Queimaduras com vapor e água quente: tratamentos e recomendações

O contato com vapor e água quente pode causar queimaduras de vários graus. Quando consultar um médico? O que fazer para evitar complicações? Descubra a seguir.
Queimaduras com vapor e água quente: tratamentos e recomendações

Última atualização: 02 Maio, 2021

Queimaduras com vapor e água quente, também chamadas de “escaldaduras", são um dos acidentes mais comuns em casa. À primeira vista, parecem não afetar muito o tecido; no entanto, podem causar sérios danos. Por isso, é fundamental conhecer o seu tratamento.

Quando pensamos em queimaduras, a primeira coisa que vem à mente são as provocadas pelo fogo. No entanto, como afirma o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), de todos os pacientes hospitalizados por causa dessas lesões nos Estados Unidos, entre 33% e 58% são resultado de escaldaduras.

Em termos gerais, existem diferentes tipos de queimaduras de acordo com a sua profundidade. Nesse sentido, podem variar do primeiro ao terceiro grau, sendo este último o nível mais grave, porque pode afetar tecidos profundos como músculos e nervos.

Como ocorrem as queimaduras com vapor e água quente?

A maioria das queimaduras ocorre em casa durante o desempenho de algumas tarefas diárias. Quando a água atinge o ponto de ebulição, ela se transforma em vapor. Nesse processo, as partículas tornam-se menores, mas mantêm a temperatura em torno de 100 °C.

Portanto, tanto a água quente quanto o vapor são capazes de causar queimaduras muito graves. Na verdade, segundo a Associação Espanhola de Pediatria, a água quente a 60 °C pode causar uma queimadura de terceiro grau em uma criança em apenas 3 segundos.

As queimaduras ocorrem com frequência durante o cozimento dos alimentos. Em particular, ocorrem ao manusear objetos do dia a dia, como chaleiras, panelas a vapor ou panelas de pressão. Quando a água se transforma em vapor, ela expande a área que ocupa, e isso faz com que saia com uma certa pressão do recipiente que a contém. Consequentemente, o dano gerado no tecido aumenta.

O CDC detalha que as áreas do corpo mais afetadas por escaldaduras são os braços e as mãos, com incidência de 42%, enquanto em segundo lugar estão os pés e as pernas. Isso está relacionado ao mecanismo de produção, uma vez que elas podem ser causadas pelo derramamento de líquidos quentes.

As queimaduras com vapor são comuns quando cozinhamos
Na maioria dos casos, ocorrem queimaduras com vapor e água quente na cozinha durante o preparo dos alimentos.

Sintomas de queimaduras com vapor e água quente

Os sintomas desencadeados por este tipo de queimadura podem variar de acordo com a profundidade da mesma. Em todos os casos haverá dor ou queimação na área afetada, pois ocorrerá um dano direto no tecido que entrou em contato com a água ou o vapor.

Quando existe uma queimadura de primeiro grau, além do ardor correspondente, haverá vermelhidão da área afetada e possível inchaço. Nestes casos, apenas a camada superficial da pele é afetada; portanto, a situação é simples.

Por outro lado, se água quente ou vapor causou uma queimadura de segundo grau, bolhas ou feridas aparecerão na área afetada. Isso porque o calor penetra nas camadas mais profundas da pele e a sua separação ocorre como um mecanismo de defesa do organismo.

Finalmente, nas queimaduras de terceiro grau, aparecem bolhas e áreas onde o tecido profundo está exposto. Além disso, pode haver uma limitação funcional da área afetada devido a danos nas fibras nervosas.

Não deixe de ler: Furar as bolhas faz mal?

Primeiros socorros para queimaduras com vapor e água quente

Devido à frequência das queimaduras com vapor e água quente, é fundamental saber quais são os primeiros socorros e o que fazer quando elas ocorrerem. Tomar as medidas adequadas imediatamente pode limitar os danos sofridos e prevenir complicações. O que devemos ter em mente?

Afastar a pessoa da fonte de calor

A primeira coisa a fazer antes de qualquer tipo de queimadura é retirar a pessoa da fonte de calor e colocá-la em local seguro. Isso evitará que áreas que ainda não foram afetadas sejam feridas.

Resfriar a ferida e remover qualquer roupa que esteja em contato

Assim que a pessoa estiver segura, a ferida deve ser resfriada. Para fazer isso, é melhor mergulhar a área afetada em água morna por 20 minutos. Isso esfriará o tecido e evitará que a queimadura progrida. Nunca se deve aplicar gelo, pois o frio pode causar mais danos.

