Causas e sintomas da perda de visão

Hoje, a perda repentina da visão representa um grande problema que não deve ser ignorado de nenhuma maneira. A seguir, explicamos algumas das suas causas e sintomas mais comuns.
Causas e sintomas da perda de visão

Última atualização: 25 Abril, 2021

Sem dúvida, a capacidade de enxergar é uma das coisas mais importantes do nosso corpo. Portanto, a perda de visão representa um problema sério que muda drasticamente a vida. Você quer saber quais são as causas e sintomas desse problema? Continue lendo e nós explicaremos tudo a você.

Em primeiro lugar, qualquer um dos meios envolvidos pode ser afetado para que haja uma diminuição da acuidade visual. Nesse sentido, a cegueira parcial ou total ocorrerá quando houver um problema com a córnea, o cristalino, a retina ou o nervo óptico.

Causas de perda parcial de visão

Quando nos referimos à cegueira parcial, estamos falando daquelas pessoas que, apesar de terem diminuído consideravelmente sua acuidade visual, ainda são capazes de distinguir certas formas, luzes e sombras. Desta maneira, não há perda total do sentido da vista, mas seu uso é limitado.

Dependendo da sua origem, esse tipo de perda de visão pode ser crônica ou aguda. Vejamos as causas mais comuns de perda parcial da visão.

Olho com catarata
A catarata é uma doença relativamente comum que pode levar à cegueira.

Lesões da córnea

Qualquer lesão causada na superfície de um tecido irá gerar uma cicatriz, e a córnea não é uma exceção. Essa cicatriz elimina a transparência da córnea, o que impede que a luz alcance a retina, causando diminuição da acuidade visual.

As lesões da córnea podem ter várias origens, desde infecções graves até trauma direto. Qualquer estímulo que possa danificar as células da mesma a uma profundidade considerável será capaz de gerar cegueira parcial.

O campo visual afetado irá variar de acordo com a localização e com o tamanho da cicatriz. Nesse sentido, não existe um padrão de apresentação específico. No entanto, os seguintes sintomas podem ocorrer:

  • Visão turva: ou uma área de visão negra ou turva.
  • Dor: com coceira no olho afetado.
  • Olhos lacrimejantes.
  • Manchas vermelhas.
  • Sensação de areia: como ter algo incrustado no olho.

Catarata

Outra das causas mais comuns de cegueira parcial é a catarata. Esse problema consiste na opacidade no cristalino, que é o principal meio de refração do olho. Essa opacidade impede que a luz atinja a retina de forma adequada, gerando perda parcial da visão.

Na maioria dos casos, essa patologia aparece devido à degeneração do cristalino ou a alguma lesão que tenha sofrido. De acordo com diversos estudos, a catarata representa 47,9% das causas de perda de visão em idosos.

Entre os principais sintomas relatados por pessoas com catarata, destacam-se a visão turva, cores desbotadas e a incapacidade de ver bem à noite. Esses pacientes também relatam luzes que parecem muito brilhantes ou têm um halo ao seu redor, bem como visão dupla.

Problemas de retina

A retina é a parte do olho que transforma a luz em estímulo nervoso para o cérebro processar. Portanto, qualquer lesão pode causar perda de visão.

Na maioria dos casos, os problemas de retina são causados ​​por capilares defeituosos, que vazam fluido para o tecido. Desta forma, entre as causas mais comuns, podemos encontrar as seguintes:

Por outro lado, existe outro tipo de lesão retiniana que não está relacionada à presença de fluidos. Um exemplo disso é a degeneração macular, em que o centro da retina começa a se deteriorar, causando visão turva ou um ponto cego no campo visual.

Finalmente, várias infecções por fungos, parasitas ou bactérias podem causar lesões graves. É o caso da toxoplasmose ocular, muito comum em pessoas imunossuprimidas.

Problemas do nervo óptico

O nervo óptico é o responsável por transmitir ao cérebro todas as informações captadas pela retina, por isso também é uma parte essencial da visão. Em geral, os problemas relacionados a essa estrutura afetam um ou mais campos visuais.

