A preocupação excessiva com a saúde

A preocupação excessiva com a saúde nos leva a ficar muito atentos a qualquer desconforto e a pensar que temos uma doença que provavelmente não é real.
A preocupação excessiva com a saúde

Última atualização: 16 Junho, 2021

Vivemos em uma época em que o bombardeio de informações é constante. Os tópicos de cuidado e proteção do corpo estão na ordem do dia. Isso criou um ambiente onde a preocupação excessiva com a saúde tem um ponto de apoio a partir do qual é projetada na vida cotidiana.

A saúde é definida como um estado de bem-estar físico, emocional e social. Não é simplesmente a ausência de doença. É cada vez mais comum encontrar pessoas que têm medo de ficar doentes ou de que as pessoas mais próximas a elas fiquem doentes.

Embora seja verdade que se preocupar com a saúde e ter um estilo de vida adequado é essencial para prevenir doenças, a preocupação excessiva pode ser um problema. Portanto, neste artigo, vamos explicar o que fazer a respeito e quais estratégias de abordagem existem.

Em que consiste a preocupação excessiva com a saúde?

Como podemos imaginar, preocupar-se consigo mesmo é normal. Todos nós temos um certo medo de ficar doentes. Isso é natural e benéfico se nos levar a melhorar os nossos hábitos, como manter uma alimentação adequada ou fazer exercícios com frequência.

Da mesma forma, isso nos alerta para os sinais de uma doença e nos orienta a ir ao médico quando necessário. No entanto, no momento em que a preocupação continua a crescer, pode levar à ansiedade.

Quando isso acontece, os pensamentos negativos e o pânico de ficar doente ocupam muito espaço em nossa mente. É criado um estado de alarmismo em que qualquer dor mínima ou risco de contágio nos faz pensar que estamos doentes.

A desinformação geral sobre várias situações mundiais fez com que o medo da população aumentasse brutalmente. Existe um fenômeno de preocupação coletiva que vai além do indivíduo e coloca grandes grupos de pessoas no mesmo processo de alerta.

A ansiedade também pode nos levar a fazer coisas irracionais. Se não controlarmos a preocupação excessiva com a saúde, vamos tomar medidas drásticas que acabarão sendo contraproducentes, ou seja, causando doenças em vez de nos proteger.

Mulher com dor de cabeça
As preocupações excessivas, em qualquer âmbito, são prejudiciais.

Quais são os sinais para identificar uma preocupação excessiva?

A linha entre a normalidade e a preocupação excessiva é muito tênue. No entanto, existem certos sinais que podem nos indicar que o limite está se aproximando. Em primeiro lugar, aquele estado de alarmismo que já mencionamos.

Quando uma pessoa está constantemente atenta a uma dor ou um incômodo, mesmo que pequeno, isso pode indicar uma obsessão. Ainda mais se ela começa a buscar informações sobre o assunto ou não para de pensar nisso. Os comportamentos dessas pessoas se concentram na organização da sua existência que circunda o suposto problema. As relações familiares, de trabalho e de amizade sofrem alterações devido ao transtorno obsessivo.

Muitas pessoas chegam à conclusão de que têm um sintoma de alguma doença específica. Elas classificam suas hipóteses com o nome de uma patologia e se autodiagnosticam, estabelecendo o caminho direto para a hipocondria.

Nesse caso, elas começam a se preocupar com as consequências daquela suposta doença. Eles também tendem a torná-la um tópico frequente e único de conversa, não deixando espaço para outras explicações ou histórias.

Por outro lado, a preocupação excessiva com a saúde também pode se manifestar com um controle muito estrito da dieta ou dos exercícios. Da mesma forma, pode ser que medicamentos não indicados ou suplementos vitamínicos sejam tomados.

Mulher fazendo dieta restritiva
As mudanças repentinas na dieta podem ser um sinal de preocupação excessiva com a saúde.

O que se pode fazer a respeito?

O mais importante nessa situação é tentar pedir ajuda. Quando a preocupação se transforma em ansiedade, o ideal é consultar um psicólogo para tentar resolver o problema. A psicoterapia costuma ser a melhor forma de tratamento.

Além disso, devemos considerar que as fontes de informação de que dispomos nem sempre são confiáveis. É essencial contrastar os dados e evitar que o medo se apodere de nós. Existem muitos artigos na Internet, mas devemos sempre verificar se eles foram escritos por autores confiáveis ​​e se o site tem credibilidade.

Pode interessar a você...
12 consequências de dormir mal
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
12 consequências de dormir mal

Um estudo assegura que dormir mal está relacionado ao aumento da hipertensão, obstrução das artérias e problemas cardíacos.



  • Vallejo, S. Gómez, et al. “Hipocondría en la infancia y adolescencia. Revisión bibliográfica.” Revista de Psiquiatría Infanto-Juvenil 35.1 (2018): 7-16.
  • Pérez, Sara Mercedes Pérez. “Cibercondría: La hipocondría virtual.” Ágora de enfermería 20.3 (2016): 104-110.
  • Arnáez, Sandra, Gemma García-Soriano, and Amparo Belloch. “Hipocondría y pensamientos intrusos sobre la enfermedad: desarrollo y validación de un instrumento de evaluación.” Psicología Conductual 25.1 (2017): 165.
  • Rodríguez, Concepción Fernández, and Rafael Fernández Martínez. “Tratamientos psicológicos eficaces para la hipocondría.” Psicothema 13.3 (2001): 407-418.