Qual é a melhor dieta para a doença celíaca

· 16 de maio de 2019
Quase três em cada quatro pessoas com doença celíaca não sabem que sofrem desse distúrbio digestivo, e não seguir uma dieta sem glúten pode prejudicar seriamente sua saúde. Saiba como identificá-la e quais alimentos você deve evitar.  

Uma dieta sem glúten é baseada na eliminação de qualquer produto que tenha como ingredientes trigo, espelta, cevada, centeio e aveia. Alguns alimentos como farinha, pão, massa ou pastelaria são geralmente feitos com estes cereais.

O que é a doença celíaca?

Não aceite pão nse tiver doença celíaca

A enteropatia sensível ao glúten ou doença celíaca é uma doença crônica do sistema digestivo de origem imune. É caracterizada por uma intolerância permanente a uma proteína chamada glúten, presente em alguns cereais como trigo, aveia, cevada ou centeio.

Em primeiro lugar, quando o paciente ingere alimentos contendo glúten o revestimento do intestino delgado é lesionado, o que reduz sua capacidade de absorver nutrientes. Sem tratamento, as pessoas afetadas por esse transtorno sofrem desnutrição e várias doenças associadas.

No entanto, nem todas as pessoas com essa doença apresentam sintomas perceptíveis e, portanto, pode passar inadvertida por muito tempo.

Leia também: Pãozinho de queijo e coco, uma receita muito simples e sem glúten

Dietas sem glúten

“Para cada caso diagnosticado com doença celíaca, entre cinco e oito ainda estão para ser diagnosticados”, estima Juan Ignacio Serrano, da Associação de Celíacos e Sensíveis ao Glúten. Agora, se adicionarmos as pessoas que decidiram remover voluntariamente o glúten, não é de surpreender que a dieta “gluten free” esteja tão no auge.

Já ficaram para trás os dias de não poder desfrutar de alguns pratos, ter dificuldades em restaurantes, encontrar poucos produtos sem glúten, com sabor muito pobre, e com um preço exorbitante.

“Seguir uma dieta sem glúten é seguir uma dieta natural e levar uma vida saudável. Porque os celíacos leem mais do ninguém os rótulos, evitam alimentos processados, e têm uma dieta de mercado”, explica Serrano.

Além de comprar pão e massas sem glúten, há muitos outros truques e padrões na cozinha para um celíaco. Aqui estão algumas dicas para cozinhar sem glúten:

1. Aposte em novas farinhas

Farinhas sem glúten

Então, quem sente falta de trigo tendo quinoa, aveia, ou trigo sarraceno? Estamos em pleno ‘boom’ das novas farinhas: de arroz, de amêndoas, de soja, de tapioca, de grão de bico, de trigo sarraceno.

Também encontramos farinhas de superalimentos como a quinoa, canihua, ou mandioca. Farinhas da moda que não podem ser melhor notícia para os celíacos. Com este ‘boom’, a dieta para celíacos não é nada complicada.

2. Use ingredientes primários sem glúten

Alimentos frescos como carne e peixe, ou frutas e verduras não contêm glúten.

Consumir produtos frescos e primários que originalmente não contêm glúten, como carne, peixe, ovos, bem como frutas e legumes é um mandamento obrigatório para celíacos.

3. Fazer seus próprios molhos e massa

Ao fazer um bechamel ou espessar qualquer molho, o ideal é usar farinha de milho peneirada, para evitar que se formem caroços. as, se você estiver procurando por pão, pode fazê-lo com flocos de batata amassada, amêndoas moídas, ou flocos de milho picados.

4. Troque a cerveja pelo vinho

Vinho sem glúten

Sem dúvida alguma, a cerveja, com ou sem álcool, contém glúten. Mas, a boa notícia é que o vinho, o vermute, e outros licores estão livres desta proteína do trigo. As bebidas alcoólicas de alta graduação, incluindo aquelas feitas de cereais, são livres de glúten.

Neste tipo de bebida o processo de destilação elimina qualquer traço de glúten. De qualquer forma, quem não quer desistir da cerveja, tem à sua disposição variedades sem glúten feitas com outros cereais.

Leia também: Você sabia que tomar uma taça de vinho por dia equivale a uma hora de exercício?

5. Não comer produtos pré-cozidos

Produtos pré-cozidos ​​e processados ​​devem sempre ser evitados. Consumir alimentos industrializados envolve assumir riscos potenciais porque, embora possa parecer que os ingredientes desse prato pré-cozido estejam livres de suspeita, o glúten pode ter sido usado como um aditivo.

Embora a lei exija especificar a origem das farinhas, amidos, féculas e sêmolas, é aconselhável evitar confusões e a contaminação cruzada. Se, apesar disso, você decidir consumi-los de vez em quando, preste atenção à rotulagem e à sua composição.

6. Trocar a madeira por novos materiais

A madeira na cozinha não é muito recomendada, nem em mesas, panelas, facas ou cutelos com cabo de madeira, pois esse material é muito poroso e pode abrigar partículas de glúten. É melhor ter utensílios feitos de metal, plástico, silicone, e outros materiais.

Finalmente, lembre-se de que as Associações Celíacas estão aí para ajudá-lo, se você tiver alguma dúvida ou problema, vá até elas. A doença celíaca pode ser controlada se evitarmos certos alimentos e levarmos um estilo de vida saudável.

 

  • Olivencia Palomar M. P.. Enfermedad celiaca. Rev. esp. enferm. dig.  [Internet]. 2005  Sep [citado  2019  Feb  07] ;  97( 9 ): 672-672. Disponible en: http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1130-01082005000900009&lng=es.
  • Kagnoff, M. Overview and Pathogenesis of Celiac Disease. Gastroenterology 2005; 128: s10-s8.
  • Murray JA, Watson T, Clearman B, Mitros F. Effect of a gluten-free diet on gastrointestinal symptoms in celiac disease. Am J Clin Nutr. 2004 Apr; 79(4):669-73.
  • Thomas T. Helping celiac disease patients adapt to a gluten-free diet. Community Nurse. 2000 Jul; 6(6):19-22.