O que é um papiledema?

O papiledema pode causar visão dupla, visão turva e até cegueira momentânea. A seguir, explicaremos por que essa condição associada ao aumento da pressão dentro do crânio ocorre.
O que é um papiledema?

Última atualização: 28 Fevereiro, 2021

O papiledema é uma patologia que ocorre no olho. Consiste na inflamação do nervo óptico, em sua área mais próxima à retina, devido ao aumento da pressão intracraniana.

Esta patologia pode ser assintomática ou afetar a visão. O problema é que ela esconde sérios problemas de saúde, como um tumor cerebral. Portanto, neste artigo, explicaremos tudo que você precisa saber.

O que é o papiledema?

O papiledema, como já mencionamos, consiste na inflamação do disco óptico do olho. Mais comumente, isso ocorre em ambos os olhos ao mesmo tempo, na forma de edema bilateral.

Essa patologia tem origem na hipertensão intracraniana. O crânio é uma estrutura óssea fixa, dentro da qual encontramos diferentes órgãos e substâncias. Um deles é o líquido cefalorraquidiano. Quando algo dentro dessa caixa de ossos aumenta de volume, há um aumento de pressão.

O papiledema surge, então, quando a pressão intracraniana se mantém acima de 200 milímetros de água. Esse aumento pode ser devido a uma massa ou tumor. Da mesma forma, pode responder a um aumento na quantidade de líquido cefalorraquidiano.

Fundo do olho

Possíveis causas

Como acabamos de observar, a causa do papiledema é a hipertensão craniana. A pressão, por sua vez, aumenta devido à quantidade de líquido cefalorraquidiano ou à presença de massas anormais no cérebro.

Essas duas situações são frequentes em diferentes cenários. Quando falamos de massas anormais, referimo-nos a tumores, abcessos derivados de uma infecção ou sangue devido a uma hemorragia.

No entanto, de acordo com um estudo publicado na revista Neurología Suplementosa causa mais comum do papiledema é a hipertensão intracraniana idiopática. Isso significa que a pressão aumenta, mas a causa subjacente é desconhecida.

Em outros casos, pode ser devido à meningite ou encefalite. Um artigo da Acta Neurológica Colombiana afirma que também pode ser um sintoma da doença de Wernicke. Outras origens menos comuns incluem:

  • Síndrome de Guillain-Barré.
  • Hipervitaminose A.
  • Tumores da medula espinhal.
  • Síndrome da veia cava superior.

Quais são os sintomas do papiledema?

Os sintomas do papiledema são variados. A princípio, é comum ser assintomático e a lesão só é identificada com a realização de um exame do fundo de olho. No entanto, à medida que progride, o dano às fibras do nervo óptico desenvolve sintomas óbvios.

Desta forma, a visão é afetada. A visão pode ficar turva, duplicar ou até mesmo desaparecer completamente por alguns segundos. Muitos pacientes apresentam sensibilidade ao contraste de luz.

A maioria dos episódios de perda de visão dura alguns segundos. Além disso, a hipertensão intracraniana também provoca sintomas como dor de cabeça, náuseas e vômitos.

A dor de cabeça é mais forte ao acordar pela manhã e tende a melhorar durante o dia. Nos casos em que a causa é a meningite, pode aumentar a rigidez da nuca.

Como esse problema é tratado?

O principal objetivo do tratamento do papiledema é eliminar a causa da hipertensão intracraniana. É importante lembrar que se trata de uma emergência médica. Em casos de hipertensão idiopática, as medidas são realizadas para reduzir o líquido cefalorraquidiano.

De acordo com a Revista Chilena de Neurocirurgia, podem ser usados ​​diuréticos como o manitol ou a furosemida. A perda de peso pode ser benéfica, assim como a restrição de líquidos e sal.

Para ajudar o líquido cefalorraquidiano a circular adequadamente, também é recomendável manter a cabeceira da cama ligeiramente elevada. No caso de nenhuma dessas medidas funcionar, pode ser necessária uma intervenção cirúrgica.

A abordagem cirúrgica consiste em realizar uma punção lombar que ajuda a eliminar parte do fluido. Por fim, se a causa for uma infecção, devem ser administrados antibióticos.

