Quais são os tratamentos para a dismenorreia?

Os tratamentos disponíveis para a dismenorreia podem ser domiciliares ou médicos. Ambos cumprem funções específicas e é importante distingui-los para saber quando cada um deles deve ser aplicado.
Quais são os tratamentos para a dismenorreia?
Leonardo Biolatto

Escrito e verificado por o médico Leonardo Biolatto.

Última atualização: 27 maio, 2022

Existem vários tratamentos para a dismenorreia que estão disponíveis com e sem receita médica. Muitas mulheres aplicam remédios caseiros para controlar esse distúrbio e acham suficiente, enquanto outras precisam de ajuda profissional.

A dismenorreia é, em termos básicos, a dor associada à menstruação. Portanto, para algumas pacientes ela se torna um desconforto repetitivo que prejudica a qualidade de vida e interrompe muitas atividades diárias.

O que é a dismenorreia?

Como já mencionamos, o termo médico “dismenorreia” refere-se à dor abdominal inferior que ocorre em algumas mulheres durante a menstruação, ou alguns dias antes dela. A intensidade é variável, e pode ser acompanhada por outros sintomas.

Há pacientes que apresentam náuseas e vômitos, enquanto outras sofrem cólicas intestinais na parte superior do abdome. Vertigem e tontura que exigem repouso não são incomuns.

A causa ainda não é clara. Foram mencionados fatores de risco que têm a ver com alterações hormonais, como ciclos irregulares. Aumentos nos níveis de prostaglandina no sangue também foram detectados em mulheres com esse transtorno.

O excesso de peso e o tabagismo são outros fatores associados que condicionam a gravidade do quadro. Não devemos esquecer a sensibilidade individual e a suscetibilidade de cada pessoa à tolerância à dor, que pode transformar um simples desconforto em um problema percebido como grave.

O que é dismenorreia?
A dismenorreia é a dor que ocorre antes ou durante o período menstrual. Ela está associada a alterações hormonais.

Tratamentos caseiros para a dismenorreia

Entre os tratamentos para a dismenorreia temos as versões domésticas ou caseiras. De fato, estes são os mais aplicados, de forma empírica, pelas mulheres que sofrem de dor.

Para muitas não é necessário usar medicamentos ou ir ao médico, pois elas se acostumam com a presença do transtorno uma vez por mês e sabem o que o alivia. Obviamente se houverem sintomas adicionais que denotam perigo, é preciso consultar um profissional.

Calor local

Uma modalidade de tratamento em casa é fornecer calor local sobre o abdome inferior e a pelve. Isso pode ser feito com compressas quentes ou almofadas especialmente projetadas para transferir energia térmica sem queimar.

Da mesma forma, um banho quente é uma opção para os dias de menstruação. Dessa forma, o calor atua como um vasodilatador geral que melhora a circulação sanguínea e mobiliza as prostaglandinas para que elas não se acumulem na região uterina.

Relaxamento e exercícios

Para algumas pacientes, um tratamento útil para a dismenorreia é a yoga ou técnicas de relaxamento semelhantes. Elas ajudam a reduzir o estresse e, assim, aumentam a tolerância à dor de forma geral.

Se a mulher é praticante assídua de esportes, alguns estudos científicos mostram um fator protetor contra a maioria das alterações do ciclo. É importante enfatizar que o exercício deve ser regular e não limitado apenas aos dias de sangramento ou às semanas anteriores.

Nutrição

Não está claro como a dieta e a nutrição influenciam no alívio da dor da dismenorreia, mas alguns nutrientes e sua potência reguladora foram especulados. O grupo das vitaminas do complexo B, especialmente B1 e B6, parecem ter um efeito protetor.

Há também pesquisas que revelam o poder dos ácidos graxos ômega-3 para diminuir a inflamação sistêmica. Por extensão, isso beneficiaria os processos de acúmulo de fluidos e células no sistema reprodutivo.

Finalmente, nesta seção nutricional, deve-se mencionar que é útil reduzir substâncias tóxicas como o álcool, da mesma forma que é conveniente limitar a ingestão de cafeína. Esta última tem um efeito discutível na percepção da dor, embora sejam necessárias mais evidências.

