Cistos epidermoides: causas e possíveis tratamentos

09 Novembro, 2020
Os cistos epidermoides são caroços na pele que aparecem com alguma frequência. Não geram riscos à saúde e seus sintomas são muito limitados. Por que eles se formam? Descubra a seguir.

Os cistos epidermoides são pequenos nódulos benignos na pele. Sua localização pode ser variável, mas eles se desenvolvem principalmente no rosto, pescoço e tronco.

Eles crescem lentamente e raramente são dolorosos. Portanto, por não causarem desconforto, geralmente não requerem nenhum tratamento. A seguir, detalhamos suas principais causas e os tratamentos disponíveis.

Por que os cistos epidermoides se formam?

A camada mais superficial da pele, a epiderme, é formada por uma fina superfície que protege as células que estão em troca constante. Na maioria dos casos, os cistos epidermoides se desenvolvem quando as células da epiderme não se desprendem adequadamente e, em vez disso, se multiplicam.

Eles podem inclusive se localizar nas camadas mais profundas da pele. Outra causa do seu aparecimento é uma lesão cutânea ou irritação da porção mais superficial do folículo piloso.

As paredes do cisto são formadas pelas células da epiderme, e a queratina é então secretada para o cisto. Danos a um folículo piloso ou glândula sebácea na pele podem ser o gatilho para o crescimento anormal de células epidérmicas.

Sintomas de cistos epidermoides

Os cistos epidermoides não se expressam com muitos sintomas, mas sim com alguns sinais característicos, como os seguintes:

  • Um caroço pequeno e redondo que pode ser visto sob a pele do rosto, do pescoço ou tronco.
  • A abertura central do cisto é bloqueada por uma espinha preta.
  • Se o cisto estiver infeccionado ou inflamado, a área da pele pode ficar avermelhada, com aumento da sensibilidade e inchaço.
  • Às vezes, um fluido espesso, amarelo e com mau cheiro pode ser drenado.
Cisto no rosto
Se as células da pele não se desprenderem normalmente, um cisto epidermoide pode se desenvolver.

É necessário consultar o médico?

A maioria dos cistos epidermoides não causa problemas ou requer tratamento. O atendimento imediato é recomendado ao observar as seguintes características:

  • Se o crescimento for muito rápido.
  • No caso de ruptura, ocasionando dor ou sinais de infecção.
  • Se o cisto epidermoide se instalar em uma área sempre irritada.
  • Quando causa desconforto por motivos estéticos.
  • Se estiver localizado em uma parte incomum do corpo, como os dedos.
  • Se estiver acompanhado por febre.

Leia também: Como eliminar os cistos de gordura com remédios caseiros

Fatores de risco dos cistos epidermoides

Qualquer pessoa pode desenvolver um ou mais cistos epidermoides, mas o início da puberdade pode influenciar o seu surgimento. Os homens são mais predispostos, assim como aqueles com síndrome de Gardner, síndrome do nevo basocelular ou paquioníquia congênita tipo 2.

Possíveis complicações

Em raras ocasiões, podem ocorrer complicações. Algumas delas são as seguintes:

  • Inflamação.
  • Infecção e abcessos dolorosos.
  • Ruptura causada por trauma ou por infecção bacteriana causada por Staphylococcus aureus, Escherichia Coli e Streptococcus do grupo A.
  • Câncer de pele. Um estudo revela que 1% dos cistos sofrem uma transformação maligna em carcinoma basocelular ou carcinoma espinocelular.

Como é feito o diagnóstico?

O médico faz o diagnóstico simplesmente observando a lesão. É semelhante a um cisto sebáceo, mas não são a mesma patologia. A causa dos cistos epidermoides é a lesão dos folículos pilosos ou da camada mais externa da pele. Se o diagnóstico for duvidoso, uma biópsia pode ser necessária para descartar outras condições.

Diagnóstico diferencial

Não deixe de ler: Dicas para remover as espinhas da virilha

Tratamento dos cistos epidermoides

Os cistos epidermoides geralmente não requerem tratamento. Somente haverá indicação para tratamento nos casos que causem desconforto pela localização, por motivos estéticos ou por infecções repetidas. A seguir, citamos as principais opções.

Incisão e drenagem

Consiste em fazer um corte no cisto epidermoide. Então, com uma leve pressão, o conteúdo será expelido para o exterior. Este é um procedimento rápido e fácil, mas se não for feito corretamente, o cisto pode reaparecer com o tempo.

É necessário extrair todo o conteúdo do cisto e, por sua vez, a cápsula que o contém. Caso contrário, o cisto se formará novamente com o tempo.

Retirada de cisto da pele
A técnica de incisão e drenagem é a primeira escolha de tratamento para os cistos epidermoides.

Pequena cirurgia

O médico especialista remove todo o cisto, incluindo sua cápsula. Um estudo publicado na revista Medical Sciences detalha a importância da excisão de todo o revestimento desse tumor na redução das taxas de recorrência.

O paciente provavelmente terá que retornar ao consultório dias depois para remover os pontos. A cirurgia é pequena, mas impede que o cisto surja novamente na mesma área. Se o cisto estiver inflamado ou infectado, o principal será fazer o tratamento correspondente e, em seguida, marcar a cirurgia.

Infiltração

Se o cisto estiver inflamado e inchado, uma boa prática médica é injetar um corticosteroide na área da lesão. Isso, entretanto, será determinado apenas pelo profissional.

Terapia antibiótica

Às vezes, quando a presença de uma infecção é evidente, o tratamento com antibióticos orais é iniciado como primeira instância. Assim que a infecção desaparece, o médico avaliará outras opções terapêuticas.

Um tumor não necessariamente é maligno

Os cistos epidermoides são tumores benignos da pele. São muito comuns e não requerem tratamento médico se não apresentarem sinais e sintomas. Entretanto, não devem ser manuseados para evitar infecções ou complicações.

  • Zito PM, Scharf R. Cyst, Epidermoid (Sebaceous Cyst) [Updated 2020 Apr 29]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2020 Jan-. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK499974/
  • Habif TP. Benign skin tumors. In: Habif TP, ed. Clinical Dermatology: A Color Guide to Diagnosis and Therapy. 6th ed. Philadelphia, PA: Elsevier; 2016
  • Weir CB, St.Hilaire NJ. Epidermal Inclusion Cyst. [Updated 2020 May 3]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2020 Jan-. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK532310/
  • Wollina U, Langner D, Tchernev G, França K, Lotti T. Epidermoid Cysts – A Wide Spectrum of Clinical Presentation and Successful Treatment by Surgery: A Retrospective 10-Year Analysis and Literature Review. Open Access Maced J Med Sci. 2018;6(1):28-30. Published 2018 Jan 10. doi:10.3889/oamjms.2018.027
  • Hoang VT, Trinh CT, Nguyen CH, Chansomphou V, Chansomphou V, Tran TTT. Overview of epidermoid cyst. Eur J Radiol Open. 2019;6:291-301. Published 2019 Sep 5. doi:10.1016/j.ejro.2019.08.003
  • Weir CB, St.Hilaire NJ. Epidermal Inclusion Cyst. In: StatPearls. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2020.
  • Zuber TJ. Minimal excision technique for epidermoid (sebaceous) cysts. Am Fam Physician. 2002;65(7):1409-1420.
  • Hoang VT, Trinh CT, Nguyen CH, Chansomphou V, Chansomphou V, Tran TTT. Overview of epidermoid cyst. Eur J Radiol Open. 2019;6:291-301. Published 2019 Sep 5. doi:10.1016/j.ejro.2019.08.003