Ibuprofeno: 7 alternativas naturais

· 5 de maio de 2014
Se está fazendo algum tratamento médico, consulte um especialista antes de interrompê-lo ou iniciar o uso destas opções. Lembre-se de que, ainda que sejam remédios naturais, não é recomendável consumi-los exageradamente.

O ibuprofeno e quaisquer outros medicamentos apresentam vários efeitos adversos. O problema está na facilidade de obtê-los e na automedicação, muitas vezes negligenciando a duração do tratamento e a dosagem correta.

O ibuprofeno é principalmente analgésico, anti-inflamatório e antipirético, razões pela qual é muito procurado.

Não é à toa que o médico pode prescrever o tipo de medicação para a condição e orientar sobre seu uso racional. A alternativa para evitar os danos seria procurar o médico ao sentir qualquer desconforto.

E em situações menores, pode-se optar por medidas naturais que podem aliviar as dores de maneira mais tradicional.

Os principais problemas causados pelo abuso nas doses diárias de ibuprofeno são: diarreia, desconforto abdominal, úlceras, dores de cabeça e até problemas cardíacos e derrames.

Quais são as alternativas naturais do ibuprofeno?

Existem várias plantas ou remédios naturais que podemos usar sempre e quando a nossa condição de saúde não for mais grave.

Obviamente, se a condição não melhorar, deve-se consultar um médico imediatamente.

Anti-inflamatórios naturais:

Cúrcuma

Curcuma

Tem propriedades anti-inflamatórias, assim como mantém as articulações saudáveis. É encontrada em pó ou em cápsulas.

Contraindicações

Crianças menores de três anos, se acaso tomar medicação anticoagulante pré-cirurgia e em caso de cálculos biliares. Não é recomendado para gestantes.

Saiba mais: Suco de cúrcuma: benefícios interessantes

Arnica

Possui propriedades anti-inflamatórias e analgésicas. É geralmente usada para pancadas, dores musculares, tensões e artrite reumatoide.

Pode-se utilizar na forma de infusão com uma colher de chá de planta seca por copo de água. Primeiramente, aplique na área afetada com pano limpo.

É indicada apenas para uso externo. Não ingerir.

Pimenta de caiena

pimenta caiena

Tem efeitos analgésicos e anti-inflamatórios. Portanto, aproveite seus benefícios temperando os pratos favoritos, que terão sabor forte e bem picante.

Para infusão, use um quarto de colher de chá de pimenta caiena em um copo de água quente. Nesse sentido, beba ao longo do dia, em pequenos goles.

Existe também na forma de pomada, creme, óleo em lojas de produtos naturais. Contudo, tenha cuidado para não inalar ou ter contato com membranas mucosas. Por isso, lave bem as mãos após seu manuseio ou use luvas para mais segurança.

Salgueiro branco

Por seus efeitos analgésicos, é utilizado para dores menstruais, musculares e de cabeça, bem como artrite e para reduzir a febre. As pessoas alérgicas à aspirina devem evitar seu uso.

Alcaçuz

alcaçuz

Pode ser encontrada em farmácias ou herbanários na forma de comprimidos, pastilhas, cremes etc.

No entanto, não utilize em pacientes com diabetes tipo II, hipertensão arterial, baixo teor de potássio no sangue, hepatite e em gestantes.

Além disso, evite interação com outros medicamentos, informe o médico sobre a intenção de consumir alcaçuz.

Gengibre

Em suma, tem propriedades analgésicas e anti-inflamatórias e pode ser usado externamente para artrite, síndrome do túnel cárpico, pancadas, entorses etc.

Leia mais: Prepare um antiviral em casa com gengibre

Alimentos com propriedades anti-inflamatórias:

  • Peixes (truta, salmão, sardinha)
  • Óleos vegetais, como de oliva e linhaça.
  • Nozes e folhas verdes, sementes de linhaça, amêndoas, avelãs.

Se acaso esteja sofrendo algum processo inflamatório, inclua estes alimentos na dieta.

Ao conhecer os efeitos contraproducentes de medicamentos como o ibuprofeno, opte por soluções naturais e não se esqueça de consultar um médico homeopata sobre a dose e a duração do tratamento.

No entanto, a sua condição natural não implica em abuso ou uso em qualquer caso. A busca do aconselhamento qualificado e sua aplicação da forma indicada evitará qualquer problema.

Lembre-se…

Se acaso estiver em tratamento médico, não é aconselhável abandonar a medicação e mergulhar na adoção destas opções naturais.

Estas medidas são apenas recomendadas para quem quer evitar o uso de medicamentos para dores menores que não são indicativos de alguma doença grave.

  • Batlouni, M. (2010). Anti-inflamatórios não esteroides: efeitos cardiovasculares, cérebro-vasculares e renais. Arq Bras Cardiol94(4), 556-63.
  • Yui, F., Linarelli, M. C. B., & Zalante, P. M. (2012). Atividade antiinflamatória de arnica montana. Revista de Ciências Médicas7(1).
  • Teixeira, C. C. C. (2009). Desenvolvimento tecnológico de fitoterápico a partir de rizomas de Curcuma longa L. e avaliação das atividades antioxidante, anti-inflamatória e antitumoral (Doctoral dissertation, Universidade de São Paulo).
  • Vieira, N. A., Tomiotto, F. N., Melo, G. P., Manchope, M. F., de Lima, N. R., de Oliveira, G. G., & Watanabe, M. A. E. (2014). Efeito anti-inflamatório do gengibre e possível via de sinalização. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde35(1), 149-162.