peso, porque confere a sensação de estômago saciado.

Além disso, pode ser consumida em vários pratos, por exemplo, em tortas, sopas, com granola, em cima do pão ou de biscoitos.

Leia mais: Razões para comer quinoa regularmente

Semente de cominho

Essas sementes são usadas desde a antiguidade e são conhecidas por seus benefícios para a saúde. Ajudam a melhorar os transtornos digestivos, são antissépticas, ricas em ferro e aumentam a energia do fígado.

Além disso, servem para aliviar os sintomas do resfriado e dores de garganta, são muito úteis para aumentar o calor no corpo e conseguem fazer com que o metabolismo seja mais eficiente.

Ainda mais, estimulam o sistema imunológico, tratam a asma e a artrite e protegem os rins.

  • Sant’Anna, L. C. (2005). Avaliação da composição química da semente de abóbora (Cucurbita pepo) e do efeito do seu consumo sobre o dano oxidativo hepático de ratos (Rattus novergicus):[dissertação].
  • Sant’Anna, L. C. (2005). Avaliação da composição química da semente de abóbora (Cucurbita pepo) e do efeito do seu consumo sobre o dano oxidativo hepático de ratos (Rattus novergicus):[dissertação].
  • VAZ, A., & JORGE, M. (2007). Cominho. Embrapa Pantanal-Fôlder/Folheto/Cartilha (INFOTECA-E).
  • Borges, J. T., Bonomo, R. C., Paula, C. D., Oliveira, L. C., & Cesário, M. C. (2010). Características físico-químicas, nutricionais e formas de consumo da quinoa (Chenopodium quinoa Willd.). Temas agrários15(1), 9-23.
  • Figueiredo, A. S., & Modesto-Filho, J. (2008). Effect of defatted sesame (Sesamum indicum L.) flour on the blood glucose level in type 2 diabetic women. Revista Brasileira de Farmacognosia18(1), 77-83.