Qualquer quantidade de álcool durante a gravidez pode prejudicar o bebê, diz estudo

Em nenhum caso é aconselhável beber álcool durante a gravidez. Não importa se são bebidas com baixo teor alcoólico. Hoje a ciência alerta que em todos os casos é muito perigoso.
Qualquer quantidade de álcool durante a gravidez pode prejudicar o bebê, diz estudo

Última atualização: 11 abril, 2022

O consumo de álcool durante a gravidez não é conveniente em nenhum caso. Um estudo recente revelou que mesmo pequenas quantidades dessa substância podem prejudicar um bebê. Na verdade, seus efeitos podem ser muito graves.

A ingestão dessas bebidas durante a gravidez leva a distúrbios do espectro alcoólico fetal. Isso engloba um conjunto de condições que causam sequelas físicas e mentais ao longo da vida.

Além disso, como expõe um artigo publicado pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, o álcool passa do sangue da mãe para o bebê através do cordão umbilical. Consequentemente, aumenta o risco de morte e abortos espontâneos.

É seguro beber álcool durante a gravidez?

Até recentemente, havia certa flexibilidade em relação ao consumo de álcool durante a gravidez. Estudos foram publicados no passado afirmando que não parecia haver nenhum efeito negativo quando as mães bebiam bebidas alcoólicas nos primeiros três meses de gravidez.

Afirmou-se também que se as bebidas com baixa concentração de álcool consumidas em pequenas quantidades, não causavam efeito sobre a saúde do bebê. Várias investigações coincidiram neste tipo de afirmações.

No entanto, nenhum desses estudos poderia afirmar categoricamente que não há riscos para o consumo de álcool durante a gravidez. As amostras estudadas eram limitadas e as metodologias nem sempre rigorosas.

Portanto, essas investigações não fornecem evidências suficientes para tomar uma decisão responsável sobre essa questão. Na dúvida, fica claro que a melhor opção é se abster. De fato, um novo estudo reafirma o que foi dito até agora, como veremos em breve.

Novos estudos dizem que não se deve beber álcool

Uma nova pesquisa, conduzida pela Universidade de Sydney e publicada no American Journal of Psychiatry, indica que beber qualquer quantidade de álcool durante a gravidez está associado a efeitos comportamentais e psicológicos em crianças.

Em outras palavras, não há bebida alcoólica que possa ser considerada “segura” nesta fase. Este é o primeiro grande estudo sobre o efeito do baixo consumo de álcool na gravidez. Ele avaliou dados de 9.719 casos para chegar a essa conclusão.

Dentro do grupo estudado, 60% das crianças foram expostas ao baixo consumo de álcool durante a gravidez, enquanto os 40% restantes vieram de mães com maior consumo. As principais conclusões a este respeito são as seguintes:

  • As crianças que foram expostas ao baixo consumo de álcool, em qualquer fase da gravidez, apresentaram mais problemas psicológicos, emocionais e comportamentais do que aquelas que não foram expostas a essa substância.
  • Houve diferença no volume cerebral em crianças expostas ao álcool durante a gravidez, em comparação com crianças não expostas.
  • Efeitos negativos foram observados mesmo em crianças que foram expostas a baixos níveis de consumo de álcool durante as primeiras sete semanas de gravidez.
  • Obviamente, quanto maior o consumo de álcool, maior o risco de efeitos negativos a longo prazo.

Possíveis efeitos do álcool durante a gravidez

A primeira coisa a ter em mente é que o álcool é um agente teratogênico. O que significa isto? Que é uma substância capaz de gerar anomalias. Em outras palavras, não apenas causa uma condição temporária, mas pode causar mudanças estruturais de longo prazo.

Há evidências suficientes de que o consumo de álcool durante a gravidez pode afetar o coração, o cérebro, o crescimento normal e as características faciais do feto. Por sua vez, aumenta o risco de desenvolver a síndrome alcoólica fetal, uma condição grave que, entre outras, pode levar às seguintes consequências:

  • Problemas neurológicos. Inclui coordenação deficiente, dificuldades de atenção, memória e aprendizagem deficientes, atrasos na linguagem e na fala, deficiência intelectual ou baixo QI, habilidades de raciocínio deficientes, etc.
  • Problemas psiquiátricos e comportamentais.
  • Problemas de visão ou audição.
  • Anormalidades cardíacas, renais ou ósseas.
  • Anormalidades ou deformidades anatômicas. Pode ser uma crista entre o nariz e o lábio superior, cabeça pequena, estatura mais baixa que o normal, baixo peso corporal, entre outros.

Por outro lado, como mencionamos, a ingestão de álcool durante a gravidez aumenta o risco de aborto espontâneo ou parto prematuro. O filho de mãe que consumiu álcool durante a gravidez deve ser cuidadosamente avaliado pelo pediatra.

Procurar ajuda é importante

Agora, o que se suspeitava há algum tempo se confirmou: “nenhum nível de álcool é seguro durante a gravidez”. Pela mesma razão, a partir do momento em que uma mulher planeja conceber um filho, ela deve parar de beber álcool.

Se uma mulher está tendo problemas para parar de beber, o correto é pedir ajuda para isso. Existem grupos como “alcoólicos anônimos” que podem ser  de grande ajuda. A consulta com um profissional também é fundamental.

O importante é ter em mente que beber esse tipo de bebida durante a gravidez é muito perigoso. Como vimos, pode ter consequências que afetam a criança por toda a vida. Portanto, sem dúvida, é necessário abandonar esse consumo.

Pode interessar a você...
O que acontece com o seu corpo ao beber álcool com o estômago vazio?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
O que acontece com o seu corpo ao beber álcool com o estômago vazio?

Você já se perguntou o que acontece no corpo depois de beber álcool com o estômago vazio? Descubra a resposta e saiba mais neste artigo.