Os principais patógenos do verão

12 Novembro, 2020
Existem patógenos que conseguem se proliferar durante o verão devido à umidade e às condições de calor que ocorrem no ambiente. Quais são os mais comuns? Vamos detalhá-los a seguir!

Como bem sabemos, a chegada do verão vem de mãos dadas com um aumento repentino das temperaturas. Como resultado, também aumentam as chances de desenvolvermos certas infecções causadas por microrganismos que se proliferam nessas condições. Quais são os principais patógenos do verão?

A exposição a vírus, bactérias e fungos ocorre durante todo o ano; no entanto, devido às características típicas do verão, alguns conseguem se espalhar ainda mais nesta estação. A seguir, detalharemos os mais frequentes e seus efeitos na saúde.

O que é um patógeno?

Um patógeno é qualquer microrganismo capaz de causar desconforto ou doença no hospedeiro em que está instalado. Essa definição englobaria todos os tipos de germes, incluindo vírus, bactérias, fungos, protozoários e outros microrganismos mais complexos.

Deve-se notar que algumas das doenças a serem nomeadas têm uma origem múltipla para o seu quadro clínico geral. Ou seja, elas podem ser causadas por patógenos de diferentes gêneros ou até mesmo de ordens diferentes. No entanto, esses agrupamentos são feitos para simplificar os tratamentos.

Quais são os principais patógenos do verão?

Principais patógenos do verão
Durante o verão, as altas temperaturas fornecem um ambiente ideal para o crescimento de certos patógenos.

Vírus e bactérias causam inflamação

Conjuntivite e otite são as doenças autoinflamatórias que reinam em piscinas públicas. A conjuntivite é baseada na inflamação da camada conjuntiva ocular, uma membrana mucosa que reveste o interior do olho. Sua sintomatologia inclui o seguinte:

  • Inflamação ocular.
  • Vermelhidão dos olhos.
  • Lacrimejamento.
  • Crostas amarelas.

A conjuntivite pode ter origem viral e bacteriana, mas as mais comuns são as causadas pelos adenovírus, que são transmitidos por contato direto e partículas de água contaminadas.

A otite, por outro lado, tende a ter uma origem bacteriana se falarmos sobre o que acontece no trato auditivo externo. Dependendo da sua localização, é chamada de otite interna ou externa. Suas manifestações clínicas incluem:

  • Dificuldade para ouvir.
  • Dor no ouvido.
  • Sensibilidade ao toque.

Ambas as patologias têm algo em comum: são causadas por patógenos, sejam vírus ou bactérias, sobrevivem bem em águas e temperaturas temperadas. Portanto, as piscinas são um terreno fértil para este tipo de inflamação superficial.

É essencial tomar medidas de higiene e transportar material para uso próprio sempre que possível, pois esses microrganismos também sobrevivem em superfícies.

Você também pode estar interessado: Segurança dos seus filhos na piscina

Patógenos de intoxicação alimentar

Intoxicação alimentar
O risco de intoxicação alimentar aumenta com o manuseio inadequado dos alimentos. Esta situação se agrava durante o verão.

Quem já não teve a má sorte de ter uma diarreia grave depois de um almoço ou jantar de verão? As intoxicações alimentares são mais comuns nesta estação do ano.

Isso acontece, em primeiro lugar, porque o aumento da temperatura muitas vezes favorece a replicação de muitos dos organismos que causam certos males e, segundo, porque os costumes humanos mudam durante as férias. Não é a mesma coisa comer em casa, em um ambiente controlado, e em instalações na beira da praia com baixos padrões de higiene.

De acordo com o portal MedlinePlus, alguns dos patógenos mais comuns que causam este quadro geral são os seguintes:

  • Bactérias do gênero Campylobacter: bacilos gram-negativos móveis pela presença de flagelos.
  • A bactéria E. Coli: geralmente habita a microbiota do intestino humano sem gerar complicações, mas há algumas cepas que causam diarreia, aderindo à mucosa intestinal.
  • Vibrio cholerae, uma bactéria que tem dois sorotipos que causam cólera.
  • Bactérias do gênero Salmonella, que tem uma maior capacidade de replicação em altas temperaturas.

Como podemos ver, quase toda diarreia de verão tem uma origem bacteriana, pois é fácil que a microbiota do animal que vai ser consumido se misture com a sua carne se ela não for manuseada da maneira correta. Também é comum que a água usada para cozinhar e limpar os utensílios esteja contaminada.

Para saber mais: Como proteger os ouvidos das atividades de verão?

Outros patógenos comuns no verão

Os patógenos descritos anteriormente são muito frequentes no verão; no entanto, não poderíamos fechar esse espaço sem comentar outras patologias muito comuns durante esta temporada.

  • De acordo com a Organização Mundial da Saúde, existem 10 doenças comuns transmitidas por insetos para humanos. O ciclo reprodutivo da maioria dessas espécies termina com eles adultos na primavera ou verão e, portanto, aumenta sua prevalência neste momento. Aqui encontramos doenças como dengue, malária, leishmaniose e febre amarela, muitas vezes causadas por vírus e protozoários.
  • Fungos que causam patologias dérmicas também são muito comuns no verão. Mais uma vez, instalações como piscinas e banheiros públicos são um terreno fértil para eles, pois a alta umidade e as temperaturas mais quentes favorecem o seu crescimento.

Como vimos, a lista de patógenos causadores de doenças durante o verão é quase infinita. As bactérias acabam causando inflamações e quase todos os quadros de gastroenterite e diarreia.

Portanto, é necessário ter extrema cautela ao escolher onde comer ou em quais lugares tomar banho durante as férias. Além disso, ao notar sintomas de infecção, é essencial ir ao médico.

  • Perencevich EN, McGregor JC, Shardell M, et al. Summer Peaks in the Incidences of Gram-Negative Bacterial Infection Among Hospitalized Patients. Infect Control Hosp Epidemiol. 2008;29(12):1124‐1131. doi:10.1086/592698
  • Fares A. Factors influencing the seasonal patterns of infectious diseases. Int J Prev Med. 2013;4(2):128‐132.
  • Durkin MJ, Dicks KV, Baker AW, et al. Seasonal Variation of Common Surgical Site Infections: Does Season Matter?. Infect Control Hosp Epidemiol. 2015;36(9):1011‐1016. doi:10.1017/ice.2015.121
  • Eber MR, Shardell M, Schweizer ML, Laxminarayan R, Perencevich EN. Seasonal and temperature-associated increases in gram-negative bacterial bloodstream infections among hospitalized patients. PLoS One. 2011;6(9):e25298. doi:10.1371/journal.pone.0025298