Na maioria dos casos, são causados ​​por glaucoma. Esta é uma doença comum que gera um aumento da pressão intraocular que afeta o nervo. Nesse sentido, não consegue transmitir os sinais de forma adequada, dificultando a visão.

Porém, há outra série de condições que podem causar cegueira parcial afetando o nervo óptico, como é o caso da neurite óptica ou inflamação do nervo. Além disso, o efeito de eventos vasculares cerebrais (DCV) ou tumores no sistema nervoso central afetam indiretamente a visão.

É importante esclarecer que os sintomas das lesões do nervo óptico podem variar dependendo da sua etiologia. No entanto, as pessoas geralmente apresentam perda rápida da visão, saturação avermelhada em um ou mais campos visuais, visão dupla e dor ocular.

Sintomas da perda de visão
O oculista deve detectar os problemas oculares para evitar complicações.

Causas de perda total da visão

Por outro lado, temos a cegueira total. Ela ocorre quando uma pessoa não consegue distinguir entre luzes e sombras. As situações que causam a perda total da visão podem ser as mesmas que originam a cegueira parcial, porém, em um estágio mais avançado.

Trauma ou lesão grave

Quando o trauma é muito grave e atinge a córnea em sua totalidade, pode ocorrer cegueira total. Uma das causas mais comuns desses tipos de lesões são as queimaduras químicas.

No entanto, as lesões da córnea não são as únicas capazes de afetar a acuidade visual. Um trauma na cabeça ou no globo ocular, seja penetrante ou contuso, pode danificar o nervo óptico e a retina.

Descolamento retiniano completo

Mencionamos o descolamento parcial da retina como causa da cegueira parcial. Porém, se não for tratado a tempo, pode progredir e se tornar um descolamento total, impedindo a visão.

Na maioria dos casos, isso ocorre devido à presença de fluido na parte posterior da retina. Isso separará o tecido do globo ocular, interrompendo o suprimento de sangue, causando isquemia e morte da área.

Embora possa ser assintomático e indolor no início, algumas pessoas podem apresentar os seguintes sintomas:

  • Manchas na vista.
  • Luzes repentinas em todos os campos visuais.
  • Visão turva.
  • Perda abrupta da visão periférica e depois da visão central.

Retinopatia diabética em estágio final

A retinopatia diabética é uma das complicações da diabetes mellitus. Afeta os capilares da retina, que filtrarão o líquido para dentro dela favorecendo o depósito de substâncias. Além disso, alguns vasos sanguíneos saudáveis ​​podem ficar obstruídos.

Nos estágios iniciais da doença, pode ocorrer a cegueira parcial; porém, com a progressão da doença ocorrerá a perda total da visão. Isso porque, na última etapa, novos vasos sanguíneos com paredes muito finas são gerados para tentar irrigar o tecido de forma adequada. Esses novos capilares estão propensos a se romper espontaneamente e causar hemorragia retiniana.

Endoftalmite

Uma causa rara de perda de visão é a endoftalmite. É uma infecção dentro do olho e sempre deve ser considerada uma emergência médica.

Essa infecção pode ocorrer, em grande parte, pela entrada de microrganismos externos após uma cirurgia ou lesão ocular. No entanto, também pode ser causada por uma infecção séptica interna que afetou o olho.

Entre os sintomas de endoftalmite, podemos destacar:

  • Dor intensa nos olhos com vermelhidão e aparecimento de secreção amarela, branca ou purulenta no interior do globo ocular.
  • Inflamação das pálpebras.

Perda da visão por oclusão vascular

Todos os vasos sanguíneos do corpo estão sujeitos a obstrução. Quando isso ocorre com os vasos da retina ou do nervo óptico, pode haver perda de visão indolor.

Caso o vaso sanguíneo afetado seja a artéria central da retina ou a artéria do nervo óptico, haverá um fluxo sanguíneo inadequado para o tecido. Isso fará com que não haja um suprimento suficiente de oxigênio, então esses vasos podem infartar e ficar permanentemente danificados.

Por outro lado, quando a veia central da retina é afetada, não haverá drenagem sanguínea adequada. Isso causará um encharcamento, ou seja, um acúmulo excessivo de fluidos no tecido, o que levará à cegueira.