Mulher com dor de cabeça
A cefaleia pode acompanhar os sintomas do papiledema e da hipertensão craniana.

O que devemos lembrar sobre o papiledema?

O que devemos lembrar sobre o papiledema é que esta é uma patologia que afeta o nervo óptico. É provocada por um aumento da pressão intracraniana que responde a muitas situações diferentes, mas que geralmente têm como denominador comum o aumento da pressão dentro do crânio.

Uma das causas mais comuns é a hipertensão intracraniana idiopática. No entanto, tumores cerebrais, hemorragias e infecções também são gatilhos. O papiledema deve ser tratado como uma emergência médica para evitar danos irreparáveis ​​à visão.

Pode interessar a você...
Acorda com os olhos inchados? 5 remédios rápidos!
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Acorda com os olhos inchados? 5 remédios rápidos!

Se acorda com os olhos inchados existem diferentes remédios caseiros que podem ajudar a aliviá-los. Ademais, é bom mudar hábitos para evitar inflam...



  • Revista de Pediatría de Atención Primaria – Causa rara de papiledema. (n.d.). Retrieved August 29, 2020, from https://pap.es/articulo/12287/causa-rara-de-papiledema
  • Polo-Torres, C., Alvis-Miranda, H. R., Castellar-Leones, S. M., Moscote-Salazar, M. A., Alcalá-Cerra, G., & Moscote-Salazar, L. R. (2013). Patobiologia de la hipertension intracraneal idiopatica infantil. Revista Chilena de Neurocirugia, 39(1), 45–57. Retrieved from https://go.gale.com/ps/i.do?p=IFME&sw=w&issn=07164491&v=2.1&it=r&id=GALE%7CA467831304&sid=googleScholar&linkaccess=fulltext
  • Begué, Nieves Martín. “Protocolo papiledema: actualización y manejo.” Annals d’oftalmologia: òrgan de les Societats d’Oftalmologia de Catalunya, Valencia i Balears 26.4 (2018): 3.
  • Clínico Begoña, C., Cabanes, P., José, E., Lerma, M., Fuentes Fernández, I., & Clares, R. H. (2015). Presentación tardía de una encefalopatía de Wernicke tras gastrectomía por adenocarcinoma gástrico: a propósito de un caso Late presentation of wernicke’s encephalopathy after gastrectomy in a patient with gastric adenocarcinoma: case report. Acta Neurol Colomb (Vol. 31).
  • Sánchez Sanz, A., Muñoz Quiñones, S., & Arruga Ginebreda, J. (2010). Protocolo diagnóstico-terapéutico del papiledema. Annals d’oftalmologia: Òrgan de Les Societats d’Oftalmologia de Catalunya, Valencia i Balears, ISSN-e 1133-7737, Vol. 18, No. 3 (JUL-SEP), 2010, 18(3), 3. Retrieved from https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6396794&info=resumen&idioma=SPA
  • López Valdés, E., & Bilbao-Calabuig, R. (2007). Papiledema y otras alteraciones del disco óptico. Neurología Suplementos, 3(8), 16–26. Retrieved from https://medes.com/publication/42694
  • Garza-Urroz, Yvette M., Karla L. Chávez-Caraza, and Ingrid Franco-López. “Daño ocular severo secundario a un seudotumor cerebri.” Revista Mexicana de Oftalmología 93.2 (2019): 104-107.
  • de Lima Lardi, Sílvia, Juliana Ferreira da Costa Vargas, and José Amadeu Vargas. “DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE EDEMA DE PAPILA ÓPTICA.”
  • Galindo, Lorena Monge, et al. “Hipertensión intracraneal idiopática: experiencia en 25 años y protocolo de actuación.” Anales de Pediatría. Vol. 87. No. 2. Elsevier Doyma, 2017.
  • (PDF) Papilledema. An updated approach. Papiledema. Un enfoque actualizado. (n.d.). Retrieved August 29, 2020, from https://www.researchgate.net/publication/26851689_Papilledema_An_updated_approach_Papiledema_Un_enfoque_actualizado