O que é permarexia e quais são as suas causas?

22 Novembro, 2020
Além da anorexia e da bulimia, existem outros transtornos alimentares que devem ser conhecidos. Um exemplo é a permarexia. Continue lendo para aprender mais sobre ela.

A permarexia é um transtorno alimentar identificado recentemente. Trata-se de um precursor de problemas mais sérios, como anorexia ou bulimia. Os pacientes com essa doença pensam que qualquer alimento que ingerirem vai fazê-los ganhar peso, e têm um desejo irreprimível de emagrecer.

Por esse motivo, as pessoas com permarexia tendem a aderir a diferentes dietas anunciadas como milagrosas, com o objetivo de reduzir o peso corporal. Na verdade, este é um dos critérios usados ​​para diagnosticar a doença: ter tentado fazer mais de 3 dietas por ano com o objetivo de emagrecer.

Características da permarexia

Por se tratar de uma patologia de classificação recente, ainda não há muita bibliografia a respeito da permarexia. Porém, sabe-se que esse problema é típico de quem tem certos comportamentos compulsivos que levam, por exemplo, a contar calorias. Embora revisar os rótulos nutricionais seja uma boa prática, fazer isso obsessivamente pode se tornar um problema.

No entanto, muitas pessoas sofrem de permarexia e não foram identificadas como tal. O peso dessas pessoas varia constantemente e elas estão sujeitas a mudanças de hábitos alimentares, mas não parecem estar em um estado físico patológico. Por isso, não são suscetíveis a receber um diagnóstico preciso da doença.

Uma pessoa que altera os seus protocolos alimentares com frequência, sempre com o objetivo de perder peso, pode estar com esta patologia. Além disso, os pacientes com esse transtorno são especialmente sensíveis a comentários sobre a sua aparência. Tendem a se comparar constantemente com os outros em seu ambiente.

No entanto, embora tenham sido obtidas evidências da relação entre depressão e anorexia, ainda não foi possível associar esse comportamento a problemas psicológicos.

Mulher sem vontade de comer
A obsessão por dietas faz parte do diagnóstico de permarexia.

Para saber mais: Os perigos da anorexia

Como identificar uma pessoa que sofre de permarexia?

Diagnosticar a doença não é uma tarefa fácil. Não existem ferramentas que determinem com precisão a existência do problema. O melhor é observar os padrões de comportamento, além de especificar alguns testes que determinam o grau de saúde mental da pessoa.

No caso de mostrar certos comportamentos obsessivos em relação à alimentação, mas que ainda não a definem no quadro clínico de anorexia ou bulimia, então poderia haver o diagnóstico de permarexia.

É importante estar atento aos hábitos alimentares e à sua relação com a comida. Também é importante conhecer o quanto a pessoa em questão é suscetível a críticas externas. Se é muito afetada pelas opiniões dos outros, isso aumentaria o risco de sofrer ou desenvolver a patologia.

Como mencionamos anteriormente, se durante o ano houve mais de 3 tentativas de fazer dietas diferentes com o objetivo de perder peso, essa pessoa pode ser diagnosticada com o transtorno. Nesse caso, é melhor consultar um profissional o mais rápido possível. A prevenção e o tratamento precoce são as melhores soluções para os problemas alimentares. Isso reduz o risco de sequelas.

Você também pode estar interessado em: Dietas perigosas: conheça os sinais de advertência!

Causas da permarexia

Foi demonstrado que os fatores de risco para que um problema como este apareça são os seguintes:

  • Problemas psiquiátricos dos pais.
  • Estresse da mãe durante a gravidez.
  • Sobrepeso na infância.
  • Frustração com a composição corporal.
  • Pressão social.

Além disso, segundo uma pesquisa publicada na revista Child and Adolescent Psychiatric Clinics of North America, transtornos alimentares como a permarexia são favorecidos pelo excesso de informações oferecidas por alguns meios de comunicação. Uma má interpretação das informações, por falta de conhecimento técnico, pode levar ao estabelecimento de hábitos nocivos.

Obsessão pelo peso
As causas da permarexia são variadas. Há alguns fatores de risco que favorecem o seu desenvolvimento.

Um transtorno alimentar difícil de diagnosticar

Como comentamos, a permarexia é uma patologia recente sobre a qual ainda não há muitas informações científicas. Sabemos que ela é o prelúdio de problemas maiores e que o diagnóstico imediato facilita seu manejo e cura.

No entanto, os critérios para identificar o transtorno não são totalmente claros, por isso é necessário ir a um especialista que utilizará outras ferramentas para o diagnóstico.

Lembre-se de que as doenças associadas ao comportamento alimentar são complexas e requerem um tratamento multidisciplinar. Portanto, deve-se abordar o problema sob diferentes ângulos para oferecer uma solução confiável que reduza o risco de sequelas a médio prazo.

Em caso de dúvida, a melhor opção é consultar um especialista para obter mais informações. Prestar atenção nos detalhes pode ser o diferencial na detecção precoce do problema e na prevenção de complicações.

  • Saul JS., Rodgers RF., Adolescent eating disorder risk and the online world. Chil Adolesc Psychiatr Clin N Am, 2018. 27 (2): 221-228.
  • Keski Rhakonen A., Mustelin L., Epidemiology of eating disorders in Europe: prevalence, incidence, comorbidity, course, consequencies, and risk factors. Curr Opin Psychiatry, 2016. 29 (6): 340-5.
  • Thornton LM., Welch E., Munn Chernoff MA., Lichtenstein P., et al., Anorexia nervosa, major depression, and suicide attemps: shared genetic factors. Suicide Life Threat Behav, 2016. 46 (5): 525-534.
  • Jáuregui-Lobera, Ignacio. “¿ Medicina y enfermedades o moda y consumismo?.” Journal of Negative and No Positive Results: JONNPR 2.2 (2017): 46-48.
  • Encalada, Sergio Constantino Ochoa, et al. “La publicidad en internet y la presencia de trastornos alimenticios en los adolescentes.” Memorias del tercer Congreso Internacional de Ciencias Pedagógicas: Por una educación inclusiva: con todos y para el bien de todos. Instituto Superior Tecnológico Bolivariano, 2017.
  • Giner Bartolomé, Cristina. “Emociones y trastornos de la conducta alimentaria: Correlatos clínicos y abordajes terapéuticos basados en nuevas tecnologías.” (2016).