Cirurgia ocular
A cirurgia ocular pode levar à endoftalmite, que, se não for resolvida, causa cegueira.

Quando consultar um médico em caso de perda de visão?

A perda de visão, total ou parcial, sempre deve ser considerada uma emergência médica. Em muitas ocasiões, pode não ser acompanhada de dor, embora isso não indique que seja menos grave e, portanto, nunca deve ser ignorada.

Sendo assim, é imprescindível ir a um especialista o mais rápido possível para que ele possa realizar os exames relevantes e chegar a um diagnóstico preciso. Muitas das causas derivam em um dano irreversível em um curto período de tempo.

É importante esclarecer que, quando não se pode reverter a perda de visão, deve-se adaptar o estilo de vida do paciente. Felizmente, hoje existem muitas maneiras por meio das quais os deficientes visuais podem realizar suas atividades diárias sem inconvenientes.

Pode interessar a você...
Como as telas afetam a saúde ocular?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Como as telas afetam a saúde ocular?

Há muitos estudos a respeito de como as telas afetam a saúde ocular, uma vez que o uso de dispositivos eletrônicos está aumentando.



  • Boid K, Gudgel D. First Aid for Eye Scratches [Internet]. American Academy of Ophthalmology. 2019. Available from: https://www.aao.org/eye-health/tips-prevention/first-aid-eye-scratches.
  • Stuart A. When It’s Not Glaucoma [Internet]. American Academy of Ophthalmology. 2018. Available from: https://www.aao.org/eyenet/article/when-its-not-glaucoma?november-2018.
  • Jiménez, Pamela Maroto. “Degeneración macular relacionada con la edad.” Revista Médica de Costa Rica y Centroamérica 73.618 (2016): 49-51.
  • Welch Ruiz G, Cruz Blanco M, Hernández Fernández Y. Ruptura del globo ocular. Revista Cubana de Medicina Militar. 2018;47(4).
  • Mehta S. Desprendimiento de retina – Trastornos oftálmicos – Manual MSD versión para público general [Internet]. Manual MSD versión para público general. 2019.
  • La retinopatía diabética | National Eye Institute [Internet]. National Eye Institute. 2019 [cited 8 October 2020]. Available from: https://www.nei.nih.gov/learn-about-eye-health/en-espanol/la-retinopatia-diabetica.
  • Jürgens I. Obstrucciones u oclusiones arteriales y venosas de retina | ICR [Internet]. Centro Oftamológico de Barcelona – Institut Català de Retina. 2020.
  • Rivera-Garcia, Víctor H. “Característica clínico epidemiológica de las lesiones corneales por traumatismo en pacientes que acudieron a la consulta oftalmológica.” Polo del Conocimiento 2.5 (2017): 1362-1372.
  • Ortega, A. García, et al. “Neuritis ópticas desmielinizantes y autoinmunes.” Archivos de la Sociedad Española de Oftalmología (2020).
  • Lopez, Hans Israel Morales, Juan Carlos Sanchez Garcia, and Jose Alejandro Diaz Mendez. “Cataract detection techniques: A review.” IEEE Latin America Transactions 14.7 (2016): 3074-3079.
  • Sarabia, César Pineda, Xóchitl Josefina Zarco Vite, and María Luisa Ruiz Morales. “Retinopatía diabética, una complicación descuidada.” Atención Familiar 25.2 (2018): 83-85.
  • Gallardo, Diana Florencia Medina, et al. “Oclusión de la vena central de la retina en paciente con diabetes mellitus tipo 2. Reporte de caso.” Lux Médica 13.38 (2018): 37-42.
  • Nossa, Simona, Joaquin Barraquer, and Miguel Castilla Cespedes. Endoftalmitis: Diagnóstico y tratamiento en la cirugía ocular. Universitat Autònoma de Barcelona,, 2016.
  • Freire, Gabriela Mishel Bravo, Glenda Elisa Espinosa Vallejo, and Karina Marisol Vargas Bosquez. “Actualización sobre patogenia, clínica y diagnóstico del desprendimiento de retina.” Journal of America health 3.2 (2020): 117-128.