Após o resfriamento da ferida, deve-se retirar qualquer roupa ou joia que estiver em contato com a área afetada. Nesse caso, geralmente é melhor cortar a roupa para evitar danos. Se por algum motivo a roupa aderir à pele, não devemos retirá-la.

Cobrir a área afetada

Após a retirada de todas as peças de roupa, é aconselhável umedecer uma gaze ou pano esterilizado e cobrir a superfície afetada. Se a área queimada não for muito extensa, pode-se fazer um curativo que não comprima tanto o membro para dar mais proteção.

Nesse ponto, se a dor for forte, pode-se administrar analgésicos como paracetamol ou ibuprofeno para reduzi-la. Quando se trata de queimaduras extensas, a temperatura corporal pode cair. Por isso, é necessário tentar mantê-la dentro dos valores normais.

Não estourar as bolhas ou aplicar substâncias na queimadura

Sob nenhuma circunstância se deve estourar ou furar as bolhas que aparecerem. Se for necessário, somente o pessoal médico deve realizar este procedimento. Ao drenar as bolhas, existe um alto risco de infecção e complicações de lesões.

Por outro lado, não é aconselhável aplicar creme dental, café, manteiga ou qualquer outra substância na área afetada, pois também pode causar infecção bacteriana. Somente o médico poderá indicar a aplicação de cremes e pomadas.

Quando ir ao médico?

Na maioria dos casos, as queimaduras com vapor e água quente são de primeiro ou segundo grau, portanto, geralmente não é necessária assistência médica. Nestes casos, seguir as recomendações mencionadas acima é suficiente para obter uma recuperação bem-sucedida.

No entanto, você deve consultar um médico imediatamente se a área afetada for muito grande ou se for uma queimadura de terceiro grau. Essas queimaduras são graves, especialmente em crianças, e podem colocar em risco a vida de uma pessoa.

Outras situações em que você deve consultar um médico em caso de queimaduras são as seguintes:

  • Aumento da dor, vermelhidão ou inflamação.
  • Febre superior a 38 °C.
  • Presença de líquido purulento na ferida.
  • Difícil cicatrização de feridas.
  • Se houver consequências para olhos ou para o trato respiratório.

Vários estudos mostram que entre 30% e 40% dos pacientes com escaldaduras têm menos de 15 anos. Nestes casos, é necessário ligar para o pronto-socorro, pois as crianças tendem a ser menos resistentes a esse tipo de lesão e as queimaduras podem ter mais consequências negativas do que nos adultos.

Cuidados depois de uma queimadura
Na maioria dos casos, as queimaduras de vapor e água quente melhoram sem a necessidade de assistência médica. No entanto, se forem graves, é necessário se consultar imediatamente.

Cuidado com as crianças

Infelizmente, as crianças estão entre as mais afetadas pelas queimaduras de vapor e água quente. O motivo disso pode ser pela natureza curiosa delas. Nesse sentido, é de vital importância mantê-las fora da cozinha, principalmente durante a preparação dos alimentos. Este simples ato pode prevenir um grande número de acidentes.

Além disso, é aconselhável ter cuidado ao dar banho nas crianças e cuidar para que a temperatura da água não ultrapasse 50 °C. É importante lembrar que a pele das crianças é muito mais sensível e propensa a lesões graves, mesmo durante curtos períodos de exposição.

Pode interessar a você...
Queimaduras em crianças: como agir
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Queimaduras em crianças: como agir

Como agir quando se trata de queimaduras em crianças? Além de ter um armário de remédios em casa, existem certas etapas a serem seguidas. Confira.



  • Schroeder T, Irish C, Annest J, Haileysus T, et al. Nonfatal Scald-Related Burns Among Adults Aged ≥65 Years — United States, 2001–2006. Morbidity and Mortality Weekly Report. 2009;58(36):993-996.
  • Echeverría Miranda M, Salas Salas E. Manejo de quemaduras en población pediátrica. Revista Médica Sinergia. 2020;5(11):e602.
  • Viñas Díaz J, Rodríguez J, González Rodríguez M. Epidemiología de las lesiones por quemaduras. Revista de Ciencias Médicas. 2009;13(4):40-48.
  • Belmonte Torras J, Marín de la Cruz D, Gornés Benajam M, Gubern Pi L, Guinot Madridejos A. Quemaduras por agua caliente sanitaria. Anales de Pediatría. 2004; 61(5):413-417.
  • Saavedra R, Solís F, Domic C. Quemaduras en niños provocadas por rotura de bolsa para agua caliente. Revista Chilena de Pediatría. 2017; 88(6): 730-735.
  • scaldaduras [Internet]. Asociación Española de Pediatría. 2016. Available from: https://www.aeped.es/rss/en-familia/escaldaduras