Os riscos de adotar uma dieta rica em proteínas

2 de agosto de 2020
Se você consumir apenas proteínas de origem animal sem incluir alimentos ricos em fibras e reduzir consideravelmente a ingestão de carboidratos, poderá entrar em um estado de cetogênese.

Atualmente existem muitas tendências quando se trata de dieta. No entanto, nem todas são boas para a saúde. Muitas podem ser prejudiciais. Antes de adotá-las, conheça os riscos da dieta da proteína, um modelo baseado principalmente no consumo de alimentos como carnes e laticínios.

Assim como há quem defenda o consumo de vegetais, frutas, cereais integrais, etc., há quem prefira apostar no consumo de alimentos ricos em proteínas. O problema é que isso pode impedir um equilíbrio na dieta, dificultando a obtenção de todos os nutrientes de que o corpo precisa para desempenhar corretamente suas funções e, é claro, ser saudável.

Vamos ver mais sobre esse tema tão comum hoje em dia.

A dieta rica em proteínas: mais riscos do que benefícios

Nossa tendência é achar que uma alimentação rica em proteínas é saudável e benéfica para a nossa saúde. No entanto, a realidade é diferente. O alto consumo de alimentos ricos em proteínas pode nos afetar de várias maneiras.

Ao focar apenas no consumo de alimentos ricos em proteínas, podemos reduzir ou até eliminar o consumo de outros alimentos, cujos nutrientes são igualmente necessários para a saúde.

Carne: dieta rica em proteínas

Atualmente, há controvérsia sobre o aumento do consumo de proteínas na dieta diária e, ainda mais, se esse aumento estiver intimamente relacionado à diminuição de outros nutrientes essenciais para o funcionamento do nosso organismo, como carboidratos e fibras alimentares.

Para ter uma dieta rica em proteínas ou hiperproteica, é necessário levar em consideração alguns aspectos básicos:

Não deixe de ler: Alimentos ricos em fibras que ajudam a perder peso

Efeitos negativos e riscos da dieta da proteína

Raio-x: saúde ao manter uma dieta rica em proteínas

Um alto consumo de proteínas pode levar a uma série de efeitos negativos à saúde (que veremos a seguir). Portanto, é importante considerar quais são os riscos de optar por uma dieta rica em proteínas antes de adotá-la.

Por outro lado, é sempre aconselhável consultar isso com o médico e resolver com o profissional todas as preocupações que possam surgir.

Mais trabalho para os rins

Um dos riscos da dieta da proteína é que a saúde dos rins seja prejudicada. Especificamente, o consumo desse tipo de alimento faz com que os rins trabalhem duas vezes mais para cumprir suas funções.

Em outras palavras, quando consumimos uma quantidade excessiva de proteínas, estamos dando mais trabalho aos nossos rins (responsáveis ​​pela eliminação de resíduos do consumo de proteínas) e, se isso for mantido a longo prazo, pode ser um fator de risco para pessoas com propensão a sofrer de doenças renais.

Aumento do risco de osteopenia

Uma dieta hiperproteica pode afetar seu metabolismo e a densidade mineral óssea. A ingestão de grandes quantidades de proteína animal causa um efeito acidogênico, que promove a reabsorção óssea e a perda de cálcio.

Descubra: Alimentos vegetais ricos em cálcio

Aumento do risco de desequilíbrio nutricional

Se você decidir optar por esse tipo de dieta, deve estar ciente de que o equilíbrio nutricional de sua alimentação é essencial. Se você consumir apenas proteínas de origem animal sem incluir alimentos ricos em fibras e reduzir consideravelmente a contribuição de carboidratos, vai colocar sua saúde em risco.

Um dos principais riscos da dieta da proteína é a possibilidade de entrar em um estado de cetogênese.

Conhecer os riscos da dieta da proteína antes de adotá-la

Leguminosas: alternativa para dieta rica em proteínas

  • Certifique-se de que seu estado de saúde geral seja bom.
  • Escolha queijos e laticínios semidesnatados ou desnatados, de preferência.
  • Evite o consumo de proteínas processadas (embutidos, enlatados, entre outros).
  • Mantenha uma boa hidratação (certifique-se de consumir água suficiente ao longo do dia).
  • Consuma proteínas de origem animal e vegetal (legumes, verduras e frutos secos).

Em resumo, antes de iniciar uma dieta hiperproteica, consulte seu médico e siga as orientações do profissional. Por outro lado, não ignore os dados comentados anteriormente para não colocar sua saúde em risco. Lembre-se de que, por mais atraentes que essas dietas possam parecer do ponto de vista publicitário, na verdade elas não trazem tantos benefícios quanto pretendem que você acredite.

  • Carter JD, Vasey FB, Valeriano J. The effect of a low-carbohydrate diet on bone turnover. Osteoporos Int. 2006;17:1398-403
  • Bilsborough S, Mann N. A Review of Issues of Dietary Protein Intake in Humans. International Journal of Sport Nutrition and Exercise Metabolism. 2006; 16(2): 129-152.
  • López-Luzardo M. Las dietas hiperproteicas y sus consecuencias metabólicas. Anales Venezolanos de Nutrición. 2009; 22(2): 95-104