Tratamentos médicos para a dismenorreia

Quando uma mulher consulta um médico por causa de cólicas menstruais, uma série de métodos complementares são implementados para decifrar as causas. Se as ecografias uterinas e os painéis hormonais forem negativos, ela é classificada como uma dismenorreia idiopática, e são indicados tratamentos medicamentosos.

Dentre os medicamentos mais prescritos para tratar esse problema temos os citados a seguir:

Anti-inflamatórios não esteroides (AINEs)

Alguns medicamentos anti-inflamatórios não esteroides estão disponíveis sem receita médica, enquanto outros exigem prescrição. Eles têm diferentes potências como analgésicos, e existem até formulações específicas para cólicas menstruais, como o ácido mefenâmico.

O ibuprofeno é atualmente o mais indicado. As doses de uso são as usuais, limitadas aos dias de dor. Não existem evidências de uso preventivo antes da data menstrual.

Medicamentos para cólicas menstruais.
Os anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) são frequentemente os indicados em caso de dismenorreia. Antidepressivos ou contraceptivos orais também podem ser sugeridos.

Antidepressivos

Existem antidepressivos com poder analgésico, por vias alternativas à sua ação principal. Eles podem ser prescritos para outros distúrbios dolorosos, como neuralgia, por exemplo. No caso da dismenorreia, se o perfil da mulher estiver associado a ansiedade ou estresse, é útil avaliar essas medicações como opção em um plano geral.

Contraceptivos orais

Os hormônios nos contraceptivos hormonais orais regularizam o ciclo menstrual em quase todas as mulheres que os utilizam. Portanto, eles também são usados como tratamento para pacientes que não os consomem e sofrem de dismenorreia.

A escolha da marca e da combinação de hormônios é feita entre o médico e a mulher, após uma avaliação dos efeitos adversos e segurança.

Quando se consultar devido à dismenorreia?

Se você tiver sintomas constantes de dor menstrual, todos os meses, por volta dos dias de sangramento, deve consultar um médico. Além disso, você pode obter alívio com remédios caseiros, mas é fundamental realizar alguns métodos complementares que descartam patologias mais graves.

Converse com um profissional sobre as opções disponíveis. Às vezes, um anti-inflamatório uma vez por mês é suficiente, e o distúrbio pode ser aliviado para que a mulher continue com sua vida diária. Outras vezes, serão necessários tratamentos mais longos para a dismenorreia, mas isso não deve te assustar, pois os perfis de segurança dos medicamentos são altos.

Pode interessar a você...
5 dicas para prevenir as cólicas menstruais
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
5 dicas para prevenir as cólicas menstruais

As cólicas menstruais são muito dolorosas. Ainda que afete algumas mulheres mais do que outras, ainda sim pode ser bem incômodas. Conheça como prev...



  • Sandoval Paredes, José, et al. “Factores que condicionan la dismenorrea en adolescentes, según estrato socioeconómico.” Revista Peruana de Ginecología y obstetricia 59.2 (2013): 95-100.
  • Torres González, July Vianneth. Efectos del consumo de cigarrillo en la presentación y severidad de la dismenorrea. Diss. Universidad del Rosario, 2014.
  • Grillo-Ardila, Carlos Fernando. “Seguridad y efectividad del ejercicio para el manejo de la dismenorrea primaria.” Ginecología (2019).
  • Cedeño, Paola Katherine Muñoz, et al. “La dismenorrea como principal causante de periodos menstruales doloroso.” RECIAMUC 3.3 (2019): 769-788.
  • Morgan-Ortíz, Fred, et al. “Dismenorrea: una revisión.” Rev Med UAS; Vol 5.1 (2015).
  • Castro, Alvaro Monterrosa. “Dismenorrea primaria: visión actual.” Revista Colombiana de Obstetricia y Ginecología 52.4 (2001).
  • Fernandez Luna, Andy Efrain. Prevención y manejo del sangrado uterino anormal en la mujer en etapa reproductiva. BS thesis. Machala: Universidad Técnica de Machala, 2020.
  • Paredes, Daniel Fernando Dick, et al. “Trastorno disfórico premenstrual.” RECIAMUC 3.1 (2019): 199-217.
  • Jimenez, Ana Karina Díaz Chávez, et al. “Uso de anticonceptivos orales en la dismenorrea.” RECIMUNDO 4.1 (Esp) (2020): 155-163.