Pólipos no nariz: sintomas, causas e tratamento

Os pólipos no nariz raramente representam um problema de saúde sério, ao contrário dos pólipos em outras partes do corpo. Saiba mais a seguir.
Pólipos no nariz: sintomas, causas e tratamento

Última atualização: 06 Abril, 2021

Os pólipos no nariz são massas moles, semelhantes a pequenas bolsas, que crescem no revestimento do nariz ou nos seios da face. Esta condição ocorre com mais frequência em adultos e só muito raramente em crianças menores de 10 anos. Apenas em alguns casos eles estão relacionados ao câncer, o que pode ser verificado por meio de uma biópsia. Nos demais casos, são lesões benignas.

Estima-se que os pólipos nasais apareçam em cerca de 1 a 5% da população. Afetam homens e mulheres de forma mais ou menos igual, embora sua incidência seja ligeiramente maior nos homens. O mais comum é que ocorram em pessoas entre 30 e 40 anos.

Essa doença é considerada uma variante da sinusite, mais precisamente da sinusite polipoide. O tamanho dos pólipos no nariz é muito variado: eles podem ser muito pequenos ou atingir um grande volume. Em alguns casos não causam grandes complicações, mas em outros provocam uma obstrução das vias aéreas nasais.

O que são os pólipos no nariz?

Presença de pólipos no nariz
Os pólipos nasais aparecem dentro das narinas e costumam ser considerados lesões benignas.

Os pólipos nasais têm uma aparência esbranquiçada, textura macia, e geralmente apresentam uma forma de lágrima. Sua aparência é semelhante à de uma uva descascada sem sementes. Eles aparecem dentro das passagens nasais ou seios paranasais. Podem ser únicos ou múltiplos.

São considerados lesões benignas. Ao contrário dos pólipos que aparecem na bexiga ou no cólon, os pólipos no nariz não são tumores e apresentam um risco mínimo de câncer. Geralmente são causados ​​por inflamação crônica e são frequentemente associados a asma, distúrbios imunológicos, alergias, etc…

Essas formações aparecem quando a mucosa natural se hipertrofia. Nesses casos, a mucosa cresce e se enche com um líquido espesso. Aos poucos, esse acúmulo vai ganhando forma e configurando os pólipos. Essa condição é chamada de polipose nasal.

Causas

Existem algumas controvérsias quanto às causas da polipose nasal. Tradicionalmente, aceita-se que esse processo esteja relacionado a algum tipo de alergia, mas também há casos em que essa condição não está presente. A evolução desta doença também não é totalmente compreendida.

Existem dados que indicam que os marcadores químicos das mucosas, bem como as respostas do sistema imunitário, são diferentes nas pessoas que desenvolvem pólipos no nariz e naquelas em que isso não acontece. Isso sugere que algumas mutações genéticas podem estar envolvidas neste problema.

Em todo caso, foi estabelecida uma lista de condições que atuam como fatores de risco para essa doença:

  • Asma.
  • Sinusite fúngica alérgica.
  • Fibrose cística.
  • Sensibilidade à aspirina.

Em alguns casos, os pólipos aparecem durante um processo infeccioso no nariz e desaparecem quando a infecção diminui. Também são formados quando há um corpo estranho alojado no nariz.

Sintomas dos pólipos no nariz

Mulher sendo examinada
Em muitos casos, os pólipos no nariz não apresentam sintomas. No entanto, se aumentarem de tamanho, podem obstruir as vias aéreas nasais.

Quando os pólipos são pequenos, geralmente não dão origem a nenhum sintoma e, portanto, passam despercebidos. Se começarem a aumentar, tornam-se perceptíveis e podem causar desconforto ou se converter em uma fonte de obstrução das vias aéreas nasais.

Os pólipos grandes costumam causar uma infecção sinusal, que é um sintoma comum da polipose. Também é comum que haja congestão nasal, algum grau de perda do sentido do olfato e do paladar, bem como rinorreia, cefaleia, dor na área e sinais de resfriado.

Em alguns casos, as pessoas com pólipos nasais são forçadas a respirar pela boca. Isso ocorre porque a passagem nasal está obstruída em maior ou menor grau. Há casos em que o pólipo está presente nas fossas nasais.

Tratamento

A medida mais eficaz para tratar os pólipos no nariz é a cirurgia extrativa. Porém, o mais comum é que, antes disso, outras medidas sejam tomadas para curá-los, principalmente se não tiverem um tamanho excessivo.

O mais comum é que o tratamento comece com a administração de corticosteroides, por meio de nebulizações nas vias nasais ou por via oral. Os corticosteroides tendem a provocar efeitos colaterais, por isso é necessário um monitoramento rigoroso.

Os anti-histamínicos e antibióticos também costumam ser usados. Se o pólipo for muito grande e causar algum grau de obstrução, é aconselhável realizar a cirurgia. No entanto, foi demonstrado que os pólipos podem se formar novamente após esse procedimento.

Pode interessar a você...

Como curar pólipos nasais com 5 soluções caseiras
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Como curar pólipos nasais com 5 soluções caseiras

A medicina natural é o primeiro aliado para poder oferecer soluções instantaneamente, e os pólipos nasais têm um alto percentual de cura quando tra...



  • Muñoz, A. T., Puchol, C. H., Molinero, C. N., Simal, M. G., Cunchillos, M. N., & Campillo, A. N. G. (2008). Estudio epidemiológico en pacientes con poliposis nasal. Acta Otorrinolaringologica Espanola, 59(9), 438-443.
  • Bohman A, Juodakis J, Oscarsson M, Bacelis J, Bende M, Torinsson Naluai Å. A family-based genome-wide association study of chronic rhinosinusitis with nasal polyps implicates several genes in the disease pathogenesis. PLoS One. 2017;12(12):e0185244. Published 2017 Dec 18. doi:10.1371/journal.pone.0185244
  • Rajguru R. Nasal polyposis: current trends. Indian J Otolaryngol Head Neck Surg. 2014;66(Suppl 1):16–21. doi:10.1007/s12070-011-0427-z
  • Gelardi M, Iannuzzi L, De Giosa M, et al. Non-surgical management of chronic rhinosinusitis with nasal polyps based on clinical-cytological grading: a precision medicine-based approach. Trattamento medico della rinosinusite cronica con poliposi naso-sinusale sulla base del sistema di grading clinico-citologico per un approccio medico personalizzato. Acta Otorhinolaryngol Ital. 2017;37(1):38–45. doi:10.14639/0392-100X-1417