Prolactina: o que é e como funciona?

14 de outubro de 2019
Os níveis de prolactina variam ao longo da vida. Na infância, eles são altos e diminuem até atingir os níveis de um adulto.

A prolactina é um hormônio composto por vários peptídeos, que é sintetizado principalmente por células adeno-hipofisárias.

Dentre essas funções, podemos dizer que as principais são produzir leite nas glândulas mamárias e sintetizar progesterona no corpo-lúteo.

Quando o bebê chupa o mamilo durante a amamentação, favorece a síntese de uma maior qualidade desse hormônio. Ele é regulado por um feedback positivo.

Por outro lado, é um hormônio que tende a variar facilmente, dado certos fatores que aumentam ou diminuem o estresse.

Funções da prolactina no corpo

Dada a ampla distribuição dos receptores de prolactina nos mamíferos, esse hormônio exerce várias ações no organismo. Vamos ver os mais estudados.

Reprodução

A prolactina desempenha um papel importante no desenvolvimento morfológico e funcional da glândula mamária, bem como na atividade secretora do corpo-lúteo. Assim, afeta as funções reprodutivas.

Graças à prolactina, os ductos tubuloalveolares da glândula mamária podem ser ramificados, crescer e se desenvolver durante a gravidez. Além disso, ao sintetizar o leite, esse hormônio desempenha várias funções:

  • Estimula a captação de aminoácidos.
  • Aumenta a síntese de caseína e lactoalbumina.
  • Estimula a captação de glicose.
  • Aumenta a síntese de lactose e ácidos graxos do leite.
A prolactina desempenha um papel importante no desenvolvimento morfológico e funcional da glândula mamária

Leia também: Como se produz o leite materno?

Homeostase

Além de regular as funções reprodutivas, a prolactina também controla um conjunto de funções de autorregulação que levam à manutenção da composição e propriedades do ambiente interno do corpo.

Entre elas, destacam-se as ações imunorregulatórias da prolactina, que estão direta ou indiretamente envolvidas no desenvolvimento e na maturação das células do timo e dos órgãos linfoides periféricos.

Também regula a homeostase, controlando o transporte de íons sódio, cálcio e cloreto através das membranas epiteliais do intestino, a captação de aminoácidos pelas células epiteliais da glândula mamária, além de outros íons e água nos rins.

Nas glândulas sudoríparas e lacrimais, a prolactina modula sua composição iônica.

Descubra: 6 hormônios que interferem no ciclo de ovulação

Regulação da secreção de prolactina

Os estímulos fisiológicos que regulam a secreção de prolactina são múltiplos:

  • A sucção do mamilo durante a amamentação.
  • O estresse.
  • O aumento de esteroides ovarianos, especialmente estrógenos.
  • Outros.

Todos esses estímulos são coletados pelo hipotálamo e começam a sintetizar fatores de liberação de prolactina e fatores inibitórios. Assim, o hipotálamo exerce um efeito principalmente inibitório na síntese e secreção de prolactina.

Além disso, a síntese e secreção desse hormônio são influenciadas por muitos outros fatores liberados por outras células adeno-hipofisárias, além de outras da glândula pituitária.

Por outro lado, a dopamina é o principal inibidor da síntese e secreção de prolactina. Este neurotransmissor, após interagir com os receptores de dopamina D2 na membrana das células lactotrópicas, exerce sua função inibitória.

Outras substâncias que também modulam a secreção desse hormônio são:

  • Histamina: atua através dos receptores H1 e H2. A ativação do primeiro tem um efeito estimulante da secreção de prolactina. Pelo contrário, a ativação do H2 o inibe.
  • Acetilcolina: sua ativação favorece a secreção de dopamina e a consequente inibição da secreção de prolactina.
  • Hormônio estimulante da tireoide: além de sua função na glândula tireoide, também estimula a secreção de prolactina pelas células lactotrópicas da hipófise.
Prolactina no sangue

Padrões de secreção da prolactina hipofisária

Os níveis de prolactina variam ao longo da vida. Na infância, eles são altos e diminuem até atingir os níveis de um adulto.

Durante o estágio de velhice, há novamente um aumento desses níveis relacionados ao enfraquecimento do controle do inibidor do hipotálamo.

Além disso, as concentrações plasmáticas desse hormônio também variam ao longo do dia, sendo mais altas durante o período de sono do que durante o período de vigília.

Conclusão

A prolactina é um hormônio natural do corpo, envolvido em inúmeros processos bioquímicos. No entanto, sua principal função é encontrada durante o período reprodutivo e homeostático.

Por fim, é importante controlar os níveis desse hormônio, pois eles podem aumentar ou diminuir, causando sintomas diferentes. Por isso, pergunte ao seu médico ou farmacêutico qualquer dúvida que tiver a respeito.

  • Botella Llusia, J. (1979). PROLACTINA. Acta Ginecologica.
  • Blanco-Favela, F., Legorreta-Haquet, M. V., Huerta-Villalobos, Y. R., Chávez-Rueda, K., Montoya-Díaz, E., Chávez-Sánchez, L., & Zenteno-Galindo, E. (2012). Participación de la prolactina en la respuesta inmune. Boletin Medico Del Hospital Infantil de Mexico.
  • Méndez-Hernández, I. C., Cariño, C., & Díaz, L. (2005). La prolactina en el sistema inmunológico: Aspectos de síntesis y efectos biológicos. Revista de Investigacion Clinica.