Pausas ativas: um momento de vital importância

· 29 de junho de 2018
Além de descansar, as pausas ativas podem nos servir para recuperar a energia perdida e voltar ao trabalho com muito mais vitalidade e disposição.

Atualmente as rotinas diárias são cada vez mais carregadas e mais estressantes para as pessoas. Tanto que às vezes costuma-se misturar as rotinas de trabalho com as rotinas pessoais, sem poder culminar com sucesso em nenhuma das duas.

As pessoas estão tão ocupadas tratando de ter sucesso que esquecem de buscar calma e tranquilidade por alguns segundos. Por isso, agora mais do que nunca as pausas ativas são um momento de vital importância tanto para a saúde física quanto mental.

O que são as pausas ativas?

A falta de tempo pode ser aliviada com pausas ativas

Se você não sabe, as pausas ativas são breves momentos que tiramos, ou que deveríamos tirar, enquanto fazemos nosso trabalho diário. Neste pequeno intervalo as pessoas recuperam um pouco das energias para poder continuar com o trabalho para diminuir um pouco o cansaço e evitar maior estresse.

Não se trata de deixar o trabalho pela metade. Uma pausa ativa se trata de pequenos descansos que as pessoas devem aproveitar, como um breve instante para relaxar a musculatura e liberar um pouco a tensão que vai se acumulando em uma mesma rotina. Desta forma logo poderão continuar sua atividade no trabalho sem dor, fatiga ou cansaço.

  • O que isso quer dizer é que uma pessoa que trabalha muitas horas sentada na mesma posição deve fazer uma pausa ativa para se levantar e andar um pouco. Assim poderá liberar a tensão exercida sobre os músculos dos glúteos e nas costas.
  • Da mesma forma, as pessoas que trabalham paradas durante muitas horas devem fazer um descanso sentadas para relaxar a tensão sobre as pernas.

Veja também: 5 exercícios para tonificar os músculos das pernas

Porque as pausas ativas são vitais?

A dor de cabeça pode ser resolvida aplicando pausas ativas

Este tipo de pausa é muito importante, já que nos horários extensos de trabalho os músculos do corpo são levados ao extremo e permanecem de uma forma estática.

Com isso vão se acumulando toxinas que, ao elevar sua concentração, vão causando fatiga, dor e cansaço nos ombros, no pescoço, nas costas… Isso é o que comumente conhecemos como a palavra “estresse”.

Porém, não necessariamente se trata de estresse em todos os casos. Isso que está acontecendo no corpo e que produz um mal-estar é realmente tensão acumulada.

Este tipo de tensão podemos apresentar também nas pernas dormentes ou com câimbras, por isso é necessário fazer uma pausa ativa durante as longas jornadas de trabalho.

Assim será possível reduzir as tensões musculares, prevenir lesões maiores como espasmos, diminuir a sensação de fatiga, diminuir o estresse, melhorar as posturas do corpo e otimizar a atenção e concentração no trabalho.

Desta forma conseguiremos um desempenho melhor no trabalho e uma resposta favorável tanto para o empregado quanto para o empregador, já que uma pessoa cômoda e relaxada trabalha muito melhor.

Recomendamos ler: 6 soluções para controlar o estresse e a ansiedade sem medicamentos

Que tempo as pausas ativas devem contemplar?

Mulher estressada precisando de pausas ativas

O mais recomendável é realizar pausas no início da jornada de trabalho. Deve-se fazer isso como forma de aquecimento, para que os músculos se alonguem e se preparem para as atividades diárias.

Logo deve-se realizar, pelo menos, a cada duas ou três horas durante toda a jornada de trabalho. Estas devem ser pequenas pausas, de cinco a dez minutos, nas quais deve-se aproveitar o tempo ao máximo. Desta forma se evitarão riscos de lesões ou doenças.

Ao fazer pausas ativas deve-se levar em consideração alguns detalhes. Desta forma estas pausas serão realmente produtivas e conseguirão atingir a finalidade desejada.

Para isso a pessoa deve realizar uma respiração da forma mais profunda, rítmica e lenta que possa. A ideia é relaxar enquanto coloca em prática o exercício que escolheu.

  • O mais recomendado é que realizem exercícios que incluam a mobilização das articulações antes de realizar o alongamento.
  • Deve-se tratar de se concentrar em sentir o trabalho de cada músculo e de cada articulação que vai alongar.
  • Para que o alongamento seja efetivo, deve-se sentir e conservar ativo entre 5 e 10 segundos. Não deve apresentar dor: só se deve sentir o alongamento que está causando.

O ideal é que se realize os exercícios antes de entrar no estado de fatiga. Preferencialmente, a cada duas horas durante a jornada de trabalho. Recomenda-se escolher um primeiro exercício da pausa ativa com o qual seja possível relaxar a região onde se sente o cansaço mais acumulado.